Vazio sanitário do algodão e do feijão

Com objetivo de reduzir incidência de pragas nas lavouras, IMA estima fiscalização presencial em 124 propriedades no estado
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Vazio sanitário do algodão e do feijão
Durante a medida, os produtores não podem cultivar ou manter plantas vivas e remanescentes de safras anteriores – Foto: Divulgação
Áudio

Começou em 20 de setembro o vazio sanitário do algodão e do feijão nas lavouras de Minas. O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), é o responsável pela fiscalização do manejo no estado com o objetivo de reduzir a incidência do bicudo do algodoeiro, mosaico dourado e mosca branca nas plantações. Essas pragas causam prejuízos econômicos aos produtores.

Neste ano, exclusivamente presencial, a expectativa é fiscalizar 124 propriedades, sendo 50 de algodão e 74 de feijão. Durante a medida, os produtores não podem cultivar ou manter plantas vivas e remanescentes de safras anteriores.

“O cumprimento do manejo contribui para reduzir o número de ocorrências das pragas e aumentar saúde e produtividade da lavoura. Se detectadas quaisquer tipos de inconformidades durante a fiscalização, o produtor é notificado e tem um prazo máximo de 10 dias para erradicar as plantas presentes na propriedade”, alerta o gerente de Defesa Sanitária Vegetal do IMA, engenheiro agrônomo Nataniel Nogueira.

Algodão e Feijão

A lavratura de auto de infração ocorre somente se, após esse prazo concedido, o produtor não tiver feito a erradicação das plantas voluntárias de algodão e de feijão. “Ou seja, aquelas que nascem espontaneamente nas áreas produtivas e que devem ser eliminadas para não servirem de hospedeiras para as pragas”, explica o engenheiro agrônomo.

Quando solicitado pelo produtor, o IMA autoriza a semeadura e a manutenção de plantas vivas mediante assinatura de Termo de Compromisso e Responsabilidade, nos casos de plantios destinados à pesquisa científica ou à produção de semente genética.

Algodão – O vazio sanitário do algodão vale para as plantações de todo o estado durante dois meses entre os dias 20/9 e 20/11.  Nas propriedades com áreas irrigadas localizadas abaixo de 600 metros de altitude, o manejo acontece de 30/10 a 30/12.

Feijão – Já o vazio sanitário do feijão, acontece simultaneamente com o Distrito Federal e Goiás, pois fazem fronteira com Minas, potencializando os resultados positivos da medida. O manejo ocorre por 30 dias, entre 20/9 e 20/10. É realizado somente na região Noroeste do estado, importante polo produtor.

Fonte: IMA
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Intitulado de SONDA, a nova solução da empresa combate as principais plantas daninhas que afetam a produtividade na lavoura
Surpreendentemente, carnes fecham o mês de setembro com novo recorde na receita cambial proveniente de exportações de carne bovina.
O presidente institucional da Abramilho, Cesario Ramalho, avaliou, em entrevista para o “Valor”, o cenário para safra verão 2021/22.
Entre eles, o etanol como uma das pontes para a nova era da mobilidade sustentável.