O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Preço de milho em balcão é pauta de discussão governamental

Medida emergencial em fase de estruturação pode permitir que estatal compre milho via leilão público
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu na semana passada com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e os Ministérios da Agricultura e da Economia para discutir medidas previstas pelo governo para o abastecimento de milho em 2021 e a operacionalização do Programa de Venda de Milho em Balcão.

O milho da venda em balcão vem dos estoques públicos formados por meio da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) e, em função dos preços atrativos, a Conab não precisou intervir no mercado para a formação de estoques desde 2017. 

Durante a reunião virtual, a CNA defendeu a operacionalização do Programa de Venda de Milho em Balcão, uma vez que os elevados custos de produção e a oferta restrita do grão têm se tornado um gargalo para as atividades pecuárias no primeiro semestre de 2021.

De acordo com o vice-presidente da CNA, deputado José Mário Schreiner, o Programa serve como referência de preço do grão em diversos municípios das regiões Norte e Nordeste. “Caso o estoque seja esgotado, o risco é que os preços do milho nessas regiões se elevem ainda mais, especialmente em função da perspectiva de desabastecimento”, disse.

No encontro, foi informado que o Governo Federal está estruturando uma medida emergencial que permitirá à Conab adquirir milho via leilão público e garantir a matéria-prima para abastecer o Programa e consequentemente as regiões que têm mais dificuldades de acesso ao cereal.

O presidente da Comissão Nacional de Desenvolvimento da Região Norte da CNA, Muni Lourenço, afirmou que os estoques para a operacionalização do Programa estão muito baixos, o que tem preocupado o setor agropecuário. “No estado do Amazonas o Programa já atendeu 350 produtores e na primeira quinzena de abril apenas 17. A iniciativa é essencial para a manutenção de pequenos e médios produtores da pecuária”.

Lourenço defendeu ainda uma medida emergencial para esse momento dramático e a necessidade de ampliação de atuação estratégica, principalmente, em cadeias mais sensíveis aos choques de oferta de insumos.

Participaram do encontro o diretor do Departamento de Crédito e Informação do Mapa, Wilson Vaz de Araújo, o secretário de Política Agrícola do Ministério da Economia, Rogério Boueri, e o diretor-executivo de Operações e Abastecimento da Conab, José Trabulo de Sousa Júnior.

Também estiveram presentes na videoconferência o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Espírito Santo (Faes), Júlio Rocha, o presidente da Comissão de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA, Ricardo Arioli, os assessores técnicos da CNA, Fernanda Schwantes e Fábio Carneiro, e das Federações de Agricultura, além da equipe da Conab responsável pela operacionalização das compras de milho e do Programa de Venda de Milho em Balcão.

Fonte: Assessoria de Comunicação CNA