Time Brasil de Salto busca medalha por equipes em Tóquio

Nessa sexta-feira (06/08), 19 países largam na qualificativa da final por equipes em Tóquio que terá 10 nações em pista

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Time Brasil de Salto busca medalha por equipes em Tóquio
Rodrigo com Carlito´s Way no warm-up – Foto: Luis Ruas
Áudio

Nessa sexta-feira (06/08), 19 países largam na qualificativa da final por equipes em Tóquio que terá 10 nações em pista e, se for o caso, as que estiverem empatadas em 10º lugar. O Time Brasil de Salto é o 15º país com o primeiro conjunto em pista entre um total de 19 nações. Largam pela ordem: República Tcheca, China, Japão, Israel, México, Argentina, Marrocos, Nova Zelândia, Irlanda, Egito, França, Suécia, EUA, Grã Bretanha, Brasil, Suíça, Bélgica, Alemanha e Holanda.

Brasil começa com Marlon Zanotelli e Edgar M, Pedro Veniss com Quabri d L´Isle e Rodrigo Pessoa com Carlito´s Way 6 na qualificativa das equipes em 06/08. Rodrigo Pessoa, ouro individual em 2004, integrou os times medalha de bronze em 1996 e 2000.

Time Brasil de Salto busca medalha por equipes em Toquio 1
Marlon com Edgar M na qualificativa individual – Foto: Luis Ruas

Marlon Zanotelli montando Edgar M abre a rodada do Time Brasil e será o 15º em pista, seguido por Pedro Veniss com Quabri d L´Isle, nº 34, dupla que integrou a equipe 5ª colocada na Rio 2016, e Rodrigo Pessoa que retorna ao Time Brasil e garante sua 7ª participação com Carlito´s Way 6, nº 53.

Nova regra no salto

Pelo formato da nova regra, o técnico pode fazer uma troca na equipe até 2 horas antes, por qualquer motivo. Classificam-se para a final as 10 melhores equipes somando o resultado dos três conjuntos da primeira prova (sem descarte). Se um dos conjuntos for eliminado a equipe se classificará depois das que terminaram os 3 conjuntos.

No caso da eliminação de dois conjuntos toda a equipe estará eliminada. A destacar que no novo formato dos Jogos Olímpicos, a disputa individual antecedeu a por equipes e Yuri Mansur com Alfons do Santo Antonio foi para final dos Top 30 fechando em 20º lugar. Marlon Zanotelli com Edgar M disputou a qualificativa individual e por muito pouco ficou de fora da final em 31º lugar.

Fonte: CBH
Fotos: Luis Ruas

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Muito além das competições, a criação de equídeos movimenta a economia do país, gerando empregos e estimulando setores como turismo, moda, alimentação e lazer.
Jack Thunder Corona NAC, de propriedade de Nelson Antunes Correa, ainda ganhou um trailer por ter obtido a melhor média da prova, que foi aberta a todas as raças
A trajetória de Veri Real, campeã em provas equestres, é inspiração para muitos competidores paratletas
Pela primeira vez em 40 anos de história, a grande final da competição Freio de Ouro será disputada fora da Expointer