Consórcio Rotacionado para Inovação na Agricultura Familiar

Embrapa no Maranhão realiza curso online para levar ao produtor os conhecimentos gerados pela pesquisa e demonstrando como ocorre a prática no campo

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Consórcio Rotacionado para Inovação na Agricultura Familiar
Foto – Divulgação
Áudio

No próximo dia 11 de agosto, das 8h às 12h, pelo YouTube da Embrapa, será realizado o Curso sobre Manejo do Consórcio Rotacionado para Inovação na Agricultura Familiar – CRIAF. O CRIAF é uma tecnologia que busca a diversificação da produção na propriedade do agricultor familiar e permite organizar a produção da família em faixas, separando as espécies cultivadas de forma que não haja competição entre elas por nutrientes, água, luz e espaço. Planta-se arroz, milho, feijão-caupi e mandioca, com ênfase nas variedades em uso na região e incluindo variedades bioforticadas. Além do consórcio, o sistema preconiza a rotação de culturas com uso de “safrinha”, prática que intensifica o uso da terra e maximiza o aproveitamento do período chuvoso.

Abordagens do curso sobre manejo do consórcio rotacionado para inovação na agricultura familiar

Entre os conteúdos a serem abordados estão escolha da área, limpeza, preparo do solo e calagem; fertilidade do solo e adubação de plantio das culturas alimentares do arroz, feijão, milho e mandioca; implantação do CRIAF; manejo de ervas daninhas; manejo de doenças; densidade de semeadura e espaçamento das culturas; manejo básico de cada uma das culturas e do consórcio; adubação em cobertura; rotação de culturas no CRIAF; colheita e pós-colheita; transferência de tecnologia e extensão rural para a expansão e difusão do CRIAF. São técnicas de manejo do solo, manejo de pragas e doenças, fertilidade e arranjos espaciais que permitem uso mais eficiente da terra com sustentabilidade, conservação e manejo adequados do solo. A adoção do CRIAF propicia também a redução da carga de trabalho. Também haverá palestra sobre a “Importância dos alimentos biofortificados para a segurança alimentar e nutricional”.

O objetivo do curso é levar conhecimentos gerados pela pesquisa da Embrapa para a inovação na agricultura familiar, por meio de demonstração online de como ocorre a prática no campo. “É uma abordagem simples, na linguagem do produtor rural que pode ser facilmente entendida por todos os interessados”, completa Santiago. O público-alvo do evento é formado por extensionistas, técnicos de secretarias municipais de agricultura, professores, estudantes, produtores familiares e demais interessados nas culturas alimentares do arroz, feijão, milho e mandioca.

Mais sobre o CRIAF – Fora do contexto de pandemia, a transferência dessa tecnologia é feita diretamente nas comunidades rurais familiares por meio de Unidades de Referência Tecnológica – URTs e com a participação dos técnicos e produtores das regiões. O objetivo dessa abordagem é a construção do conhecimento e a promoção do desenvolvimento regional pelo empoderamento dos atores locais envolvidos. O retorno social é a melhoria da produtividade, segurança alimentar e renda do pequeno produtor familiar. Em termos ambientais, ao incentivar o consórcio e a rotação de culturas, a tecnologia permite incremento na ciclagem de nutrientes, melhor e maior manutenção da biodiversidade, melhoria da conservação do solo, controle de ervas daninhas, manejo de pragas e doenças das culturas. “Essa é a grande lógica do sistema: diversificar com sustentabilidade e aprender fazendo”, resume o analista.

Fonte: Núcleo de Comunicação Organizacional – NCO da Embrapa Cocais
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Na média nacional, a produção de café beneficiado em 2021 deve ser 25,7% menor do que no ano passado.
Com objetivo de reduzir incidência de pragas nas lavouras, IMA estima fiscalização presencial em 124 propriedades no estado
Produtores do Sul do Brasil recebem certificado por boas práticas na produção de tabaco
Safra 2020/21 da laranja foi responsável por 5,94% das vagas da agricultura brasileira com mais de 40 mil postos