O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Como superar derrotas e lidar com os erros

Balanços trimestrais na vida profissional ou pessoal ajudam a definir os próximos passos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Sempre gosto de aproveitar o fechamento dos trimestres do ano para fazer balanços e definir o planejamento de curto, médio e longo prazo. Compreender os resultados do trimestre anterior, seja na vida profissional ou pessoal, é de extrema importância para definir os próximos passos. Como foi sua performance nos últimos tempos? Você fechou o trimestre com uma memória de vitória ou de derrota? Como você conseguiu lidar com os extremos desafios impostos neste período? Conseguiu se guiar bem e tirar os aprendizados necessários?

Se você e sua equipe tiveram um resultado muito positivo é bem possível que estejam com a energia em alta, e talvez até com uma certa arrogância. Lembre-se que junto com as vitórias chegam também desafios mais difíceis, que precisam ser encarados com humildade e lucidez para evitar se comprometer com obstáculos mais altos do que seja possível saltar nesse momento. Também é necessário renovar a conexão com o seu time, lembrando que os bons resultados só foram obtidos por conta da união de todos, e que sem essa confiança e reconhecimento mútuo o conjunto perde a harmonia e pode deixar de apresentar entregas positivas.

Mas se você, seu time ou a empresa tiveram um resultado mediano ou não tão bom quanto se tinha planejado, a memória da derrota pode ter sido ativada. E é sobre ela que quero falar um pouco hoje.

A cultura corporativa e a sociedade em geral ainda lidam muito mal com o erro, focam em resultados e assertividade, e descartam a possibilidade da falha. Vivemos com medo de errar e presos à ilusão de que temos o controle das coisas. E quando o inevitável acontece – as quedas que sofremos ao longo da vida –, nos falta repertório para lidar com suas consequências.

O hipismo me ensinou uma lição preciosa: lidar com a queda e entender que “cair do cavalo” faz parte! Em uma prova, quando o conjunto (cavalo e cavaleiro) sofre um acidente, uma queda ao saltar um obstáculo, ele é convidado a saltar novamente um obstáculo que já tenha superado naquela prova. O objetivo é que o conjunto não saia da pista com a “queda” ou “acidente” na memória, mas sim com a confiança de que são capazes. Ao pularem outra vez e obterem êxito, é costume que os expectadores aplaudam reconhecendo a vitória da dupla, a vitória sobre o medo. Esse é um exercício poderoso capaz de dispersar qualquer vestígio de medo e impotência. É um remédio e tanto para curar a “memória da derrota”, e que passei a aplicar em situações profissionais e pessoais. Uma receita ótima é não mais paralisar de medo, mas sim se colocar em movimento.

Saber lidas com as quedas

A vida é uma sucessão de desafios e obstáculos. Não há como impedir esse fluxo, por isso é importante saber lidar com as quedas. Perder tempo demais em algo que não saiu como você queria pode ser prejudicial, minando sua autoestima e confiança, assim como a do seu time. Nessa hora é preciso acolher os sentimentos e machucados, respirar fundo e fazer uma leitura objetiva dos fatos: eu e minha equipe estamos preparados para saltar esse obstáculo? Faltou treino? Como foi que caímos? O que pode ser feito de diferente? Como podemos nos ajudar? Quanto mais rápido e consciente essa leitura for feita, mais rápida será a superação da queda. E quanto mais quedas você superar, menor a chance de cair de novo.

Lembre-se que uma derrota sempre traz consigo muito aprendizado e resistir a isso é ir contra o seu próprio crescimento. O seu papel como líder é, na medida do possível, prever o risco da queda e direcionar seu time para um salto seguro, para o qual vocês estejam prontos. Porém, se caírem, podem juntos mapear o que deu errado, tirar os aprendizados e encontrar as medidas necessárias para um novo salto, mais maduro, mais potente e mais harmonioso. 

Sejam bem vindos ao segundo trimestre de 2021!

Flávia Ramos

Amazona de mim mesma