Soluções químicas e tecnológicas otimizam a agropecuária e colaboram com o meio ambiente

Empresas com atuação no agronegócio têm buscado ampliar suas atuações a fim de auxiliar na recuperação de áreas degradadas ou destruídas como ferramenta para combater a crise climática global e melhorar a segurança alimentar, o fornecimento de água e a biodiversidade
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Soluções químicas e tecnológicas otimizam a agropecuária e colaboram com o meio ambiente
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Contribuir com práticas sustentáveis que utilizem menos recursos naturais e energias renováveis são preocupações cada vez mais presentes em todos os setores da sociedade, incluindo na agropecuária. Tanto que, atualmente, o homem do campo já tem em mãos soluções químicas e tecnológicas que possibilitam alcançar, ao mesmo tempo, mais produtividade e eficiência, e ainda contribuir com o uso sustentável da terra, com menores áreas de plantio e pastagem.

A partir do uso de tais soluções químicas e tecnológicas, é comprovado que a atividade agropecuária conseguirá reduzir, significativamente, as emissões excessivas de gases do efeito estufa, causadores das mudanças climáticas. Além disso, o uso de determinados produtos comprometidos com a sustentabilidade evita práticas agrícolas inadequadas que são responsáveis, em grande parte, pelo processo de erosão, que contribuiu para a perda de solo e a baixa produtividade.

Patrícia Reffatti Diosti, Diretora do Departamento de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da TMF Fertilizantes, explica que nos dias atuais já se aplica o conceito do uso da terra mais consciente. Segundo ela, o termo “agricultura regenerativa”, elaborado pelo americano Robert Rodale, se baseia em teorias de hierarquia ecológica para estudar os processos de regeneração nos sistemas agrícolas. “É um conceito ligado à possibilidade de produzir alimento e ao mesmo tempo, recuperar os solos. Pensando nisso, devemos sempre nos preocupar com o equilíbrio de todo o sistema, pontuando os três pilares mais importante: Químico, Físico e Biológico”.

Neste caso, entre as soluções químicas e tecnológicas disponíveis, Patrícia cita o uso do enxofre como aliado tanto da agropecuária quanto do meio ambiente. “O enxofre atua diretamente na Química do solo e na Biologia. Química: como fonte nutricional para as plantas, sendo considerado um nutriente essencial. Biológica: Estimulando a associação com as Bactérias da espécie Thiobacillus (que são responsáveis pela conversão de S [enxofre] elementar em sulfato. Sendo o quarto nutriente mais requerido pelas plantas em geral, o seu uso torna-se cada vez mais necessário. A manutenção de fornecimento adequado de S é essencial para sustentar culturas altamente produtivas, assim como para a nutrição animal e humana”.

Além do enxofre, é possível citar também outras duas soluções químicas e tecnológicas como aliadas da agropecuária e do meio ambiente. É o caso da Cal Virgem (Óxido de Cálcio), capaz de equilibrar os nutrientes do solo de forma sustentável, ao suprir o fornecimento de compostos naturais, como o cálcio e o magnésio, e da Ureia, que possui facilidade de mistura com outras fontes, alta solubilidade, baixa corrosividade e também baixo custo de transporte, otimizando desta forma a produtividade por área plantada, o que reduz a necessidade de desmatamentos.

Segundo Patrícia, todos esses nutrientes essenciais e benéficos para o desenvolvimento das plantas, aplicação e uso racional de micro-organismos do solo podem ser usados na agricultura como aliado para conquistar mais produtividade, sem esquecer da sustentabilidade. Além, ainda, do manejo adequado, buscando sempre a sustentabilidade do solo.

“Devemos sempre lembrar que para conquistarmos altas produtividades, precisamos estabelecer o equilíbrio de todos os fatores (Químico, Físico e Biológico). Estabelecer níveis adequados de cada nutriente (Lei do mínimo), porém, sem excessos (Lei do máximo). Melhorar cada vez mais a qualidade da microbiota do solo, microrganismos benéficos e sua associação com as plantas de interesse. Consequentemente de forma direta e indireta, a Física do solo, melhorando sua estrutura e promovendo um ambiente capaz de otimizar o uso do fator indispensável para produção de qualquer alimento, a Água”, reforça a Diretora do Departamento de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da TMF Fertilizantes.

solucoes quimicas e tecnologicas otimizam a agropecuaria e colaboram com o meio ambiente1
Nutrientes essenciais e benéficos para o desenvolvimento das plantas podem ser usados na agricultura como aliado para conquistar mais produtividade, sem esquecer da sustentabilidade – Foto: Divulgação
De soluções químicas e tecnológicas ao conhecimento sustentável

Para a fabricação de seus fertilizantes agrícolas, a TMF preconiza a utilização de fontes de enxofre e de outras matérias-primas de alta qualidade, pureza e de procedência conhecida e rastreável em todas as formulações de seus produtos. Como resultado, a empresa tem como fornecedora de enxofre a Carbotex, que também mantém em seus valores assegurar a qualidade e a excelência dos seus produtos.

Mais do que oferecer soluções químicas e tecnológicas ao agronegócio, a Carbotex tem como objetivo expandir ainda mais a sua atuação quando o assunto é sustentabilidade. Tanto que, recentemente, a empresa se tornou voluntariamente signatária do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU), mostrando que tem preocupação com a disseminação de informações e valores que visem a sustentabilidade no geral.

“Recentemente enviamos aos nossos clientes a ‘Cartilha da Restauração de Ecossistemas – Um Guia Prático Para A Cura do Planeta’. Ainda que a gente não tenha tanto contato com o produtor direto, contamos com a rede de empresas que também estão alinhadas com os princípios da sustentabilidade para nos auxiliar na divulgação deste importante documento”, frisa Gerson Shinoda, CEO da Carbotex.

A cartilha a qual Shinoda se refere é um documento elaborado pela ONU para dar início a Década da Restauração de Ecossistemas 2021 – 2030 (clique aqui para conferir a cartilha). Nela é possível conferir informações como a que o planeta está perdendo 4,7 milhões de hectares de florestas anualmente. Neste caso, Shinoda frisa a importância da restauração das áreas degradadas e recuperação das florestas em decorrência da manutenção do ciclo da água. Afinal, de acordo com ele, um dos principais meios de preservação dos rios e da reserva hídrica é por meio da transpiração/evaporação da água pelas plantas.

“Entender que o desmatamento da Amazônia afeta a quantidade pluviométrica de outras regiões, como o Centro Oeste e Sudeste, e, consequentemente, a produtividade agropecuária dessas regiões é essencial. Se todos procurarem fazer a sua parte, o bem comum será preservado. É possível conciliar produtividade x sustentabilidade, basta entender como e procurar os meios e produtos mais sustentáveis”, finaliza o CEO da Carbotex.

Nesta luta, o uso de soluções químicas e tecnológicas podem – e devem – ser usadas como aliadas pelo homem de campo para proteger e reconstruir a natureza para o bem das gerações futuras. Somente assim será possível combater a crise climática global e melhorar a segurança alimentar, o fornecimento de água e a biodiversidade.

Fonte: Natália de Oliveira/Assessoria de Imprensa Agrovenki
Crédito das fotos: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Leia também