O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Saudável composição do leite de búfala

A cada ano, mais pessoas descobrem seus benefícios à saúde
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

No Brasil, médias e grandes empresas de laticínios distribuem e comercializam produtos feitos com leite de búfalas de seus próprios rebanhos. Trabalham com matéria-prima apurada e produção com 100% de leite de búfala.

Há cerca de duas décadas, segundo a Associação Brasileira de Criadores de Búfalo, o consumo de laticínios feitos com leite de búfala cresceu 135% no país (2001 para 2005). Mesmo àquela época, quando ainda não era tão divulgado seus inúmeros benefícios, o produto e seus derivados já eram vinculados à ideia de uma alimentação mais saudável. Isso, porque o leite das bubalinas é rico em cálcio, proteína, potássio, ferro e vitaminas, além de substâncias anticancerígenas.

Uma pesquisa recente desenvolvida pela Hibou, empresa de monitoramento de mercado e consumo, apontou que 90% da população brasileira quer cuidar mais da saúde em 2021. Ou seja, desejam manter uma rotina de exercícios físicos e uma alimentação saudável. Neste caso, um forte aliado nesta busca é, sem dúvida, incorporar na alimentação o leite de búfala, que possui inúmeros benefícios a mais para a saúde na comparação com o de vaca.

De acordo com Cecília e Marcus Pinheiro, gestores e proprietários da Fazenda São Victor, de Salvaterra Marajó (PA), referência na produção de leite de búfala no país, o leite, em todas as suas variações, já é bastante conhecido por seu impacto na resistência óssea e desenvolvimento. Mas, no caso do leite de búfala, há 59% mais cálcio do que o de vaca, o que torna ainda melhor para a prevenção de doenças, como, por exemplo, a osteoporose. “Além de outros minerais essenciais encontrados no leite de búfala, que inclui cobre, manganês, fósforo e zinco, que também ajudam a aumenta a força óssea”, citam.

Com relação à proteína – componente importante e fundamental para todas as células do corpo -, o leite de búfala contém alto teor ainda na comparação com o de vaca, de acordo com os gestores da Fazenda São Victor. “Na verdade, o leite de búfala tem cerca de 10% mais proteína do que o derivado de vaca. Ele ainda fornece completas proteínas, que são altamente valiosas e podem ser convertidas em energia utilizável ou aplicadas para a reparação e crescimento do nosso corpo”.

No quesito vitaminas, Cecília e Marcus frisam que o leite de búfala soma ainda mais pontos de vantagens na comparação com o de vaca. Afinal, a vitamina A e C – essenciais para o funcionamento do sistema imunológico e a proteção global do corpo – são encontradas em quantidades significativas. Ambas as vitaminas atuam como antioxidantes, limpeza de radicais livres perigosos e toxinas no corpo que podem causar doenças crônicas.

Outro benefício que não é muito conhecido do leite de búfala é o conteúdo de potássio, que aparece em mais quantidade do que no leite de vaca. “Uma vez que as funções de potássio agem como um vasodilatador, o leite de búfala pode ajudar a baixar a pressão arterial. Ao reduzir a pressão sobre os vasos sanguíneos e artérias, o leite de búfala pode prevenir o desenvolvimento de aterosclerose e outras condições coronárias”, explica Cecília e Marcus

Por fim, vale destacar que uma das comprovações mais favoráveis do leite de búfala em relação ao de vaca é a indicação do dobro da quantidade de ácido linoleico conjugado. “Trata-se de uma substância anticancerígena que atua também sobre os efeitos secundários da obesidade da arteriosclerose e da diabetes”, finalizam.

Derivados de leite de búfala

Queijos cremosos, mussarela, manteiga, tudo feito com leite de búfala. Estudos realizados  com apoio da Associação Brasileira de Criadores de Búfalo (ABCB) comprovam que, independentemente dos maiores níveis de gordura, os derivados de leite de búfalas não elevam os níveis de colesterol.

E, por falar em queijos, o Queijo do Marajó da Fazenda São Victor é detentor do selo “Super Ouro” do Prêmio Queijo do Brasil e “Prata” da 4ª Edição do Mondial du Fromage et des Produits Laitiers, na França. Se não bastasse tudo isso, ainda possui o Selo Arte, ou seja, com autorização para comercialização interestadual.

A Fazenda São Victor é um ótimo exemplo da utilização dessa cadeia produtiva. Localizada em Salvaterra Marajó (PA), conta, atualmente, com uma criação de 300 búfalas que fornecem leite para a produção artesanal do Queijo do Marajó – uma receita secular da Ilha do Marajó, que utiliza em sua fabricação 100% de leite de búfala. O leite é coagulado naturalmente, e como resultado, o produto traz um sabor único ao paladar e, com ele, o resgate da tradição, valores e costumes da região.

Queijo do Marajó Fazenda São Victor

Curiosidade sobre Leite de Búfala

– Crianças expostas à radiação no acidente da Usina Nuclear de Chernobil (Ucrânia), em 1986, foram adotadas temporariamente por famílias italianas, da região de criação de búfala, para serem alimentadas com esse leite, fortalecendo-se e neutralizando os efeitos da radiação. Isso porque o leite exerce alto poder de filtragem no organismo.

– Pode-se dizer que a quantidade de proteína, vitamina e cálcio presentes em 200gr de mussarela de leite de búfala equivale a uma picanha ou três bifes. Esse leite também produz uma deliciosa manteiga com bem menos gordura que a comum.

– O leite de búfala é acentuadamente branco, devido à ausência de B-caroteno (precursor da vitamina A), responsável pela tonalidade amarelada característica no leite de vaca. É mais doce também, devido ao elevado extrato seco, evidenciado pelo maior teor de lactose.

– Sabia que cerca de 7% do leite consumido no mundo é o de búfala? Na Índia, segundo país mais populoso do mundo, por exemplo, as búfalas produzem 70% de todo o leite bebido por lá (misturado com água, porque o leite é bem forte). Mas, na Itália, a produção de leite de búfala é quase que totalmente destinada à indústria de mussarela e há registros de sua produção desde os tempos bíblicos.

Fonte: Assessoria Agrovenki