O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Projeto Patrulhamento Rural é apresentado no Sindicato Rural de Jaciara

Segurança no campo: União entre PM e Sindicato Rural de Rondonópolis, projeto visa implantar policiamento especializado em áreas rurais
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

O Projeto Patrulhamento Rural, implantado em Mato Grosso pela Polícia Militar e com o apoio dos produtores rurais está crescendo no Estado. Começou com um projeto piloto no Sindicato Rural de Rondonópolis, com o apoio da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), para coibir os crimes nas fazendas. Este mês (16/04), o projeto foi apresentado para o Sindicato Rural de Jaciara.

Alberto Luiz Chiapinotto, presidente do Sindicato Rural de Jaciara, o vice-presidente Rafael Oliveira Santos e o diretor Luiz Breda reuniram-se com o tenente-coronel Gleber Candido Moreno, comandante do 14º Comando Independente da Polícia Militar de Força Tática, para conhecer os resultados desse trabalho.

A reunião foi um pedido do superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT), produtor rural em Rondonópolis, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, conhecido como Chico da Paulicéia, que também participou do encontro. A fazenda do superintendente faz parte do Programa de Patrulhamento Rural e já recebeu a placa de identificação. “Este é um projeto estadual importantíssimo de segurança no campo, que começou na região sul e se espalhou por todo o estado com o apoio do governador. É uma reivindicação do Sistema Famato e que está se tornando realidade”, afirma Chico da Paulicéia.

Coronel Cândido apresentou os números de Jaciara e descreveu os trabalhos que estão sendo feitos em todo o Vale do São Lourenço, do qual o município faz parte. Segundo ele, somente em Jaciara havia 79 propriedades rurais que já faziam parte do sistema de cadastro do Programa. Os proprietários estão inseridos nos canais de comunicação da PM, faltando somente a fixação de placas de identificação.

Chiapinotto ficou surpreso com a grandiosidade e a seriedade da Polícia Militar na execução da ideia. “Esse programa deu tão certo em Rondonópolis que serviu de exemplo para nós. Vamos seguir o modelo e fortalecer a parceria com a Força Tática, para juntos ampliarmos as ações em todo o Vale do São Lourenço. Com o patrulhamento e auxílio da tecnologia, conseguiremos mais agilidade nos atendimentos às ocorrências, intensificando a eficiência na segurança rural”, disse.

Resultado da parceria

No dia 20/04 a PM, através do 4º Comando Regional e 14ª CIPM de Força Tática, acompanhada de membros da diretoria do Sindicato Rural de Jaciara, fizeram cadastramentos de propriedades rurais e patrulhamento na MT-457 e MT-140 da região rural da Jaciara e Juscimeira. Também houve cadastramento de propriedades rurais e fixação das placas de identificação nas fazendas já cadastradas anteriormente no patrulhamento rural das regiões de São José do Povo e Itiquira.

Em 21 de abril, houve patrulhamento rural georreferenciado em Santa Elvira e rondas nas regiões adjacentes. Ainda no dia 21/04, as rondas foram feitas em São Pedro da Cipa, na Gleba Pombal, assim como em Rondonópolis, na estrada do Campo Limpo, BR-163, MT 471 e MT 040.

Foi acordado com a Força Tática que, uma vez por semana, será realizado o patrulhamento e cadastramento georreferenciado no vale do São Lourenço.

O projeto – A Polícia Militar, em parceria com o Sindicato Rural de Rondonópolis, implantou a Patrulha Rural com policiamento especializado voltado para trechos de difícil acesso, fazendas, plantações, comunidades rurais, fazendas, áreas ribeirinhas, entre outras.

O comandante explicou que, com o exemplo da cidade piloto, Rondonópolis, o projeto expandiu para outros municípios da região e do estado. “Essa parceria entre a PM e os sindicatos rurais melhorou muito a eficiência do patrulhamento e, aos poucos, tem aumentado a segurança no campo.

Sobre os primeiros passos, o coronel salientou que os produtores rurais abrem as porteiras das propriedades e fornecem informações importantes para o início do monitoramento.

“Nessa situação, é importante o papel do presidente do sindicato rural em aproximar a polícia e os produtores para que tenham confiança em abrir as propriedades e fornecer as informações necessárias. Durante as visitas, o policial passa a coletar dados com o produtor e a orientá-lo sobre segurança”, explicou o comandante Cândido.

A partir daí os dados vão para um cadastro da PM. A fazenda passa a ser georreferenciada e recebe uma placa de identificação com um número exclusivo. O proprietário é adicionado em um grupo de mensagens para dar celeridade às ocorrências.

Fonte: Ascom Famato