Estudo avalia macieiras em método “muro frutal”

Sistema “muro frutal” aumenta a produção, facilita a mecanização e acrescenta qualidade às frutas.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Estudo avalia macieiras em método “muro frutal”
Áudio

Há cerca de dois anos pesquisadores do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná, Iapar-Emater) avaliam técnicas alternativas de condução de macieiras na unidade de pesquisa de Palmas, no Sul paranaense. Eles observam o chamado método “muro frutal”.

Nessa proposta, as plantas são implantadas em fila, com espaçamento reduzido (como se fossem formar uma cerca-viva). Entre as vantagens desse sistema estão o aumento da produção por área, facilitar a mecanização dos tratos culturais e da colheita, acrescentar mais qualidade aos frutos e reduzir custos de implantação e condução de pomares.

“A ideia central é encontrar opções superiores ao método ‘líder central’, largamente utilizado nas regiões produtoras do Brasil”, explica o pesquisador Clandio Medeiros da Silva, referindo-se ao tradicional sistema em que as plantas são distribuídas no terreno com espaçamento amplo e manejadas com podas para ganhar formato cônico.

O que o estudo pesquisa?

Silva explica que estão sendo avaliados métodos de condução em sistema plano —plantas são distribuídas no terreno com apoios e conduzidas de forma bidimensional (ao contrário do “líder central”, que é tridimensional) — e, em outra frente, com podas que dão às árvores o formato da letra V.

IDR PR Large
Aumentar a produção por área, facilitar a mecanização dos tratos culturais e da colheita, acrescentar mais qualidade aos frutos e reduzir custos de implantação e condução de pomares. Com esses objetivos, há mais de dois anos pesquisadores do IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná — Iapar-Emater) avaliam técnicas alternativas de condução de macieiras na unidade de pesquisa de Palmas, no Sul do Estado.

A principal vantagem dessas duas abordagens é o aumento de plantas por área e a boa distribuição de luz em todas as partes da planta, aspecto fundamental para a qualidade final dos frutos. A produtividade dos pomares paranaenses, que gira em torno de 36 toneladas de maçãs por hectare, pode ser aumentada em pelo menos 20% com novas práticas de condução, aponta Silva.

Embora ressalte a necessidade de mais observações para uma avaliação conclusiva, Silva conta que o método chamado “muro frutal” vem se destacando. O projeto tem previsão de encerramento no final de 2023.

Sul do País à frente na produção de maçãs

O Paraná é o terceiro produtor nacional da fruta, atrás de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. De acordo com o Departamento de Economia Rural da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SEAB), há mil hectares de macieiras no Paraná, com uma produção de 30,4 mil toneladas (dados de 2020). A fruta é explorada em 37 municípios paranaenses. Palmas, no Sudoeste, e Lapa, na região Sul, são os maiores produtores.

Fonte: Agrolink/Abrafrutas

Crédito: Adobe Stock

Crédito: Divulgação IDR-Paraná

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Com a procura internacional crescente, o clima favorável para a produtividade, a qualidade dos produtos e os novos mercados crescem as vendas externas da fruticultura brasileira
Um novo levantamento divulgado pela Emater-MG mostra que milho, feijão e hortaliças foram as culturas mais afetadas pelo excesso de chuvas. As perdas são grandes
Embrapa lança edital para viveiristas interessados em produzir mudas e sementes de amendoim forrageiro. Trata-se de uma oportunidade dos agricultores diversificarem produtos
Desempenho no ano passado representa uma evolução de 10,3% em receita cambial, na comparação com 2020. Já no montante de quedas houve queda importante e esperada