Anseio pela reabertura das exportações

Após EEB atípica, retomada dos embarques de carne bovina é a expectativa que se abre nesta semana
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Anseio pela reabertura das exportações
Aguarda-se a retomada das vendas externas nesta semana, depois de 11 dias de paralisações – Foto: Divulgação
Áudio

A expectativa para esta semana é a retomada das exportações de carne bovina, embargadas desde os episódios da vaca louca, sobretudo para a China que vinha acelerando suas importações desde julho.

Se se confirmar, não se espera muita melhora na cotação do boi, mas já sinaliza para o mercado que os frigoríficos podem voltar a comprar um pouco mais, além do que têm contratado para atender o consumo doméstico.

Desde que os casos surgiram há 11 dias – e o MAPA apenas confirmou na noite do dia 3, já com o terceiro teste garantindo ser atípico – os embarques cessaram, mesmo com a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE, da sigla em inglês) prontamente ratificando o diagnóstico.

Reabertura das exportações

O movimento de prevenção das vendas e de defesa dos importadores é considerado normal e pode se estender por até 15 dias, como foi o registrado quando de evento semelhante em 2019.

Desta vez, se espera uma retomada das vendas antes, inclusive porque a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE, da sigla em inglês) ratificou prontamente o diagnóstico brasileiro, o que é considerado o aval mais importante para o mercado internacional.

E o governo garantiu que estava em conversas com os chineses desde quando as suspeitas ainda não estavam oficialmente comunicadas.

Fonte: Money Times/Por Giovanni Lorenzon
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.