Protocolo de abate humanitário de peixes

Com participação de pesquisadores da Itaipu Binacional e da Universidade Federal do Paraná, estudo propõe auxílio protocolado para abate de peixes
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Protocolo de abate humanitário de peixes
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Esse tipo de protocolo para abate humanitário de peixes já existe na cadeia produtiva de aves, bovinos e suínos, mas ainda não na piscicultura. Com isso, um estudo inédito, com participação de pesquisadores da Itaipu Binacional e da Universidade Federal do Paraná, pretende auxiliar na construção de protocolos para esse fim.  

Conforme o engenheiro agrônomo André Watanabe, da Divisão de Reservatório da Itaipu, o abate humanitário nessas cadeias produtivas utiliza eletrochoques para sedar os animais antes do abate propriamente dito. Com peixes, utiliza-se gelo, processo que é bem mais demorado e não elimina o sofrimento do animal. 

“O uso da eletricidade permite processo de atordoamento mais rápido e econômico”, explica Watanabe. “E também resulta em uma carne de melhor qualidade. Porém, o emprego dessa técnica para os peixes requer mais estudos. Há uma grande variação na eficiência de atordoamento em função das características de cada espécie, como o tamanho, por exemplo. Para cada espécie, poderá existir um procedimento específico”, acrescenta. 

Peixes: Parceria Técnica Labea & Itaipu 

Para estabelecer esses protocolos, o Laboratório de Bem-estar Animal (Labea), da UFPR, firmou uma parceria técnica com a Itaipu, que consistiu no uso de equipamentos de pesca elétrica, importados pela Itaipu para a captura com fins de monitoramento e estudos desenvolvidos sobre espécies nativas do Rio Paraná. Atualmente, a equipe possui um sistema específico para aplicação na piscicultura. 

A parceria resultou no artigo científico “Electrical stunning in South American catfish (Rhamdia quelen) using current waveform: welfare and meat quality”, que acaba de ser publicado na revista Ciência Rural e que, além de Watanabe, também é assinado por Daniel Santiago Rucinque, Andrea Gomes Chalbaud Biscaia, Carla Forte Maiolino Molento, todos do Labea/UFPR. Em 2018, essa mesma equipe produziu publicação similiar para o pacu, na revista Aquaculture, intitulado “Electrical stunning in pacu (Piaractus mesopotamicus) using direct current waveform”. 

Os estudos utilizaram 140 peixes das espécies jundiá e pacu, distribuídos em dois grupos. Para um, foi utilizado como protocolo um choque de 125 Volts, 30 Hertz, ciclo de trabalho de 90% e 1,3 Ampere por 30 segundos. Para o outro, a sedação foi realizada com 400 V, 30 Hz, ciclo de 27% e 0,9 A por 30 s. O estudo em específico atestou a eficiência de sedação em 100% dos animais no grupo de 400 V. 

“Esses testes realizados com o pacu e o jundiá são inéditos e certamente serão referência para estudos e futura publicação normativa a respeito desse método para a indústria de pescado, o que é bastante importante para a região Oeste do Paraná, onde se encontra um dos principais polos de cultivo de peixes do País”, garante Watanabe. 

“Os resultados em pacu e jundiá podem subsidiar novas pesquisas e estimular a atualização da normativa de abate humanitário, na qual os peixes não estão contemplados. Assim como os outros animais, os peixes podem sentir dor, e o consumidor está cada dia mais preocupado com o bem-estar dos animais”, comenta Daniel Santiago Rucinque. 

Fonte: UFPR, Itaipu
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal MAB

Relacionadas

Leia também