Outono 2021: saiba como fica o clima em cada região do Brasil

Possíveis movimentações da nova estação para cada região do Brasil com as informações dos meteorologistas da Somar e Climatempo
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

O outono começou oficialmente no dia 20 de março, às 6h38 (horário de Brasília) e na Região Sul, neste mês de abril, as frentes frias (responsáveis pela qualidade das chuvas nesta época do ano) se tornaram menos frequentes. Por isso, a chuva deve ficar abaixo da média histórica em praticamente toda a região. Com menos precipitação, a tendência é de mais dias seguidos de tempo seco e mais calor que o normal para a época do ano. Apesar disso, as primeiras ondas de frio devem começar já no fim do mês.

A tempestade subtropical ‘Potira’ deixou o mar bastante agitado e obrigou a interrupção dos embarques no porto de Itajaí (SC). O sistema continua próximo à costa do Sudeste, afastando-se aos poucos. Na sexta-feira passada (23/04), a previsão era de que a agitação na costa deveria continuar, desde o Rio Grande do Sul ao Espírito Santo. Os portos de Rio Grande (RS) até Santos (SP) podem registrar ondas de até 2,5 metros.

Em maio, as configurações oceânicas continuam não favoráveis à passagem de frentes frias. Por isso, a chuva deve ser menos frequente, e deve acumular volumes abaixo da média histórica. As temperaturas caem, como é comum nesta época do ano, mas faz menos frio que o costume.

Já no mês de junho, algumas frentes frias mais intensas vão passar pela Região Sul, e provocar mais chuva do que o normal no leste da Região. Além disso, as massas de ar frio também deverão ser mais fortes e deixarão as temperaturas baixas, especialmente no Rio Grande do Sul.

No Sudeste brasileiro, em abril, ainda são esperados alguns episódios de chuva, que acumulam volumes ligeiramente acima da média no centro-norte de Minas Gerais, no Espírito Santo e no norte fluminense. Nas demais áreas da região, as chuvas são menos frequentes e devem ficar abaixo da média histórica, enquanto as temperaturas devem ficar altas para o período.

No mês de junho, poucos episódios de chuva são esperados para o Sudeste. De forma geral, os volumes acumulados devem ficar próximos à média ou até abaixo do normal para o período, especialmente no interior de São Paulo. As temperaturas ficarão altas, com alguns dias bem quentes ao longo do mês.

Maio continuará chuvoso no norte do Amazonas, em Roraima, no noroeste do Pará e no Amapá, com acumulados expressivos de chuva ao longo do mês. Os outros estados da Região terão chuvas próximas à média histórica.

Em junho, toda faixa norte da Região continuará com volumes de chuva acima da média histórica e temperaturas mais amenas. As demais áreas têm previsão de chuva próxima à média.

Na região Nordeste, em maio, os Distúrbios Ondulatórios de Leste (DOL), responsáveis por grande parte da chuva no litoral norte e leste do Nordeste, estarão menos ativos do que o esperado para a época do ano. Sendo assim, os acumulados devem continuar abaixo da média histórica, enquanto as temperaturas continuam elevadas. As pancadas ficam concentradas no Norte e Nordeste, com boa parte do Centro-Sul seco.

Como o solo está seco em algumas regiões do Nordeste, a pluviosidade pode até aumentar um pouco, mas não por muito tempo. De 28 de abril a 2 de maio, a precipitação continua no Norte, diminuindo um pouco no Nordeste. Uma frente fria provoca chuva no Espírito Santo, Minas Gerais e norte de Goiás, mas boa parte do Centro-Sul deve perder umidade do solo.

De 3 a 7 de maio, pode chover em áreas do Rio Grande do Sul até Mato Grosso, mas sem acumulados muito significativos.

Em junho, as ondas de leste continuam enfraquecidas. Por isso, a chuva continua escassa em grande parte do litoral da Região, com volumes abaixo da média histórica.

Fonte: Somar Meteorologia e Climatempo

Relacionadas

Veja também

Linhas de financiamento para investimento foram as mais procuradas no período com alta de 50%, em comparação com o plano safra anterior.
O programa tem como premissa um modelo de exploração sustentável, com respeito ao solo
Medida foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional e é importante para financiar projetos do agronegócio
Esse prêmio é um dos mais prestigiosos do mundo para o assunto de proteção de cultivos, das safras e também de agricultura digital