Nova modalidade de negócios no morango

Produtores de morango adotam sistema de “colha e pague” na Região Metropolitana de Belo Horizonte
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Nova modalidade de negócios no morango
Morango orgânico cultivado em Florestal, região metropolitana de Belo Horizonte (MG) – Foto: Divulgação Emater-MG
Áudio

Um casal de agricultores familiares mineiros implantou o sistema “colha e pague” para os períodos de alta produção dos morangos orgânicos que cultiva. A atividade é desenvolvida em Florestal, Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde a dupla produz a fruta desde fevereiro deste ano. A experiência do “colha e pague” já é bem conhecida em regiões rurais de São Paulo e sul do país, mas ainda é pouco explorada em Minas Gerais. Geralmente, o empreendimento está relacionado à fruticultura, principalmente o morango, e ao turismo rural.

Como o próprio nome diz, o sistema permite que o consumidor possa, ele mesmo, apanhar as frutas que vai comprar. Ele recebe uma cesta e uma tesoura, além das orientações de realização da tarefa. Mas o esquema não se resume a isso. No local, o comprador tem o acompanhamento dos agricultores que passam informações relativas à cultura e cultivo do morango, tornando a experiência mais informativa, rica e agradável para adultos e crianças. Praticamente um passeio que pode ser compartilhado em família.

Além disso, quem resiste a saborear morangos fresquinhos, que acabaram de ser tirados do pé? É permitido que as pessoas possam degustá-los, no próprio local de colheita depois que as frutas são pesadas e pagas. Se não quiser, é só levá-las para consumir em casa.

Em Florestal, apesar do pouco tempo de funcionamento da nova modalidade de comercializar e divulgar o morango produzido, o resultado positivo da empreitada surpreendeu e superou as expectativas de Daniela Leonel e Hernane Lucas Barbosa. Eles são os donos do empreendimento agrícola e idealizadores do projeto que teve início no final de junho. Segundo Daniela, ela já estava com uma expectativa muito boa, mas o retorno foi além do que esperava.

“Foi incrível a aceitação das pessoas. Ouvi muitas opiniões do tipo: ‘nossa que energia boa’, ‘que gostoso vir aqui’, ‘uma experiência única’. Os adultos relembravam coisas da infância, momentos que eles já tiveram, a fruta desejada que não podiam comprar, porque não era tão acessível. As crianças, por outro lado, tiveram a oportunidade de colher o moranguinho no pé. Então, teve muita repercussão e propaganda boca a boca”, comemora a agricultora.

Daniela Leonel explica que o sistema não pode ser contínuo, pois obedece a sazonalidade da fruta, cuja produção tem picos e baixas, não permitindo que a atividade aconteça o ano inteiro. “Eu consigo produzir o ano inteiro, pois a cultivar que plantamos permite. Porém, não vou ter uma produção igual o ano todo. Vão ter períodos de picos e períodos de queda na produção. Quando eu tenho picos, posso oferecer a opção do “colha e pague”. Quando a produção cai, eu só consigo vender da forma convencional, nos pontos de revendas, ou aqui no nosso espaço de produção. Ainda assim, de acordo com a disponibilidade do morango”, argumenta.

Para participar do “colha e pague”, os interessados devem se inscrever antecipadamente, por meio de um link, no Instagram do empreendimento do casal, conhecido como Emporium da Roça.

“Não cobramos entrada. O visitante paga R$ 29 pelo quilo do morango colhido. Não tem mínimo e nem limite, mas por enquanto a gente vai controlando um pouquinho. Disponibilizamos três horários nas sextas, sábados e aos domingos”, informa Daniela Leonel.

Nova modalidade de negócios no morango
Daniela e Hernane, na estufa de morango – Foto: Divulgação Emater-MG

Emater-MG na frente

Os agricultores são conhecidos de longa data da Emater-MG, empresa vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Em 2013, eles deixaram os empregos na cidade de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, e retornaram à Minas Gerais para ficar perto da família e realizar um projeto de vida. Queriam tornar realidade o sonho de viver do trabalho no campo e desfrutarem de qualidade de vida. Vieram na cara e na coragem.

“A gente queria empreender, morar no campo. A gente sempre teve essa queda pra roça e tinha essa ideia de qualidade de vida. E chegamos sem experiência com roça, terra, mercado e nem capital suficiente pra fazermos investimentos. A gente só tinha muita boa vontade e um romantismo”, diz Daniela Leonel.

E foram da empresa pública mineira de extensão rural as primeiras orientações técnicas que ela e o marido receberam para investir em hortaliças orgânicas e ter acesso ao crédito rural do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Recurso que financiou a compra do primeiro carro usado no transporte das hortaliças. Isso aconteceu quando eles, ainda sem a experiência do campo, mudaram para Pará de Minas e posteriormente para a cidade de Pequi, onde arrendaram meio hectare de terras, na fazenda do irmão de Daniela, região Central do estado.

Segundo ela, os primeiros atendimentos da Emater-MG foram muito importantes, sendo o cultivo orgânico apresentado por técnicos da empresa. “Foi bem importante a orientação inicial da Emater. A gente não tinha noção de como começar e um coordenador mais especializado, nessa área de orgânico, nos apresentou a opção. Gostamos da ideia, fizemos um curso e decidimos que ia ser por esse caminho”, conta

De lá para cá, Daniela e Hernane viveram uma trajetória cheia de altos e baixos, na produção de hortaliças e morangos orgânicos, em três municípios da região Metropolitana. Em Caeté, onde chegaram a comprar um terreno, mas precisaram vender. Depois em Belo Vale, em parceria com outra produtora de morango, num espaço arrendado. E agora em Florestal, também em área arrendada, onde mais maduros e com mais conhecimentos decidiram se dedicar exclusivamente ao cultivo de morangos. As frutas têm certificação SAT (sem agrotóxicos), concedida pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA). O plantio é feito em estufas, usando a técnica da semi-hidroponia (suspensas, plantadas em substrato, com fertirrigação para adubar e irrigar). No momento, estão sendo cultivadas 8,2 mil mudas, em estufas, montadas num terreno de 1,5 mil metros quadrados.

Nova modalidade de negocios no morango 1 1
Morango cultivado em sistema semi-hidropônico – Foto: Divulgação Emater-MG

O empreendimento está indo muito bem, segundo Daniela Leonel. Atualmente a produção é comercializada no local, em supermercados de Pará de Minas, no Mercado do Cruzeiro, em Belo Horizonte, e por meio de delivery para clientes também da capital mineira. Mas a demanda está aumentando, com um sacolão e supermercado de Florestal, também interessados em revender os morangos. Além disso, os agricultores já planejam a expansão do negócio, com a criação de mais pontos de vendas em Belo Horizonte.

Minas Gerais – O estado é hoje o maior produtor de morangos do país, com produção anual de 139 mil toneladas. A cultura ocupa 2.8 mil hectares de plantio. São 7,8 mil agricultores familiares envolvidos na atividade, segundo a Coordenadoria Estadual de Fruticultura da Emater-MG.

Fonte: Emater-MG/Terezinha Leite
Foto: Divulgação Emater-MG

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Intitulado de SONDA, a nova solução da empresa combate as principais plantas daninhas que afetam a produtividade na lavoura
Surpreendentemente, carnes fecham o mês de setembro com novo recorde na receita cambial proveniente de exportações de carne bovina.
O presidente institucional da Abramilho, Cesario Ramalho, avaliou, em entrevista para o “Valor”, o cenário para safra verão 2021/22.
Entre eles, o etanol como uma das pontes para a nova era da mobilidade sustentável.