Instalação da futura Escola de Inovação Agrícola no Paraná

Câmara Municipal de Cascavel-PR aprovou o Projeto de Lei nº 86/2021 para concessão de uso de uma área à Secretaria de Estado da Educação para Escola de Agroinovação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Instalação da futura Escola de Inovação Agrícola no Paraná
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Com os votos favoráveis de todos os vereadores, a Câmara Municipal aprovou na terça-feira (22/06), o Projeto de Lei nº 86/2021, que pede autorização legislativa para realizar a concessão de uso de uma área à Secretaria de Estado da Educação, com o objetivo de instalação da futura Escola de Inovação Agrícola. A proposição foi apresentada pelo Poder Executivo e foi votada em regime de urgência, em duas sessões extraordinárias realizadas logo após a ordinária. 

A área a ser concedida pertence à Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Fundetec) e faz parte das instalações atuais da Escola Tecnológica Agropecuária (Agrotec). Estão incluídos cerca de 2 mil metros quadrados de edificações, compreendendo o bloco administrativo, salas de aula, guarita, alojamento denominado Espaço Piquiri, refeitório, auditório e biblioteca. A concessão é por quatro anos, renováveis por iguais períodos. 

O projeto para implantação da Escola de Inovação Agrícola no município foi idealizado pelo vereador Professor Santello (PTB) em 2017, quando foi suplente na Câmara de Vereadores. Em 2021, quando assumiu como titular eleito, teve o apoio de todos os outros vereadores que assinaram a Indicação juntos (Indicação 01/2021). “Com a aprovação desse projeto, começa a concretização do sonho em implantar um colégio nesses moldes em Cascavel. Isso tudo não seria possível se não tivéssemos o apoio de muitas pessoas. Além dos demais 20 vereadores, só temos a agradecer ao prefeito Leonaldo Paranhos, ao presidente da Fundetec, Alcione Gomes e ao deputado estadual Gugu Bueno por acreditarem na nossa ideia e não medirem esforços para efetivar esse projeto”, ressaltou Santello. 

De acordo com o responsável da fundação, Alcione Gomes, o local comporta a Escola de Inovação Agrícola. “Temos uma estrutura fantástica, com laboratórios e todas as ferramentas. Somos uma região agrícola, com 6 das 10 maiores cooperativas do Brasil e precisamos produzir mão de obra e uma nova geração com novas competências que possam ser os profissionais do futuro. Temos potencial para transformar essa nossa região na inovação agrícola que nós precisamos”, reforçou Alcione. 

Para o Professor Santello, “não se trata apenas de implantar uma nova escola, mas criar uma sistemática de ação fundamentada em abrir novas oportunidades na melhoria da condição de vida e conhecimento para os filhos de produtores agrícolas e de trabalhadores rurais, promovendo a integração entre o Ensino Médio e a Educação e Qualificação Profissional Inovadora, onde alunos aprenderão como manejar a fertilidade do solo e os recursos naturais de forma sustentável, planejar e executar projetos relacionados a sistemas de irrigação e de uso da água, selecionar, produzir e aplicar insumos, projetar e gerenciar instalações rurais entre tantas outras ações”. 

Segundo o legislador, “todo esse conhecimento através da Escola de Inovação Agrícola permitirá que esse profissional tenha formação para administrar ou trabalhar em agricultura familiar, propriedades rurais, empresas agropecuárias, estabelecimentos agroindustriais, empresas de assistência técnica e extensão rural, reservas naturais, cooperativas e pesquisa cientifica, através de atividades relacionadas à inovação e ao uso de novas tecnologias”.  

“Queremos dar a chance do jovem agricultor entender de e-commerce, robótica e inteligência aplicadas, mecatrônica, enfim, tudo que diz respeito à agricultura 4.0 e de precisão”, salienta Alcione Gomes. As tecnologias existentes hoje no campo possibilitam, por exemplo, a aplicação de defensivos agrícolas por drones e o plantio de áreas via GPS, utilizando tratores autônomos”, diz. 

“Se oferecermos apenas as matérias tradicionais de um Colégio Agrícola, o aluno será limitado, pensando apenas como executor de funções, ou seja, como ordenhar uma vaca, proceder com uma inseminação artificial. Não que isso não seja importante para o campo, mas atingimos um novo ciclo que precisa acompanhar as tendências da modernidade”, ressalta o presidente da Fundetec. “A proposta é oferecer ao jovem um direcionamento para atuar com as inovações em genética animal e de plantas, por exemplo”, completa. 

Fonte: Comunicação Legislativo de Cascavel 
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Leia também