O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Vendas da carne suína ao mercado externo tendem a aumentar

Além da forte demanda da China, integram-se nessa expectativa as importações expressivas do Chile, Argentina e Filipinas
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
carne suína
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Os preços da carne suína apresentaram queda no mercado interno nos últimos meses, segundo análise da Conab. Enfocando a movimentação do mercado de carnes nos quatro primeiros meses do ano, a Companhia Nacional de Abastecimento, com seu novo trabalho de divulgação, o AgroConab, atenta para a diminuição da demanda interna e pontua o aquecimento das exportações.  

Entre as conjunturas divulgadas aparece a forte demanda chinesa, que aumentou em 40% o volume das exportações neste primeiro quadrimestre em comparação ao mesmo período de 2020. Também aparecem na análise o aumento expressivo das importações do Chile, Argentina e Filipinas, indicando que as vendas para o mercado externo cheguem a 100 mil toneladas no mês. 

Perspectivas para a carne suína no Brasil 

Dentre as produções animais, a suinocultura atualmente representa um cenário extremamente atrativo para os produtores, já que os indícios de seu crescimento no futuro são muito favoráveis, tornando-se uma carne cada vez mais presente no prato do consumidor brasileiro. 

Hoje, no cenário mundial, o Brasil se encontra como o 4º maior produtor e exportador de carne suína no mundo, sendo que em sua frente temos a China, União Europeia (considerando todos os seus 28 países juntos) e os Estados Unidos, e por outro lado, após o Brasil temos os russos como 5º maior produtor e exportador mundial.  

Dados apontam que ano após ano o crescimento no ramo é constante, o que demonstra a grande margem para expansão que o país ainda encontra. Além disso, todo o cenário geopolítico favorece o nosso crescimento, pois embargos econômicos entre China e EUA apenas alavancaram a China como sendo, além de maior produtora e exportadora, a maior importadora, resultando num incremento de 140% das exportações de carne suína do Brasil para China e de mais 23% apenas para Hong Kong. 

Recentemente, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a MB Agro (consultoria agribusiness) realizaram um estudo para avaliar o mercado de alimentos e suas projeções para os diversos produtos do agronegócio para a próxima década. Esse estudo constatou que entre os anos de 2018 e 2029 haverá um aumento na produção suína de 35%, com 5,1 milhões de toneladas produzidas; crescimento da demanda doméstica em 27%, chegando a 3,9 milhões de toneladas em 2029; evolução no consumo per capita, migrando de 14,4 kg/hab/ano em 2018, para 17,2 kg/hab/ano em 2029; e por fim, o aumento de 68% nas exportações líquidas. 

Fonte: AgroConab/MB Agro
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal MAB