União Europeia pede a Londres que encerre impasse agroalimentar

O acordo veterinário com Bruxelas visa encerrar a disputa pós-Brexit na 'guerra da linguiça' sobre certos bens que se deslocam entre a Grã-Bretanha e sua província de Irlanda do Norte
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
União Europeia pede a Londres que encerre impasse agroalimentar
Os legalistas protestam contra o protocolo Brexit da Irlanda do Norte em Belfast Harbour Estate – Foto: REUTERS / Jason Cairnduff
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

De acordo com matéria da Reuters, a União Europeia exortou Londres (06/07) a considerar um acordo veterinário ao estilo suíço com Bruxelas sobre produtos agroalimentares para encerrar uma disputa pós-Brexit na ‘guerra da linguiça’ sobre certos bens que se deslocam entre a Grã-Bretanha e sua província de Irlanda do Norte.

A tensão aumentou sobre os acordos comerciais para a Irlanda do Norte, especialmente para carnes refrigeradas, porque a fronteira aberta da província com a Irlanda, membro da UE, é a única fronteira terrestre da Grã-Bretanha com a UE e seu vasto mercado único.

O comissário europeu Maros Sefcovic, principal interlocutor do executivo da UE com a Grã-Bretanha desde que completou sua saída do bloco no ano passado, disse que o maior desafio para Bruxelas é como reconstruir a confiança e realinhar seu relacionamento com Londres.

“Para construir a confiança mútua, é necessário primeiro trabalhar em conjunto e evitar surpresas”, disse ele, referindo-se à extensão unilateral dos períodos de carência para algumas importações de alimentos para a Irlanda do Norte.

“Em resposta, fomos forçados a iniciar um procedimento de infração (ação legal) e, sem medidas satisfatórias por parte do Reino Unido para remediar essas medidas, não teremos escolha a não ser acelerar esses procedimentos legais”, disse ele em uma conferência.

Os acordos comerciais para a província são regidos pelo protocolo da Irlanda do Norte, parte do acordo de divórcio da Brexit que a Grã-Bretanha fez com o bloco.

Ele busca encontrar um equilíbrio delicado entre manter a fronteira aberta para proteger o acordo de paz da Sexta-Feira Santa de 1998, que encerrou três décadas de conflito sectário na Irlanda do Norte, e impedir o fluxo de mercadorias sem controle para a UE.

O protocolo efetivamente mantém a Irlanda do Norte em uma união aduaneira com a UE, enquanto o resto do Reino Unido está fora dela, mas isso exige controles sobre as mercadorias que chegam da Grã-Bretanha continental. Interrupções nas entregas de alguns produtos irritaram alguns sindicalistas pró-britânicos na Irlanda do Norte.

Londres diz que uma parte importante do Brexit não está vinculada às regras da UE e pediu que a UE seja menos legalista e mais flexível na busca de soluções para o impasse.

O embaixador da Grã-Bretanha na UE, Lindsay Appleby, disse na conferência que Londres vê “uma gama muito ampla e muito significativa de problemas” decorrentes do protocolo que precisa ser tratado, enquanto a UE vê apenas “alguns problemas muito específicos”.

“Não pode realmente ser o caso de proibir a circulação de salsichas britânicas como necessário para a preservação do mercado único”, disse Appleby. “Os problemas são muito mais graves do que o tipo de problemas para os quais a Comissão está atualmente discutindo soluções.”

Sefcovic disse que medidas legais sobre o protocolo não são a opção preferida da UE e que um acordo na semana passada para uma extensão de três meses para a livre circulação de carnes refrigeradas na província sinalizou sua disposição em encontrar soluções pragmáticas.

Afirmou que uma solução de longo prazo para evitar verificações sanitárias e fitossanitárias (SPS) para produtos agroalimentares, que vão desde animais vivos a carne fresca e produtos vegetais, poderia ser na linha de um acordo que a UE tem com a Suíça.

Esse pacto remove quase todas as verificações físicas do SPS, embora não as verificações documentais, e consegue isso por meio de um mecanismo regulatório dinâmico que cria uma Área Veterinária Comum.

“Isso poderia ser negociado muito rapidamente e resolveria muitas preocupações”, disse Sefcovic. “O Reino Unido continuar a aplicar as regras SPS da UE eliminará a vasta maioria dos controles no Mar da Irlanda e não exigirá verificações em outros lugares, digamos, na Irlanda do Norte.”

Ele disse estar ciente das preocupações do governo britânico sobre tal solução, mas acrescentou que é importante “não se envolver muito” com as preocupações sobre o alinhamento de regras e regulamentos entre a Grã-Bretanha e a UE.

Fonte: Reuters
Foto: Divulgação/REUTERS/Jason Cairnduff

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Leia também