Tecnologia para reuso de água na piscicultura

Matéria orgânica presente na água usada serve como nutriente para as plantas que, por sua vez, acabam por eliminar sua presença.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Tecnologia para reuso de água na piscicultura
Água tratada por plantas pode ser reutilizada em tanques de peixes, oferecendo redução de custo e sustentabilidade.
Áudio

Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Instrumentação (Embrapa Instrumentação), em São Carlos (SP), desenvolveram tecnologia de tratamento de água sem utilização de produtos químicos, usando apenas o cultivo de plantas para reduzir a matéria orgânica da água.

Uma miniestação, chamada de Jardim Aquícola, trata efluentes de viveiros de peixes que contém excrementos, restos de ração não consumida, algas e micro-organismos, e reaproveita os nutrientes na água para a produção de plantas ornamentais, como os copos-de-leite, típicas de ambientes mais úmidos.

O cultivo das plantas funciona como um filtro, já que elas se alimentam dos compostos orgânicos e, assim, acabam deixando a água mais limpa.

De acordo com a Embrapa, a tecnologia se destaca dos métodos convencionais pelos baixos custos relativos de construção e operação, fácil manutenção, baixo consumo de energia, além de dispensar a necessidade de produtos químicos e reduzir a matéria orgânica dissolvida e em suspensão.

A água tratada pode retornar para o tanque de produção aquícola – organismos aquáticos. Com o método, seria possível não apenas reduzir a pegada hídrica da piscicultura, que é o volume total de água utilizado no ciclo de produção, como levar maior sustentabilidade ambiental e econômica à produção de flores como o copo-de-leite.

“A combinação de processos físicos e biológicos que compõem o sistema de tratamento possibilita uma melhoria acentuada na qualidade da água a ser tratada, sem a utilização de produtos químicos. Possibilita ainda o reuso da água tratada nos próprios tanques de produção, auxiliando o uso racional do recurso natural”, disse o pesquisador Wilson Tadeu Lopes da Silva, que lidera o projeto.

O pesquisador explicou que “a utilização de plantas para o tratamento dos efluentes é essencial para o funcionamento do jardim, pois as raízes das macrófitas proporcionam uma superfície para que os filmes microbianos possam se estabelecer”.

Segundo a Embrapa, se o manejo em tanques de produção de peixes não for adequado, a água descartada, sem tratamento, pode ser um problema já que é rica em matéria orgânica. A água nessa condição, ao ser lançada em um rio, pode reduzir a disponibilidade de oxigênio no local e levar à redução das taxas de crescimento de peixes nativos daquele corpo d’água ou até à mortalidade deles.

“A proposta do Jardim Aquícola vai ao encontro das recomendações preconizadas pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), de que a adoção de boas práticas na criação de peixes evita impactos ambientais. O reuso da água é uma delas”, divulgou a Embrapa. O estudo teve a participação de estudantes da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Além da redução de matéria orgânica, o Jardim Aquícola foi projetado de modo a receber um sistema simples de oxigenação da água tratada, em forma de pequenas quedas d´água em série. Essa oxigenação faz com que a água possa abrigar peixes novamente. Silva ressalta que o oxigênio dissolvido na água é uma variável importante na criação de peixes.

“O problema da deficiência de oxigênio dissolvido em tanques de criação de peixes de água-doce se apresenta como uma grande ameaça e um dos fatores limitantes da aquicultura intensiva, porque o esgotamento do oxigênio dissolvido compromete o crescimento e a produção dos peixes”, disse o pesquisador.

Segundo a Embrapa, os resultados laboratoriais obtidos após análises dos principais parâmetros indicativos da qualidade da água – como turbidez, temperatura, oxigênio dissolvido, pH, amônio e demanda bioquímica de oxigênio – apontam essa tecnologia como “uma ferramenta promissora” no tratamento de efluentes da piscicultura.

Diante desses resultados, a tecnologia entrou na fase de prospecção de parceiros para a aceleração e finalização de seu desenvolvimento, com a finalidade de produção e exploração comercial.

Fonte: Agência Brasil

Crédito: Divulgação Secretaria de Aquicultura e Pesca do MAPA

Relacionadas

Veja também

Quando o esporte ou lazer é seguro, toda a família participa e guarda grandes recordações ao lado do tão famoso Mangalarga Marchador.
Na pecuária o compromisso é com o desenvolvimento sustentável da atividade e capacitação dos pequenos e médios pecuaristas.
No Dia Mundial do Ovo, setor celebra perspectiva de novo recorde de consumo, aproveitando a oportunidade de mercado da proteína.
Vacinação. Vacinas são produtos biológicos gerados a partir de vírus, bactérias e outros microrganismos causadores de doenças.