O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Técnicos de campo e projetos de financiamento

A parceria firmada entre o Sistema CNA/Senar, federações de agricultura e o Banco do Brasil, em março, para a concessão de crédito aos produtores rurais já está gerando os resultados. Recentemente, os primeiros contratos foram assinados em Goiás e Mato Grosso do Sul.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Parceria firmada entre o Sistema CNA/Senar, federações de agricultura e o Banco do Brasil
Parceria firmada entre o Sistema CNA/Senar, federações de agricultura e o Banco do Brasil
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Parceria firmada entre o Sistema CNA/Senar, federações de agricultura e o Banco do Brasil

A parceria firmada entre o Sistema CNA/Senar, federações de agricultura e o Banco do Brasil, em março, para a concessão de crédito aos produtores rurais já está gerando os resultados. Recentemente, os primeiros contratos foram assinados em Goiás e Mato Grosso do Sul.

A cooperação permite que técnicos de campo de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) elaborem projetos para que produtores rurais acessem linhas de financiamentos de custeio e investimento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Um dos beneficiários é o produtor de leite Juverson Queiroz de Magalhães, do município de Orizona, em Goiás. Ele recebe a orientação técnica e gerencial do Senar/GO e percebeu que, depois de implementar melhorias no manejo nutricional, era o momento de investir.

Ele destaca que o auxilio da ATeG foi essencial para conseguir duas operações de crédito. O contrato de custeio pecuário permitiu a compra de 300 toneladas de silagem para manejo dos animais do período de seca. Já o contrato de investimento possibilitou a compra de 10 matrizes leiteiras para melhoramento genético do rebanho.

“Antes eu já tinha feito financiamento, mas com o apoio do Senar na elaboração do projeto foi bem mais fácil e muito mais rápido. Esse recurso vai me ajudar demais para eu dobrar a produção de leite de 300 para 600 litros por dia até o final deste ano”.

O supervisor de ATeG João Paulo Vieira elaborou os projetos para acesso ao crédito depois de passar por treinamento oferecido pelo Banco do Brasil, por intermédio do Instituto CNA. Desde que o convênio foi firmado, em março, mais de 500 profissionais da ATeG em todo o país já participaram e estão aptos a elaborar projetos.

“Após o treinamento fizemos uma sondagem para identificar o perfil dos produtores atendidos pela ATeG e verificar como as linhas de crédito poderiam auxiliá-los. No caso do Juverson (o produtor de Orizona) as operações de crédito vieram no momento em  que ele precisava para melhorar a produtividade”, avaliou Vieira.

A assessora técnica do Instituto CNA, Ana Carolina Mera, explica que o objetivo é otimizar todo o processo para os produtores rurais. “Com isso conseguimos fazer as análises iniciais do projeto e assim garantir que as informações cheguem ao banco de forma correta, com todas as documentações necessárias”, destaca.

O outro produtor beneficiado também atua na pecuária de leite, mas em Mato Grosso do Sul. Depois que passou a receber a Assistência Técnica e Gerencial do Senar, Carlos Dias Rocha, do município de Nova Andradina, incorporou técnicas que aprimoraram o manejo nutricional e o controle de vacas em lactação.

“Com esse financiamento vou conseguir comprar matrizes leiteiras para melhorar o potencial genético e obter mais resultados positivos com o direcionamento da assistência técnica do Senar. Fico muito feliz em ser um dos pioneiros desse projeto e acredito que isso vai favorecer muitos outros produtores no Brasil”.

O projeto aprovado pelo Banco do Brasil foi elaborado pelo técnico de campo e projetista do Senar/MS, Aníbal Vieira Martins.

“Antigamente percebíamos que o produtor tinha vontade de investir, mas não sabia onde e como fazer isso corretamente. Agora, estamos aptos a elaborar o projeto que será apresentando ao banco e direcionar o projeto de investimento para saber onde deve ser aplicado para direcionar melhor o recurso”.

Fonte: Assessoria de Comunicação CNA

Por Equipe Agrovenki

Foto Divulgação