Hortaliças têm redução no preço

Índice CEAGESP registra queda acumulada de 8,18% no primeiro trimestre de 2021
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

De acordo com o Indicador de preços da CEAGESP, o mês de março encerra com acentuada redução. A queda de 5,02% foi impulsionada pela redução nos preços de hortaliças – frutas, legumes e verduras. A demanda, retraída por conta do aumento das restrições no estado de São Paulo, também impactou essa redução, enquanto a oferta e a qualidade melhoraram em razão das condições climáticas mais favoráveis.

Ao mesmo tempo, os setores de diversos, como batata, alho, cebola, ovos, e de pescados, registraram ligeira elevação dos preços. O setor de pescados foi impulsionado pelo maior consumo na quaresma e principalmente na semana que antecedeu a Páscoa.

Mesmo com as condições climáticas adversas típicas do verão que, contemplam altas temperaturas e excesso de chuvas nas regiões produtoras, o índice CEAGESP fechou o primeiro trimestre de 2021 com queda acumulada de 8,18%. Um alívio para os índices inflacionários e os preços ao consumidor.

Hortaliças

Frutas

Em março, o setor de frutas caiu 5,78%. As principais reduções ocorreram nos preços da maçã fuji (-38,9%), do caju (-23,5%), da maçã gala (-23,4%), da laranja lima (-19,8%) e do maracujá azedo (-17,4%). As principais altas ocorreram com o mamão formosa (74,7%), com o mamão papaia (41,9%), a atemóia (28,5%), a manga palmer (27,9%) e com a uva niagara (21,1%).

Legumes

O setor de legumes registrou queda de 7,98%. As principais reduções de preços ocorreram com o chuchu (-36,5%), com a berinjela (-33,2%), com o cará (-31,4%), com o inhame (-21,3%) e com a cenoura (-20,5%). As principais altas ocorreram com a pimenta Cambuci (31%), com o jiló (23,9%) e com os pimentões verde (21,9%) e vermelho (7,2%).

Verduras

O setor de verduras apresentou queda de 12,87%. As maiores baixas ocorreram nos preços da rúcula (-31,8%), do agrião hidropônico (-28,9%), da salda (-21,6%), do almeirão (-21,2%) e do rabanete (-19,8%). O único produto a registrar elevação de preços no setor foi o milho verde (5,4%).

Diversos

Esse setor fechou o mês com alta de 0,89%. As principais elevações ficaram por conta do milho de pipoca (13,6%), do alho estrangeiro (11,4%), do alho nacional (11,2%) e dos ovos brancos (5,8%). As principais quedas ocorreram nos preços da cebola argentina (-13,1%), das batatas asterix (-10,8%) e lavada (-7,6%), e do coco seco (-6,5%).

Pescados

O setor de pescados apresentou aumento de 3,61% influenciado pela maior demanda na quaresma. As principais altas ocorreram nos preços da cavalinha (32,9%), da pescada (31,8%), da abrótea (25,5%), da corvina (20,8%) e do cação congelado (17,3%). As principais baixas se deram nos preços da lula (-27,8%), das sardinhas fresca (-23,3%) e congelada (-21,5%), do atum (-16,8%) e do polvo (7,6%).

Para o mês de abril

No mês de abril, quando o clima pode exercer menor influência negativa na produção de hortaliças, e se mantidas as condições atuais de isolamento social, esse cenário de elevação da oferta e retração dos preços praticados deve se intensificar.

Fonte: Ceagesp

Relacionadas

Veja também

O Rio Grande do Sul é responsável pela produção de mais de 70% da safra de arroz do país, o que o torna ator fundamental na garantia da segurança alimentar do povo brasileiro
Além do abacaxi, assentamento Salumbrinho também produz aipim, feijão, laranja, limão e manga
Brasil está entre os principais mercados fornecedores de laranja para a União Europeia ao lado do Reino Unido, Canadá, Suíça, Noruega e Oriente Médio
A Companhia Nacional de Abastecimento é o órgão responsável pela realização do cálculo do bônus em produtos do Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar
X