Search
Close this search box.

Compost barn propõe redução de estresse térmico na pecuária leiteira

1 de julho de 2024

Resfriar as vacas pode estabilizar a produção de leite durante o ano todo até em regiões mais quentes
Compartilhe no WhatsApp
Compost barn propõe redução de estresse térmico na pecuária leiteira

Com a premissa de resfriamento das vacas para garantir a produtividade do leite e a saúde dos animais durante todo o ano, o compost barn é uma tecnologia criada para ajudar a combater o estresse térmico na pecuária leiteira. O problema gera perdas estimadas de US$ 13 bilhões por ano no mundo todo. O dado é apontado pelo médico veterinário Adriano Seddon, co-fundador de uma empresa que desenvolve projetos de resfriamento de vacas e um dos introdutores do compost barn no Brasil.

“O estresse térmico gera perdas econômicas maiores do que mastites, problemas com a qualidade do leite, reprodutivos ou de casco”, resume Seddon. Ele destaca que, durante o verão, as propriedades registram queda de produção, reprodução e sanidade animal.

“Por meio do monitoramento da temperatura dos animais, treinamento da equipe e customização do sistema de resfriamento conseguimos reduzir o estresse térmico e estabilizar a produção durante todo o ano, garantindo a rentabilidade do negócio”, afirma.

Compost barn

Em tradução livre, compost barn significa “estábulo de compostagem”. A tecnologia visa eliminar a queda de desempenho produtivo e reprodutivo do rebanho leiteiro que acontece durante o verão.

A cama orgânica para as vacas, em galpão coberto, é a principal característica do sistema. Confeccionada em material orgânico rico em carbono, a ideia é cobrir o piso do galpão, deixando a área confortável para as vacas. O manejo inclui técnicas para deixar a cama sempre seca e em constante aeração.

Os animais podem circular de maneira livre pela sala de resfriamento – o que favorece a socialização do grupo -, que conta com tecnologia para climatização do ambiente. O processo, conforme orienta Seddon, inclui o manejo adequado da cama, o resfriamento das vacas e a limpeza de corredores e bebedouros.

Os animais podem circular de maneira livre pela sala de resfriamento — Foto: Cowcooling / Divulgação
Os animais podem circular de maneira livre pela sala de resfriamento — Foto: Cowcooling / Divulgação

A introdução do método no Brasil, por volta de 2011, teve como gatilho o desafio de manter os animais da fazenda leiteira saudáveis e produtivos durante todas as estações do ano. “Como médico veterinário, trabalhando com reprodução e parte sanitária das vacas, percebi vários desafios relacionados com o ambiente”, conta.

Com as chuvas de verão, por exemplo, a formação de lama gera problemas que afetam a saúde da glândula mamária, prejudicando a qualidade do leite, e problemas de casco, resultando em dificuldades para a realização das operações diárias com o rebanho.

“A tecnologia começou a ser implantada por aqui com o intuito de fazer com que a fazenda pudesse manter de forma melhor esses animais, de maneira que eles não ficassem doentes, se tornassem mais longevos e que fosse fácil realizar as operações necessárias da atividade”, completa.

Desde que chegou ao Brasil, o compost barn – adotado há mais tempo em países do Hemisfério Norte, de clima temperado – vem ganhando espaço nas propriedades. Não há uma estimativa correta, mas Seddon acredita que a tecnologia está presente em um percentual significativo das propriedades que atuam com produção leiteira.

“Boa parte das fazendas mais especializadas tem esse sistema, virou o principal meio de produção de leite de gado confinado no Brasil”, acredita.

Por Globo Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Entre janeiro e junho, foi exportado quase o mesmo volume de peixes, em valores, de todo o ano passado
Doença em um aviário comercial no Rio Grande do Sul gerou fortes reflexos para os frigoríficos na B3
No periódico Current Microbiology, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Alimentos descreveram três cepas de bactérias do gênero Lactobacillus em queijos que podem beneficiar a saúde humana e atender às demandas da indústria queijeira