Instituto de Pesca orienta piscicultores sobre cuidados com os peixes no inverno

Temperaturas baixas podem causar mortalidade, de acordo com pesquisadora do IP, da Secretaria de Agricultura de SP

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Instituto de Pesca orienta piscicultores sobre cuidados com os peixes no inverno
Foto – Divulgação
Áudio

Temperaturas muito baixas no inverno podem causar problemas para a produção de peixes. Segundo pesquisadora do Instituto de Pesca (IP-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Daniela Castellani, os produtores precisam tomar uma série de medidas, de preferência ainda no período do verão, para evitar o estresse dos peixes, o comprometimento da saúde e, consequentemente, o aparecimento de enfermidades como a franciselose, causada pela bactéria Francisella noatunensis, que pode causar grandes prejuízos na tilapicultura, especialmente nas fases mais jovens.

Daniela explica que nesse período de baixas temperaturas, muitos piscicultores procuram o Instituto de Pesca para orientação sobre como proceder para manter a saúde e o bem-estar dos animais. De acordo com a pesquisadora, a dica é redobrar os cuidados e se preparar, ainda no verão.

“A alimentação deve ser feita com uma ração de qualidade, balanceada com a quantidade de nutrientes que atenda as exigências da espécie cultivada, e muitas vezes suplementadas com teor mais elevados de certas vitaminas e uso de aditivos como imunoestimulantes. A atenção com a qualidade de água nessa época do ano deve ser redobrada, pois qualquer alteração nos parâmetros pode levar ao estresse dos peixes, comprometendo a saúde e aparecimento de enfermidades. O controle da transparência, oxigênio, dissolvido, pH, amônia e nitrito ajudam a garantir a qualidade do ambiente de criação”, explica.

Orientações ao produtor quanto ao manejo e temperatura

Nas semanas de frio intenso, o fornecimento de ração deve ser reduzido ou até mesmo não ser feito por alguns dias, pois os peixes são animais pecilotérmicos, cuja temperatura corporal varia de acordo com o ambiente. Assim, quando a água esfria, o metabolismo dos peixes é reduzido, o que leva a falta de apetite.

“Manejos como despesca, classificação com redes e puçás, transportes e vacinação, por exemplo, devem ser evitados, pois neste período qualquer manuseio com os animais podem levá-los ao estresse e, consequentemente, ao aparecimento de enfermidades”, afirma.

A orientação é que o produtor faça a mensuração da temperatura da água no início da manhã e no final da tarde com o uso de um termómetro ou aparelho digital.

Como a temperatura influencia a criação de peixes?

A pesquisadora do IP explica que todo organismo aquático possui uma faixa de temperatura de conforto. “Peixes de regiões temperadas, que vivem em águas com temperaturas abaixo dos 20ºC, como as trutas, não conseguem sobreviver em águas com temperaturas elevadas. Já o pirarucu, da região amazônica, vive em águas tropicais e dificilmente sobreviverá em regiões subtropicais”, afirma.

“Os peixes, quando mantidos em temperaturas abaixo ou acima do ideal, têm desempenho e saúde prejudicados, devido ao desequilíbrio fisiológico gerado pela quebra da homeostase oriunda do estresse por temperatura. Após a exaustão fisiológica, há comprometimento do funcionamento do sistema imune e, com isso, pode ocorrer o aparecimento de uma série de doenças que podem levar a mortalidade massiva do plantel”, explica a pesquisadora do Instituto de Pesca.

No caso de temperaturas muito elevadas, além do aumento do metabolismo dos peixes, que demanda maior quantidade de oxigênio – principalmente para o processo digestivo, simultaneamente ocorre redução da saturação do oxigênio dissolvido na água, que causa um estresse metabólico. “Para ter uma ideia, uma enfermidade importante é a streptococoose, causada por bactérias do gênero Streptococcus, que leva a grandes mortalidades, particularmente em tilápias criadas em tanques-rede e em períodos de elevada temperatura” afirma.

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Previsto para acontecer em vários estados e capital, festa no Mato Grosso vai ajudar o Abrigo Bom Jesus de Cuiabá.
Festival do Tambaqui está previsto para acontecer simultaneamente no dia 19 de setembro, em 30 municípios de Rondônia e nas capitais do Brasil.
Isso aconteceu no mês de junho e, assim, o setor fechou crescimento de 83% no 2º trimestre de 2021.
Pesquisadores do IP, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP, afirmam que alimento é fundamental para segurança alimentar e nutricional