Clima ameaça safra de soja em todo o Brasil

Colheita começa com clima comprometendo a safra em todo o Brasil, comprometendo as estimativas que sinalizavam novo recorde na produção
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Clima ameaça safra de soja em todo o Brasil
A cada novo mapa climático que é divulgado para a América do Sul a preocupação do produtor de soja aumenta – Foto: Divulgação/Agência Brasil
Áudio

A cada novo mapa climático que é divulgado para a América do Sul a preocupação do produtor de soja aumenta. A Argentina e o Paraguai devem ser atingidos por uma forte onda de calor, bem como o Sul do Brasil (PR, SC e RS).

Enquanto isso, no Sudeste, Centro-Oeste e Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) as chuvas deverão continuar e também seguirão causando problemas. E é por isso que tem sido tão difícil projetar qual será o real tamanho da safra 2021/22, o que tem mantido o mercado de grãos tão volátil.

“Em nosso relatório da abertura do dia desta segunda-feira, 10 de janeiro – o Acorda Brasil, que é enviado bem no fim da madrugadinha e no raiar do dia (entre 5h50 e 6h da manhã), alertamos aos clientes que essa atualização de estimativas de safra tem sido uma das mais difíceis para nosso corpo de análise”, disse o diretor da Pátria Agronegócios, Matheus Pereira.

Ainda assim, ele afirma que as perdas na América do Sul já estão na casa de 20 milhões de toneladas. E lembra ainda que “apesar das quebras em valores absolutos serem maiores para o Brasil (por possuir uma safra total maior que nossos vizinhos), as quebras em valores percentuais têm sido mais agressivas na Argentina”.

Na última semana, a Bolsa de Cereales de Buenos Aires relatou uma piora considerável na safra argentina, bem como fez o Ministério da Agricultura. De estimativas iniciais próximas a 50 milhões de toneladas, para algumas consultorias o país pode não colher 40 milhões diante do atual cenário climático, já que as perdas continuam se acumulando nos campos por conta da seca e do calor intenso, duas condições que tendem a continuar nos próximos dias.

Embora a seca seja bastante severa com as lavouras de soja, o excesso de chuvas também causa preocupação. Há cidades em estados como Mato Grosso e Goiás onde as chuvas já chegam ininterruptamente há quase 20 dias. Nas regiões produtoras do Matopiba, a situação é semelhante.

“Os solos do centro-norte de Goiás, quase todo o Tocantins, mesma realidade para Minas Gerais, já atingiram a capacidade de campo e passam agora por saturação hídrica. Está impossível a mecanização no atual momento, pragas estão livres e reduzindo a capacidade produtiva das culturas em campo”, lamenta Pereira.

O produtor rural Altair Fianco, de Uruçuí/PI, relatou ao Notícias Agrícolas que a falta de luminosidade, por conta das chuvas frequentes, impossibilita o andamento dos trabalhos de campo e já reduz a qualidade das lavouras. Fianco afirma que a logística também pode ser um problema.

Fonte: Notícias Agrícolas
Crédito da foto: Divulgação/Agência Brasil

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Com a procura internacional crescente, o clima favorável para a produtividade, a qualidade dos produtos e os novos mercados crescem as vendas externas da fruticultura brasileira
Um novo levantamento divulgado pela Emater-MG mostra que milho, feijão e hortaliças foram as culturas mais afetadas pelo excesso de chuvas. As perdas são grandes
Embrapa lança edital para viveiristas interessados em produzir mudas e sementes de amendoim forrageiro. Trata-se de uma oportunidade dos agricultores diversificarem produtos
Desempenho no ano passado representa uma evolução de 10,3% em receita cambial, na comparação com 2020. Já no montante de quedas houve queda importante e esperada