O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

O Agro nas escolas

Iniciativas da comunidade Agro buscam revisar conteúdos considerados ultrapassados nos livros didáticos brasileiros
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Hoje, algumas iniciativas buscam ensinar na teoria e na prática a realidade do agronegócio brasileiro. São todas muito bem-vindas, porque no ano passado, as notícias que chegaram a todos os envolvidos com o Agro causaram muita indignação. Muitos pais, acompanhando seus filhos nas aulas online, tiveram acesso ao conteúdo de livros escolares e apostilas, percebendo que a imagem do agronegócio não estava sendo passada de maneira verdadeira, e muitas vezes, até de forma deturpada.

Diante desse panorama, a reação de alguns setores da comunidade do agronegócio brasileiro foi imediata. Duas dentre essas iniciativas foram lideradas pela Associação Brasileira do Agronegócio da Região de Ribeiro Preto (Abag-RP) e pelos acadêmicos Xico Graziano e Marcos Fava Neves. Os dois projetos visam, cada qual ao seu modo, desfazer “confusões” presentes nos livros didáticos do ensino básico brasileiro.

Nesse intuito, a Abag-RP desenvolveu o programa educacional Agronegócio na Escola. A iniciativa, que existe desde 2001, oferece capacitação aos professores de escolas públicas e privadas. Além de palestras e treinamentos, os educadores são convidados a visitar agroindústrias e centros de pesquisas para conhecer de perto os procedimentos da cadeia produtiva. A Abag também oferece um material de apoio, e fica a critério do professor passar o conteúdo para os alunos em sala de aula.

De acordo com Mônika Bergamaschi, presidente do conselho diretor da Abag-RP e ex-secretária de Agricultura do Estado de São Paulo: “As denúncias de pais abriram os olhos para algo que já vem sendo reclamado há muito tempo. Acredito que com a pandemia, eles puderam acompanhar mais de perto a educação dos filhos e passaram a enxergar o equívoco nas informações. Isso é preocupante, pois as crianças têm no professor uma imagem de muito respeito, e quando aprendem algo que não é certo, isso pode levar um tempo para ser desconstruído”.

Segundo a dirigente da entidade, o trabalho para editar os conteúdos distorcidos nos livros escolares leva um tempo para ser feito, por isso deve começar o quanto antes. “Cabe ao setor produtivo apontar onde estão os erros nessas publicações. A academia tem um papel importante nesse contexto. Temos instituições que fornecem dados confiáveis sobre o setor e pessoas capacitadas para efetuar a revisão nos livros”, ressaltou.

O novo mundo rural e a produção de alimentos no Brasil

Na mesma direção caminha a proposta dos professores universitários Xico Graziano e Marcos Fava Neves, intitulada “O novo mundo rural e a produção de alimentos no Brasil”. Também visando a reparação do que consideram erros presentes nos livros didáticos, os autores propõem a discussão de “10 novos temas” ligados ao mundo do agronegócio. São eles:

Tema 1 – Cooperativismo no agro – Cooperativas agropecuárias e outras formas aglutinadoras de produtores rurais se destacam no mundo colaborativo da agropecuária brasileira, que reúnem cerca de 50% da produção de alimentos do Brasil. Suas histórias, em cada canto do país, deveriam ser mais contadas, pois encantam os jovens.

Tema 2 – Aproveitamento dos alimentos. O desperdício de alimentos, suas causas e seu combate, fazem diferença em um mundo onde milhões ainda passam fome. Engajar os jovens na questão do desperdício de alimentos é uma excelente oportunidade para exercícios, exemplos e sugestões, a começar pelo consumo local.

Tema 3 – Matas ciliares. A preservação das áreas que margeiam os cursos de água, obrigatória com a aplicação do Código Florestal no País, está trazendo um aumento das matas que protegem a biodiversidade. Os alunos podem ser levados a trabalhos de reconhecimento de matas ciliares no município onde se localizam.

Tema 4 – Bem-estar Animal. Novos sistemas de condução e produção de animais se evidenciam em todo o mundo, inclusive no Brasil. Significa a implementação de práticas amigáveis e respeitosas, valorizando o espaço livre, as liberdades animais e a senciência (capacidade de sentir) dos bichos.

Tema 5 – Novos alimentos. Aumento da curiosidade e da aceitação de fontes alternativas de alimentos. Crianças e jovens podem conhecer formas alternativas de produção de comida, como as algas e os insetos, as novas frutas que aparecem no mercado (pitaia, por exemplo).

Tema 6 – Bioeconomia. Crescimento de cadeias produtivas baseadas em bioeconomia (biomassa, bioplástico, biocombustível, bioeletricidade, biodiversidade). Incríveis oportunidades surgem devido ao avanço tecnológico, permitindo que plantas, animais e microrganismos se tornem úteis e geradores de valor.

Tema 7 – Agricultura digital. Trabalho de gestão remoto, fazendas inteligentes e agricultura de precisão: um novo mundo se abre com a agricultura digital, abrangendo as propriedades rurais, com equipamentos guiados por GPS, softwares de análise e equipamentos avançados.

Tema 8 – Melhoramento genético. A seleção genética, realizado desde tempos remotos, alterou as características e o comportamento de plantas cultivadas e de animais domesticados. Características desejáveis foram sendo aprimoradas, como docilidade em animais, sabor nos alimentos, maior produtividade. O melhoramento genético é fundamental para explicar o crescimento da população humana.

Tema 9 – Agro colaborativo. As formas de agricultura circular (onde o resíduo de uma atividade é insumo para outra) e a chegada dos modelos compartilhados de produção representam uma vanguarda na dinâmica do agro moderno.

Tema 10 – Atividades secundárias. Apicultura, silvicultura e florestas plantadas, piscicultura e carcinicultura (produção de camarões), floricultura e plantas ornamentais. Existem importantes atividades do agro que nem sempre recebem a atenção da opinião pública ou do ensino.

Agro Brasil

Esses projetos buscam esclarecer as dinâmicas de um setor da economia que, em 2020, exportou cerca de US$ 100 bilhões. Tal recurso entrou pelos portos do Brasil rumo ao interior do país, dinamizando os municípios, contribuindo para o desenvolvimento, com empregos e oportunidades de negócios.

Conforme Xico Graziano e Marcos Fava Neves, “tal conhecimento, sobre a economia e a sociedade, com toda a diversidade existente em um país continental, precisa ser repassado às crianças e aos jovens do ensino fundamental, estimulando-os a refletir sobre a importância presente das relações entre o campo e a cidade. Assim determina a BNCC”.

“A agropecuária brasileira não precisa de esconderijos. Se existem defeitos, históricos e atuais, que sejam expostos, afinal, advêm de uma minoria de produtores. Mas, também é necessário ressaltar as virtudes e, recentemente, os benefícios trazidos pela modernização tecnológica, que configuram um novo mundo rural. Ou seja, trata-se, simplesmente, de contar às crianças a história verdadeira.”

Fontes: Abag-RP/ Poder 360