Brasil volta a exportar lácteos para a China

A ABRALEITE parabeniza a CCGL, responsável pela 1ª exportação de reabertura da China para os produtos lácteos brasileiros após duas décadas.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Brasil volta a exportar lácteos para a China
Áudio

No início de novembro, a cooperativa gaúcha enviou um lote de leite em pó integral, leite em pó desnatado e leite em pó zero lactose ao país asiático, abrindo as portas de um imenso mercado para a cadeia do leite nacional.

“Trata-se de uma conquista indiscutível, que tem um simbolismo fantástico para a cadeia do leite do Brasil. Com esse negócio, certamente a China comprovará a qualidade e segurança do nosso leite, o que pode significar novos embarques e também a aproximação com outros mercados”, assinala Geraldo Borges, presidente da Abraleite.

ccgl
ccgl

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Carlos Vianna, presidente da CCGL, disse que as negociações demoraram dois anos e que “o objetivo do primeiro embarque é ter o produto na China para podermos trabalhar comercialmente. Abrimos um canal com o maior mercado consumidor do mundo”.

No início do atual governo, em alinhamento com Abraleite, CNA, OCB, Viva Lácteos e outras entidades, a ministra Tereza Cristina começou a promover a abertura de mercado de vários países e a China estava lá no 1º grupo.

Preço do leite recua no Brasil, apesar da alta internacional

A dinâmica das principais economias mundiais tem indicado bom crescimento econômico, tanto para 2021 quanto para 2022. Os pacotes de estímulos econômicos disponibilizados ajudaram a suportar esse crescimento, mas também provocaram pressão sobre diversos preços, especialmente das commodities.

O petróleo é um bom exemplo desse aumento de preços, passando de US$ 40/barril em julho/2020 para US$ 83/barril no início de novembro/2021. No mercado de leite também houve valorização nos preços, com o último leilão do Global Dairy Trade (GDT), de 2 de novembro, indicando leite em pó integral a US$ 3.921/tonelada e manteiga a US$ 5.350/tonelada. O baixo crescimento da oferta nos principais exportadores e uma boa demanda por lácteos tem sustentado os preços internacionais.

No mercado brasileiro a situação está mais complicada. O maior volume de leite oriundo do período de safra e uma demanda interna fraca acabou colocando pressão baixista nas cotações do mercado atacadista, do mercado Spot e ao produtor.

O leite Spot em Minas Gerais recuou de R$ 2,58/litro na primeira quinzena de setembro para R$ 2,00/litro no início de outubro. O leite UHT registrou queda também acentuada, passando de R$ 3,60/litro para cerca de R$ 3,10/litro no mesmo período. Queijo muçarela e leite em pó, em linha com os demais produtos, registraram recuo nas cotações no mercado atacadista.

Tais quedas acabaram sendo parcialmente repassadas para o produtor. Após altas consecutivas iniciadas em março, com o período de entressafra, o cenário dos últimos dois meses foi de recuo. Em outubro o preço médio brasileiro do leite ao produtor foi de R$ 2,33/litro, um recuo de 5 centavos em relação a setembro. Para novembro, referente ao leite entregue em outubro, a queda foi mais acentuada, mas os dados ainda não foram publicados pelo Cepea.

É um momento particularmente desafiador, já que que as margens estão reduzidas em toda a cadeia produtiva. Tanto produtor quanto laticínio tem observado piora na rentabilidade, em função da alta acentuada nos custos de produção e redução nos preços recebidos.

leite embrapa
leite-embrapa-ykExg

Conjuntura do produtor merece atenção

No caso do produtor, o custo com alimento concentrado segue mais alto e tem sido observado incrementos significativos nos preços dos defensivos e fertilizantes, encarecendo a adubação das pastagens e a produção de silagem.

É importante lembrar que o Brasil importa cerca de 70% dos fertilizantes utilizados e esse mercado é bastante concentrado, com China, Rússia, Canadá, Estados Unidos e Marrocos dominando boa parte da produção e comercialização.

Alguns desses países têm colocado restrições às exportações, o que provocou fortes altas internacionais. Somado a isso, a elevação no frete internacional e a desvalorização do real frente ao dólar acabam encarecendo ainda mais os fertilizantes importados para o mercado brasileiro.

O fato é que o cenário de custos mais elevados tende a persistir, afetando a rentabilidade da pecuária de leite nos próximos meses. Esse aperto de margens é uma situação já vivenciada em outros momentos e acaba refletindo em ajuste negativo da oferta e posterior repique de preços do leite.

O ambiente macroeconômico brasileiro segue complicado. As previsões de crescimento econômico pioraram, bem como o cenário de inflação e juros. A inflação acumulada em 12 meses, medida pelo IPCA, atingiu 10,67% em outubro. Já no IGP-M, essa alta atinge 21,73%.

Com isso, a expectativa é de taxa de juros Selic já chegando a 11% em 2022. Essas altas acumuladas de preços corroem o poder de compra das famílias e prejudicam o consumo em geral e de lácteos em particular. O mercado de trabalho tem mostrado recuperação ao longo do último ano, mas ainda não refletiu em maior consumo de lácteos.

Fonte: Abraleite/Notícias Agrícolas

Crédito: Adobe Stock

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Remar Cidadão precisa da participação dos cidadãos para avaliação e aprimoramento das previsões de andadas e das normativas de defeso dos caranguejos nos anos futuros
Para especialistas, desempenho exportador das carnes neste início de 2022 é bastante satisfatório, mas o preço da carne suína registra queda anual próxima de 10%
Desempenho no ano passado representa uma evolução de 10,3% em receita cambial, na comparação com 2020. Já no montante de quedas houve queda importante e esperada
As exportações brasileiras de arroz (base casca) tiveram em dezembro um dos melhores desempenhos do ano passado. Setor aproveita e comemora o bom desempenho