UE propõe restrições a produtos de desmatamento

Retórica antiambiental e o enfraquecimento das estruturas federais de fiscalização contra crimes ambientais ofuscam robusto pacote brasileiro de ativos ambientais.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
UE propões restrições a produtos de desmatamento
Áudio

Propostas em discussão na União Europeia de restrição à importação de produtos agrícolas livres de desmatamento, sem diferenciar o desflorestamento considerado legal pelo Código Florestal de derrubadas ilegais, são um grande alerta para o Brasil, avalia o presidente institucional da Abramilho, Cesario Ramalho.

O fato é que a retórica antiambiental do Palácio do Planalto combinada ao enfraquecimento das estruturas federais de fiscalização contra crimes ambientais ofuscam o robusto pacote brasileiro de ativos verdes, bem como vão de encontro ao que os ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura apresentaram positivamente na mais recente Conferência do Clima.

“Temos uma rigorosa legislação ambiental; cobertura vegetal original, acima de 66% – com boa parcela dela, praticamente um terço, dentro das propriedades rurais – práticas agrícolas conservacionistas e que contribuem para o sequestro de carbono; um gigantesco parque tecnológico de biocombustíveis; matriz energética altamente limpa e renovável, etc. , mas tudo isso de nada serve para comunidade internacional diante do descontrole do desmatamento ilegal, sobretudo na Amazônia, e da extração irregular de madeira e de garimpos clandestinos naquela e outras regiões”, ressalta Ramalho.

Abramilho 640x375 1
União Europeia quer restringir a entrada de produtos agrícolas brasileiros no bloco, provenientes de áreas de regiões sob forte desmatamento.

Segundo o dirigente, é inegável que no xadrez geopolítico global há sempre o risco de que medidas de lastro técnico em favor do meio ambiente sejam usadas como subterfúgios protecionistas, violando assim regras do comércio internacional, mas o governo brasileiro vem dando brechas, criando ganchos para que isso ocorra, impactando a credibilidade do País. “Na verdade, não falta lei ambiental no Brasil, e sim o cumprimento dela”.

Primeiramente, o combate ao desmatamento ilegal passa, obviamente, por mais fiscalização e, em particular, pela regularização fundiária, que possa responsabilizar CPFs e CNPJs pelos crimes ambientais cometidos.

Além disso, segundo Ramalho, a diplomacia brasileira precisa também ser mais atuante na comunidade internacional, buscando nos principais fóruns globais, ONU e OMC, para citar alguns, esclarecer dúvidas, questionar, buscar equivalências regulatórias e ao mesmo tempo assumir compromissos, apresentar de forma clara a realidade ambiental do País.

“O comportamento omisso que se viu no G20 não ajuda em nada. Caminhamos para um ponto em que, por exemplo, o que o Código Florestal permite pode passar a não ser mais aceito como regramento ambiental pela UE. E não nos esqueçamos que tendências que surgem no continente europeu têm alta probabilidade de serem replicadas pelo mundo afora”.

Fonte: Abramilho

Crédito: Arquivo Embrapa

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Projeto Conexão Campo e Cidade traz o IPA, instituto que atua na representação da agropecuária na política nacional. Ele entende que governos devem focar na redução de custos para o produtor
Desempenho no ano passado representa uma evolução de 10,3% em receita cambial, na comparação com 2020. Já no montante de quedas houve queda importante e esperada
Bunge disse, em nota, que “esta transação contribuirá para a capacidade de originação de grãos”. A nova aquisição é uma empresa especializada em insumos agrícolas
Querendo ou não, a tecnologia chegou para ficar e é claro que ela está muito além do sinal de internet, na comunicação. Ela vai até novas técnicas e formatos de manejo dos animais