Search
Close this search box.

Plano Safra 2022/2023: produtor rural deve ficar atento às taxas de juros

30 de agosto de 2022

A FAESP lembra que as taxas do Plano Safra estão inferiores à Selic, mas superiores às praticadas em planos anteriores
Compartilhe no WhatsApp
Plano Safra 20222023 produtor rural deve ficar atento às taxas de juros
Em consonância com o plano anterior, a agricultura familiar segue sendo fortalecida com alta de 36% nos recursos anunciados para esse público – Foto: Oleksandr Ryzhkov/Freepik

Avaliação realizada pela Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP) indica que o Plano Safra 2022/23 trouxe várias mudanças positivas, porém é preciso avaliar se a safra corrente se desenvolverá em um cenário mais favorável ao setor produtivo. De modo geral, todos os programas do crédito rural, seja das operações de custeio e comercialização ou das operações de investimento, tiveram seus recursos ampliados.

Nos programas de investimento, um dos maiores aumentos no volume de recursos foi para o Pronaf, que teve seus aportes elevados em R$ 5 bilhões para o próximo ciclo, totalizando R$ 22,6 bilhões. O destaque negativo foi a elevação das taxas de juros de todos os programas, o que já era esperado dado o movimento de alta da taxa básica de juros da economia (Selic).

Contudo, é válido destacar que embora as taxas de juros do crédito rural tenham subido de 1,5 a 4,5 pontos percentuais, estas ainda se encontram em níveis inferiores à Selic. As maiores taxas verificadas são de 12,5% a.a., para investimento através do Moderfrota, e de 12% a.a. para o custeio de demais produtores (grandes produtores empresariais), 0,75 e 1,25 ponto percentual, respectivamente, abaixo da atual taxa básica (julho/2022).

Para a agricultura familiar (produtores enquadrados no Pronaf), a maior taxa do Plano Safra foi fixada em 6,0% a.a., 7,75 pontos percentuais inferior à Selic, o que demonstra novamente a priorização da oferta de crédito a pequenos produtores rurais.

Em relação ao seguro, houve ampliação do orçamento de R$ 1 bilhão para R$ 2 bilhões, com previsão de subvenções diferenciadas para produtores das regiões Norte e Nordeste e para mutuários do programa ABC+, em 2023, a fim de fomentar a disseminação do seguro, bem como de práticas sustentáveis. Entretanto, convém reiterar que essa programação depende ainda da aprovação desse montante no orçamento do governo para 2023.

A grande preocupação do setor reside na falta de garantia e previsibilidade de execução do orçamento anunciado para o PSR e também para o crédito rural. Caso o orçamento seja efetivamente disponibilizado ao setor, propiciará alívio quanto ao acesso aos recursos necessários, contribuindo para a manutenção das atividades produtivas e o abastecimento alimentar do país.

Plano Safra

O orçamento do Plano Safra de 340,88 bilhões programados para aplicação no crédito rural representa um aumento de R$ 89,68 bilhões ou 36% em comparação à última safra. Em consonância com o plano anterior, a agricultura familiar segue sendo fortalecida com alta de 36% nos recursos anunciados para esse público, que somam R$ 53,6 bilhões. Em um cenário de severa elevação dos custos de produção, essa medida se faz ainda mais necessária, dado que são os pequenos produtores os mais impactados.

Confira mais detalhes fazendo o download da íntegra do Informe Econômico da FAESP, com informações sobre as condições de enquadramento, volume de recursos, prazos e taxas de juros dos programas de custeio, investimento e comercialização, além de outros destaques sobre seguro rural, Proagro, preços mínimos, dentre outros.

O informe técnico pode ser baixado neste link.

Fonte: FAESP

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Indicador de preços dos alimentos atingiu uma média de 120,6 pontos em junho, sem alterações em relação ao dados revisado de maio; leitura de junho foi 2,5% menor do que no ano anterior
De acordo com advogado tributário, a nova MP deve resultar em problemas no fluxo de caixa da empresas e prejuízo bilionário ao agro
Estudo revela que em 2023, a remuneração média real mensal do setor aumentou 11,3% desde o período pré-pandemia.