Hortifrutis seguem com preços de frutas e hortaliças em alta

Os brasileiros ainda terão que pesquisar bastante para manter uma alimentação saudável e driblar a alta de preços de hortifrutis.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Hortifrutis seguem com preços de frutas e hortaliças em alta
Áudio

Tomate e cenoura, por exemplo, apresentaram aumentos consideráveis no último mês nas Centrais de Abastecimento (Ceasas) do país. De acordo com o 10º Boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta terça-feira (19 de outubro), a queda da oferta de tomate provocou elevações de preços de 50% a 60% nos mercados hortifrutis, especialmente na segunda quinzena de setembro, e continuam em outubro, já que ainda há pouco produto disponível.

No caso da cenoura, o declínio de 6% na oferta total aos mercados atacadistas também pressionou os preços para cima em setembro. “O longo período de estiagem, sobretudo na região de São Gotardo/MG, prejudicou o desenvolvimento das raízes”, explica o superintendente de Estudos Agroalimentares e da Sociobiodiversidade da Conab, Marisson Marinho. “Mas a volta das chuvas neste mês de outubro pode indicar boa produtividade da cenoura, o que amenizaria essa elevação”.

Segundo o Boletim, a batata sofreu acréscimo nos preços na maioria dos mercados, mas com menor intensidade, já que a baixa qualidade do tubérculo freou o aumento. Mesmo assim, no começo de outubro, já foram registradas altas sensíveis nas cotações deste produto, devido à queda na oferta causada pelas chuvas e as poucas áreas em ponto de colheita.

Entre as hortaliças pesquisadas, somente alface e cebola demonstraram médias de preços mais em conta nos mercados atacadistas avaliados. A cebola, por conta da maior área plantada em 2021 e pela menor qualidade, em função do déficit hídrico e temperaturas altas no período de desenvolvimento do bulbo. Já a alface ficou mais barata com a recuperação da oferta em parte dos mercados no mês de setembro, após inverno com baixas temperaturas e geadas.

Para a folhosa, a expectativa é de estabilidade e declínio de preços nos próximos meses, com a demanda desaquecida. “Apesar das quedas nas cotações, ainda há possibilidade da alface sofrer aumentos em alguns estados, pois as chuvas de outubro podem influenciar negativamente a oferta”, completa a gerente de Estudos do Mercado Hortigranjeiro da Conab, Joyce Fraga.

Frutas – Dentre as frutas estudadas no mês de setembro, à exceção da melancia, todas apresentaram aumento nas suas cotações na maioria das Ceasas avaliadas. Menores ofertas em importantes regiões produtoras do país, além da alta dos insumos necessários à produção ajudam a explicar essa performance.

Durante a transmissão do 10º Boletim Prohort, foi abordado ainda a importância do consumo de frutas e hortaliças pela população, em edição especial pela Semana Mundial da Alimentação. A data é celebrada em 16 de outubro, para lembrar a criação da FAO/ONU. Para a coordenadora do Observatório Brasileiro de Hábitos Alimentares, projeto desenvolvido por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz de Brasília, Denise Oliveira e Silva, o Brasil e o mundo enfrentam atualmente grandes vulnerabilidades, incluindo a insegurança alimentar, agravadas pela pandemia de COVID-19, que gerou a discussão de como aumentar o consumo de produtos frescos e saudáveis.

“Precisamos não só aumentar a conscientização sobre os benefícios dos hortifrutis para a saúde, mas também promover dietas e estilos de vida diversificados e equilibrados, além de direcionar a atenção de políticas para a redução de perdas e desperdícios”, ressalta Denise. “Nesse contexto, o levantamento de dados da Conab pode ser um indicativo para quem procura alternativas mais baratas de consumo de frutas e hortaliças”.

A pesquisa de dados da Conab para o Boletim Prohort foi realizada nas Centrais de Abastecimento localizadas em São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Vitória (ES), Curitiba (PR), Goiânia (GO), Brasília (DF), Recife (PE), Fortaleza (CE) e Rio Branco (AC) que, em conjunto, comercializam grande parte dos hortigranjeiros nos mercados atacadistas. A íntegra do 10º Boletim Prohort pode ser acessada no Portal da Conab.

Aplicativo Prohort – Uma outra opção para conferir os preços diários dos produtos hortigranjeiros nas Centrais de Abastecimento das capitais e do interior do país é utilizar o Aplicativo Prohort Ceasas, gratuito para uso em celular ou smartphones. Nesta plataforma é possível salvar uma consulta favorita, checar os valores de um mesmo produto em diferentes centrais, entre outras funcionalidades.

Cada Ceasa traz as 30 últimas cotações de preços do produto escolhido, por meio de tabela ou gráfico, e ainda é possível obter a lista de contatos de empresas atacadistas. O aplicativo está disponível para download nas lojas oficiais de aplicativos para o sistema operacional Android e IOS.

Fonte: Conab

Crédito: Agência de Notícias do Paraná

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Com a procura internacional crescente, o clima favorável para a produtividade, a qualidade dos produtos e os novos mercados crescem as vendas externas da fruticultura brasileira
Um novo levantamento divulgado pela Emater-MG mostra que milho, feijão e hortaliças foram as culturas mais afetadas pelo excesso de chuvas. As perdas são grandes
Embrapa lança edital para viveiristas interessados em produzir mudas e sementes de amendoim forrageiro. Trata-se de uma oportunidade dos agricultores diversificarem produtos
Desempenho no ano passado representa uma evolução de 10,3% em receita cambial, na comparação com 2020. Já no montante de quedas houve queda importante e esperada