Sabendo “Quando Ouvi a Voz da Terra”

Carmen Perez, uma das mais respeitadas produtoras agropecuárias do País, estreia, em outubro, seu documentário “Quando Ouvi a Voz da Terra”.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

Sabedoria é ouvir a voz da terra. Todos já sabem e muitos já lutam pela justiça (por mães, avós e filhas), mas a verdade em um cenário predominantemente masculino, a fazendeira de 43 anos, à frente da Fazenda Orvalho das Flores, é referência internacional no setor e ganha cada vez mais respeito e reconhecimento pela maneira como lida com a vida e manejo no campo.

Seu pioneirismo e ativismo em saúde e bem-estar animal são o ponto de partida para o filme, que traz novas narrativas e personagens inspiradores para quebrar paradigmas sobre o setor pecuarista brasileiro.

Instigada a mostrar um novo olhar sobre o campo e pautar práticas sustentáveis, Carmen mergulha em uma jornada tocante para entender como é a vida em outras fazendas em quatro regiões diferentes.

Questionamentos sobre o respeito animal, a ação social e o meio ambiente norteiam uma viagem pelo coração do Brasil, trazendo histórias de pessoas e lugares que compartilham da mesma vontade de produzir alimentos saudáveis de maneira sustentável e em harmonia com a natureza.

“… Voz da Terra!

A narrativa de “Quando Ouvi a Voz da Terra” começa com a trajetória de Carmen Perez, há 20 anos, movida pelo desejo de melhorar a qualidade de vida das pessoas e dos animais, assume a fazenda da família e questiona o sistema de manejo praticado, começando a buscar alternativas para transformar totalmente a lida em suas terras. Com isso, mudou não apenas a sua fazenda, mas tornou-se influência para toda uma cadeia de negócios.

Atuando com novos valores e práticas de impactos positivos, após anos de pesquisas e aprimoramentos, os animais passam a ser protagonistas, sua saúde prioridade e Carmen se torna referência internacional no agronegócio.

Em dois meses de produção, além da fazenda de Carmen, no Mato Grosso, a equipe visitou fazendas em São Paulo, Mato Grosso do Sul e Pará, somando 12,5 mil quilômetros de estrada e infinitas histórias. Ao total são quase 40 horas de gravação, que foram carinhosamente transformadas em uma obra documental da agropecuária brasileira com aproximadamente 70 minutos.

Conhecimento ainda é chave

A proposta é fornecer elementos para que as pessoas tenham mais informação da realidade sobre o campo brasileiro e, quem sabe, ajudar a construir um novo imaginário acerca da pecuária, desmistificando algumas ideias negativas.

“Quero que as pessoas vejam o que eu vejo e sintam o que eu sinto, pois o campo e a cidade estão apenas separados por uma distância física. Somos todos seres humanos e compartilhamos dos mesmos anseios”, comenta Carmen sobre a produção documental.

O intuito também é que a narrativa possa inspirar novas histórias, que estabeleçam conexões com o campo, dando origem a novos protagonismos.

“A ideia central do documentário é dizer, por meio de vozes do campo, que a prioridade é prezar pelo bem-estar animal e que isso significa tratar o bicho com respeito e gentileza desde o nascimento; compreender suas necessidades e conduzir naturalmente seu comportamento genuíno, como manter a natureza em harmonia, respeitando as pessoas e tudo mais que cerca a criação”, resume Carmen.

O documentário “Quando Ouvi a Voz da Terra”, idealizado por Carmen Perez em parceria com o diretor Nando Dias Gomes e a jornalista Flávia Tonin, tem roteiro livre e é favorecido pelos cenários traçados pela própria natureza, dando luz a uma fotografia impecável, além da linha poética e humana que permeia toda a narrativa. A trilha sonora original do documentário foi feita sob o cuidado do violeiro Guito, que é uma das novas revelações brasileiras para o estilo musical.

Cidadania nas maiores e menores coisas

Gravado entre os meses de maio e julho de 2021, do documentário é importante ressaltar que durante as viagens e gravações foram seguidos todos os protocolos de segurança e saúde determinados pela OMS. Tudo isso por cidadania e direito ao trabalho, abraçando o interesse coletivo.

Patrocinado pelas empresas Corteva Agriscience, Elanco Saúde Animal, JBS, KWS Sementes e Primaq/Case IH; e apoio do Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio e Beckhauser, o documentário “Quando ouvi a voz da Terra” terá sua pré-estreia nesse dia 25 de outubro no Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio com apresentações dos bastidores e cenas exclusivas.

Em seguida, às 20h, estará disponível no Youtube no canal Quando Ouvi a Voz da Terra, por um curto período.

O filme não conta com incentivos da Lei Rouanet ou incentivo fiscal. Assina a direção de Fotografia Ricardo Dias Gomes; Som direto, Dimas Caetano e Formiga Matarazzo; e a Produção Executiva é de Carmen Perez e Flávia Tonin.

FICHA TÉCNICA:

• Pré-estreia: 25 outubro, às 20h no youtube no link https://youtu.be/dvbzQvISiTE
• Projeto Carmen Perez, Flavia Tonin e Nando Dias Gomes
• Apresentação: Carmen Perez
• Direção: Nando Dias Gomes
• Produção Executiva: Flavia Tonin
• Trilha Sonora: Guito
• Fotografia: Ricardo Dias Gomes
• Som: Dimas Caetano e Formiga Matarazzo

Fonte: CNMA

Crédito: Forbes

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Projeto Conexão Campo e Cidade traz o IPA, instituto que atua na representação da agropecuária na política nacional. Ele entende que governos devem focar na redução de custos para o produtor
Bunge disse, em nota, que “esta transação contribuirá para a capacidade de originação de grãos”. A nova aquisição é uma empresa especializada em insumos agrícolas
Querendo ou não, a tecnologia chegou para ficar e é claro que ela está muito além do sinal de internet, na comunicação. Ela vai até novas técnicas e formatos de manejo dos animais
Desarranjo nas cadeias globais e a retomada da demanda em grandes portos exportadores do mundo ajudam a explicar a situação que afeta a distribuição de café, carnes, grãos e insumos.