O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Indústria e varejo – Quem vai absorver as altas da matéria-prima?

Foi necessário o equivalente a 56 litros de leite para comprar 60 quilos de mistura concentrada
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

No caso do produtor de leite, a situação está delicada no que diz respeito à relação de troca com insumos. De acordo com a Embrapa, com o aumento dos preços de insumos, o cenário desse intercâmbio é o mais crítico desde 2016. Para exemplificar, no mês de janeiro de 2021, o produtor precisou do equivalente a 56 litros de leite para comprar 60 quilos de mistura concentrada – alta de 26% se comparada ao mesmo período do ano passado.

Ainda segundo analistas da Embrapa Gado de Leite, neste mês, o que aparece é o varejo e a indústria disputando para ver quem terá que absorver as altas da matéria-prima. É bom ressaltar que houve movimentos distintos na primeira e segunda quinzena do mês, sinalizando a margem da indústria melhorando um pouco e a do varejista piorando. E, no momento, o varejo busca recomposição, Daí a subida dos preços dos lácteos para o consumidor.

“Ao verificar o comportamento do mercado, podemos destacar o grupo de insumos que mais aumentaram seus preços: o da alimentação concentrada, devido a valorização da soja e do milho; e também alta nos fertilizantes, mas não tão significativa. E há de se levar em conta que os produtos de higiene para limpeza da ordenha também ficaram mais caros, por conta da pandemia”, comenta a equipe da área econômica da Embrapa Gado de Leite.

Importações

Enquanto no mercado interno o varejo de lácteos apresentou alta de 0,15% em janeiro, com os preços de manteiga, queijo, iogurte, leite condensado e leite em pó subindo, as importações vão preocupando os produtores. Se comparada a janeiro de 2020, a alta é de 82%.

As compras no ano passado chegaram a representar quase 10% da produção brasileira. E, produtos como leite em pó e queijos estão conseguindo chegar ao mercado brasileiro com preços mais competitivos do que os nossos – vindos principalmente do Uruguai e Argentina.

No entanto, como ponderam os pesquisadores da Embrapa, as importações devem cair, gradativamente, uma vez que as negociações são feitas com meses de antecedência. Com uma oferta melhor de leite, o que já está acontecendo, podemos pensar na competitividade, já que o preço no atacado e ao produtor mostrou pequena retração.  

Fonte: Embrapa Gado de Leite