O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

A criação de uma genética de alto padrão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Trabalho de seleção dos criadores brasileiros visa aprimorar as características desejáveis da raça Dorper & White Dorper, especializada em produção de carne

Por Luiz Alberto Vicente Teixeira e Eduardo Teixeira

Genética (do grego genno, fazer nascer) é a ciência dos genes, da hereditariedade e da variação dos organismos. Sobretudo, é o ramo da biologia que estuda a forma como se transmitem as características biológicas de geração para geração. Do outro lado, há o selecionador, aquele que escolhe cuidadosamente, a partir de determinados critérios ou características.

Segundo as definições acima, o trabalho dos criadores selecionadores brasileiros da

raça Dorper & White Dorper é dar continuidade a um trabalho iniciado por fazendeiros na Africa do Sul há 60 anos. Observando, assim, a multiplicação de individuos que mostrem melhoria das características desejáveis. Ou seja, o que o mercado está procurando numa raça que é especializada em produção de carne.

Nesse sentido, o padrão racial nos dá um norte de onde queremos chegar:

  • Aprumos – Animais a campo, para produzir carne, tem que andar em busca de comida e água. Para tal, precisam de bons aprumos;
  • Cabeça – Forte, com mandibulas fortes para poder comer bem;
  • Balanço – Mostrando o equilibrio de produção de carne e funcionalidade em todo o corpo;
  • Comprimento – quanto maior mais rendimento de carcaça;
  • Acúmulo e distribuição de gordura – importante para a qualidade da carne;
  • Cobertura – é importante manter lã e pelo, mostrando a carga genética balanceada das duas raças mães (rusticidade do Persian e Carcaça do Dorset). Se fugimos para o cabelo, estamos selecionando os genes do persian e perdemos carcaça. Se vamos para a lã, vem juntos os genes de Dorset e perdemos a rusticidade e fertilidade.

Portanto, manter o crescimento e evolução da raça e do rebanho Dorper & White Dorper, requer uma constante observação de todas as características positivas e negativas presentes nela. Bem como utilizar genéticas melhoradoras, visando corrigir e injetar o que se faz necessário melhorar.

Sem dúvidas, os criadores de ovinos brasilieros já importaram milhares de embriões da Africa do Sul e Austrália. Como resultado, houve muitas decepções neste caminho. Porém, hoje o Brasil já encontrou um padrão excelente de animais nas exposições e isto denota que o país está conseguindo selecionar e multiplicar o que tem de melhor.

Ferramentas

Para ajudar a selecionar os bons genes do rebanho brasilerio é necessário implementar tecnologias, ferramentas de medição e indicadores. O que trará, sem dúvidas, mais lucratividade.

Nesse sentido, os criadores brasileiros podem conseguir evoluir usando:

  • Dedicação e observação do rebanho;
  • Tecnologias de reprodução avançadas, TE, FIV, inseminações, multiplicando o que há de melhor, com mais velocidade, porém com um custo maior, porém com inúmeros benefícios para o criador, se bem utilizadas.
  • Índices zootécnicos, a exemplo de peso na apartação, ganho de peso até a

confirmação, rendimento das carcaças dos produtos que vão para o abate.

  • Medição de olho de lombo – Associado com rendimento de carcaça, rusticidade, tolerância a verminoses etc..
  • Indice de partos múltiplos, relacionando a determinadas genéticas e a genes

especificos como o gene Booroola, no Brasil, que possui foi desenvolvido e pesquisado pela Embrapa Sul.

  • As medições de DEPs, (diferença esperada de progenie), que foi elaborada nos Estados Unidos e é aplicada no Brasil desde a década de 70. Ela possibilita comparar, tecnicamente, animais de uma mesma raça independentemente deles serem de um mesmo rebanho e de apenas um proprietário. Trata-se, portanto, de uma ferramenta científica de seleção para alterar a genética de rebanhos em qualquer direção desejada. Os valores de DEP permitem aos criadores comparar adequadamente todos os animais de uma raça sob a mesma base.

Somente assim, associando ferramentas de medição junto com a avaliação de jurados alinhados com os padrões raciais juntamente com a decisão do selecionador para onde a raça deseja evoluir, é que será possível tomar decisões de acasalamento e melhorias genéticas no rebanho brasileiro.

Conflitos e dualidades

Devemos como selecionadores primordialmente,implementar metas de melhorias,com visão estrategica de futuro, que tornem a nossa atividade, uma atividade sustentável e de longo prazo, promovendo o crescimento da raça.

  • Selecionar genéticas e genes produtivos, alinhados com a finalidade da raça, que é a produção de carne, fertilidade, rusticidade.
  • Fomentar a organização de toda a cadeiada carne ovina , que é onde esta a base

do mercado consumidor de genética ,sabendo que no Brasil a base produtiva de carne ovina esta no pequeno criador e no nordeste,na Agricultura familiar.

  • Formar e escolher e apoiar Jurados alinhados com a nossa visão de futuro

da raça,para não ficarmos na “montanha russa” dos julgamentos.

  • Desonerar a produção de genética, julgando cada vez mais animais funcionais rústicos e produtivos independente de tamanho.
  • Caminhar para a implementação dos DEPs , como ferramenta de evolução da

nossa Raça Dorper e White Dorper

Criar e desenvolver uma genética de alto padrão é um trabalho que nunca termina, pois a busca de melhorias é continua e interminavél, e só se consegue realizar este desafio com dedicação e paixão.