Agroindústria aposta na variedade de produtos

As agroindústrias familiares estão presentes nas diferentes regiões e realidades do nosso estado, mesmo onde há forte vocação na produção de grãos, leite ou carnes.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Agroindústria aposta na variedade de produtos
Áudio

Trata-se de uma alternativa que agrega valor aos produtos primários, cria oportunidades de trabalho e gera renda, podendo tornar-se, em muitos casos, a principal fonte de renda da propriedade rural. Elizeu e Ivone Queiroz, de Mamborê, são um exemplo desse segmento que a cada dia mais se profissionaliza em todo o estado.

A agroindustrialização entrou na vida do casal há aproximadamente onze anos, quando a família necessitava de uma nova atividade geradora de renda. Naquela época Ivone e Elizeu não tinham recursos para investir nos três hectares de terra arrendados. Tampouco tinham equipamentos ou maquinários.

A única saída que eles encontraram foi transformar em doce a produção de abóbora que existia na propriedade e vender para amigos. Foi por meio de um desses novos clientes que veio a sugestão para que eles participassem da Feira do Produtor no município.

Na ocasião o casal aproveitou as grandes feiras da agroindústria no estado, com o apoio da Prefeitura e do IDR-Paraná. Ivone já havia feito alguns cursos de transformação de frutas, conservas e outros alimentos e começou a produzir diversos doces e compotas de frutas, diversificando a produção para tentar vender seus produtos em todo o estado.

Diferencial

A partir da experiência de comercialização em grandes eventos, veio a constatação de que era preciso inovar e lançar produtos inéditos ou, pelo menos, oferecer algum diferencial de qualidade e sabor. O casal passou a fabricar frutas cristalizadas, como a casca de laranja, o gengibre e a pimenta cristalizada.

“Desde o começo, a preocupação sempre foi com a qualidade em todas as fases do processo produtivo, optamos por produtos feitos da forma mais artesanal possível, com frutas da estação, preparo em fogão à lenha. Usamos receitas tradicionais da família e, principalmente, com uso reduzido de açúcar, para que o sabor das frutas ou legumes fosse bem acentuado e atendesse aos apelos de saudabilidade, tendências tão comuns em nossos dias”, explicou Eliseu.

Esse cuidado é uma das razões do sucesso da agroindústria Mamborê Produtos Artesanais de Ivone e Elizeu que esteve presente nas últimas sete edições da Feira da Agroindústria Familiar, no Show Rural Coopavel.

Em 2011 o casal decidiu investir num espaço próprio para a produção. Com recursos do Pronaf (Programa Nacional de Apoio à Agricultura Familiar) e apoio da Prefeitura foi iniciada a construção das instalações para qualificar ainda mais a produção, atendendo aos padrões sanitários exigidos pela legislação.

Com a demanda crescente pelos produtos, até mesmo fora das grandes feiras do estado, o casal passou a melhorar a identidade visual dos seus produtos. “O IDR-Paraná contribuiu com orientações técnicas quanto ao tipo de embalagem e, principalmente, a respeito da confecção dos rótulos, adequando-os a legislação vigente” afirmou o extensionista Luiz Vanderley.

Inovação

mamboreagroindcapa
Agroindústria aposta na diversificação de produtos

A variedade é uma das marcas da Mamborê Produtos Artesanais. Atualmente a banana, o mamão e a manga desidratados são os lançamentos da agroindústria. De acordo com Ivone, essa linha investe em produtos saudáveis que vêm sendo muito procurados pelos consumidores.

A agroindústria hoje tem capacidade de produzir 3.000 unidades/mês, entre vidros de doces, geleias, compotas, pacotes de frutas cristalizadas e desidratadas. A produção é comercializada em diversos municípios paranaenses e em outros estados, como Mato Grosso.

Para Elizeu, a receita do sucesso da agroindústria é simples: persistência, determinação, inovação, preço justo e trabalho em família. Para os empreendedores, Ivone deixa um grande incentivo. Segundo ela, cada produto é único, no sentido de que ninguém faz igual a você.

“Mas sempre é possível fazê-lo melhor. Nunca desista, procure sempre capacitar-se e não tenha medo de inovar. Força, foco e fé”, aconselha a produtora.

Fonte: IAPAR

Crédito da foto: Adobe Astock

Crédito: Divulgação Mamborê/IAPAR

leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Com a procura internacional crescente, o clima favorável para a produtividade, a qualidade dos produtos e os novos mercados crescem as vendas externas da fruticultura brasileira
Um novo levantamento divulgado pela Emater-MG mostra que milho, feijão e hortaliças foram as culturas mais afetadas pelo excesso de chuvas. As perdas são grandes
Embrapa lança edital para viveiristas interessados em produzir mudas e sementes de amendoim forrageiro. Trata-se de uma oportunidade dos agricultores diversificarem produtos
Desempenho no ano passado representa uma evolução de 10,3% em receita cambial, na comparação com 2020. Já no montante de quedas houve queda importante e esperada