Regiões produtoras do milho se preocupam com as condições climáticas

As recentes geadas e as previsões de uma nova frente fria no Brasil e o clima seco e quente nos EUA podem reduzir o potencial produtivo das lavouras

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Regiões produtoras do milho se preocupam com as condições climáticas
Foto – Divulgação
Áudio

As preocupações com o clima nas regiões produtoras de milho do Brasil e dos Estados Unidos têm impulsionado as cotações do cereal, visto que as recentes geadas e as previsões de uma nova frente fria no BR e o clima seco e quente nos EUA podem reduzir o potencial produtivo das lavouras.

Com esse cenário, vendedores brasileiros estão reticentes em negociar a preços menores, reduzindo a liquidez interna. Além disso, segundo colaboradores do Cepea, os produtores no Brasil estão focados na colheita da segunda safra 2020/21, que segue atrasada em relação à temporada anterior em todas as regiões produtoras. Assim, agricultores priorizam as entregas dos lotes negociados antecipadamente, aguardando o avanço da colheita para contabilizar possíveis perdas de produtividade.   

Do lado dos consumidores, uma parte tem optado por aguardar as entregas e/ou um maior volume colhido para retornar aos negócios. No entanto, os que não têm mercadoria para o curto prazo têm aceitado os patamares pedidos por vendedores, que, em alguns casos, superam R$ 100/saca de 60 kg.

Em Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa avançou 2,7% entre 16 e 23 de julho, indo a R$ 99,99/sc de 60 kg na sexta-feira, 23, o maior valor nominal desde 31 de maio deste ano. De 1º a 23 de julho, o Indicador já acumula alta de 11,6%. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) trouxe seu novo boletim semanal de acompanhamento de safras e os números vieram com uma correção para baixo no índice de lavouras de soja, milho e trigo em boas ou excelentes condições, enquanto o mercado esperava por uma manutenção nos números.

O índice de lavouras de trigo em boas ou excelentes caiu ainda mais e passou de 11% para apenas 9% na semana, contra 10% da semana anterior. No ano passado o índice era de 70%. 3% da área de trigo de primavera já foi colhida nos EUA.

No milho o USDA também trouxe uma correção nos números para baixo, com 64% das lavouras em boas ou excelentes condições, contra 65% da expectativa e da semana anterior. No ano passado, neste período, eram 72%. 26% dos campos de milho estão em condições regulares, mesmo número da semana passada, e em situação ruim ou muito ruim passando de 9% para 10%.

São 79% das lavouras do cereal na fase de embonecamento, contra 56% da semana passada, 79% de 2020 e 73% de média. Há ainda 18% das lavouras na fase de enchimento de grãos, contra 8% da semana anterior, 20% de 2020 e 17% da média.

Amplas geadas devem atingir várias regiões nos próximos dias

De acordo com o agrometereologista da Rural Clima, a previsão para quinta (29/07) e sexta (30/07) é a de amplas geadas e com risco igual ao da semana passada em regiões produtoras do Brasil. Mais uma massa de ar polar.

Já na segunda feira (26/07), noticiava-se uma semana marcada pelas chuvas e pelo frio no Brasil. As chuvas estavam concentradas nas regiões central e leste do Rio Grande do Sul, por conta da passagem de uma frente fria, e avançaram na terça-feira para o norte gaúcho, Paraguai, Santa Catarina e metade sul do Paraná.

Segundo a Rural Clima, entre a noite de terça-feira (27) e de quarta-feira (28), o sistema avança para o Atlântico e vai deixar região norte do Paraná e sul e leste de São Paulo com chuvas. Na quarta-feira, há previsão de chuvas em áreas produtoras do Paraná, sul e leste de São Paulo, bem como há possibilidade de precipitações no extremo sul de Minas Gerais e do Rio de Janeiro. Nas demais regiões clima seguirá aberto e com grande amplitude térmica.

A expectativa é de que a frente fria passe por São Paulo na quarta-feira e o tempo abra, sem que haja novas chuvas, com um declínio da temperatura .Após a passagem da frente fria, uma massa de ar polar ingressará no Brasil a partir de quarta-feira, provocando geadas no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Na quinta-feira (29) o frio será mais intenso e deve haver geadas amplas nos estados do sul do Brasil. Já na sexta-feira (30), a massa de ar polar avança sobre São Paulo leva frio mais extremo ao estado, que pode chegar ao sul de Minas Gerais. Não está descartada a possibilidade de geadas amplas novamente no Paraná e em São Paulo, atingindo cana, café, laranja, entre outras culturas.

Fonte: Cepea, USDA, Rural Clima
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

No Brasil, mais de 200 mil famílias da agricultura familiar cultivam fibras naturais e o valor exportado, em 2020, superou US$ 100 milhões.
Planta desenvolvida pela Embrapa para cultivo no Cerrado pode ajudar o Brasil a ser autossuficiente na produção do cereal.
Está dada a largada para o plantio de 72 milhões de hectares, disponíveis para a safra 2021/2022.
Parceria firmada é um passo visando sustentabilidade e responsabilidade social no campo.