Percevejo Barriga-verde pode afetar produtividade de lavouras no MT

A infestação da nova espécie de percevejo nas lavouras de milho e soja do estado já causou prejuízo de até 25 sacas/hectare
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Foto: Printerest
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Uma infestação de percevejo barriga-verde está causando danos em lavouras de milho no Mato Grosso. Preocupados, alguns produtores dobraram as aplicações de inseticidas. Se não for controlada, a praga pode diminuir em 50% a produtividade.

Os 1.200 hectares de milho recém-germinados da fazenda do produtor Jorge Piccinin Filho, em Jaciara, foram alvo dos percevejos barriga-verde. Em alguns talhões, os danos ultrapassam 15 sacas por hectare. “Não esperávamos uma pressão tão forte no milho com o percevejo barriga-verde. Por não estarmos preparados, desde o ano passado tivemos muitas perdas, praticamente em todas as áreas, com prejuízo de até 25 sacas”, conta Piccinin Filho.

O agricultor Albino Galvan Neto plantou 2.900 hectares de milho nesta segunda safra. No ano passado, ele fez duas aplicações de defensivos agrícolas contra os percevejos barriga-verde. Neste ano, foram necessárias cinco doses. “Aí vem a desconfiança: será que os princípios ativos são eficientes contra a praga? Será que as doses de bula são eficazes? Em um ano chuvoso como este, será que o princípio ativo se perdeu tão rápido?”, questiona.

O diretor administrativo da Aprosoja-MT, Zilto Donadello, afirma que os produtores estão realmente preocupados com a qualidade das moléculas. “O Ministério da Agricultura tem que fazer uma melhor averiguação para ver se de fato o produto que estamos comprando é de qualidade ou não, pois algumas empresas já nos relatam que os produtos só funcionam 80%”, diz o dirigente.

O que a ciência diz do percevejo barriga-verde até o momento

Entomologista da Fundação-MT, Lúcia Vivan afirma que, por se tratar de um inseto mais rasteiro, diferente do percevejo marrom, é mais difícil atingi-lo. “Isso acontece porque os insetos ficam mais na parte inferior da planta ou mesmo sobre o solo. Assim, a quantidade de produto [inseticida] acaba sendo inferior, e isso vai ocasionar uma permanência dessa população”, diz.

O percevejo barriga-verde tem ciclo de vida estimado em 42 dias. O inseto ataca o mio da plantada, onde tem açúcar, insere uma toxina que apodrece e impede a formação da espiga. Lavouras de soja e milho são mais suscetíveis a danos, principalmente nos primeiros 30 dias.

Segundo Lúcia, o bom manejo e aplicações na hora certa podem garantir o extermínio da praga na lavoura. “Nós monitoramos a população e aplicamos nos estágios iniciais da cultura do milho, não esperamos ver o dano. Esse dado é importante, uma vez que só visualizamos os danos quando a folha se expande, e nesse momento já não tem mais como recuperar essa planta”.

Fonte: Aprosoja-MT

Relacionadas

Leia também