Gestão sustentável de viveiros de camarões

Na rotina da produção de camarão, a atenção à qualidade da água representa importante fatia do sucesso da atividade

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Gestão sustentável de viveiros de camarões
Foto – Biomin
Áudio

Na rotina da produção de camarões, a atenção à qualidade da água representa importante fatia do sucesso da atividade. Independente do sistema utilizado, determinados parâmetros atestam sua qualidade, que, quando em desequilíbrio, pode levar a expressivas perdas econômicas.

Julio Achupallas, gerente técnico de aquicultura da Biomin, alerta para um dos principais indicadores de baixa qualidade da água: a formação de lodo espesso no fundo tanque. “A matéria orgânica atua no consumo do oxigênio que deveria ser usado pelo camarão. Este é diretamente responsável pelo consumo de ração, resistência a doenças e funcionamento do metabolismo animal”, explica o especialista.

Ambiente dos viveiros de camarões

O ambiente dos viveiros é complexo e dinâmico, sendo resultado da interação de diversos fatores. A qualidade da água depende de diferentes condições ambientais do tanque, como menor densidade e quantidade dos alimentos oferecidos aos camarões. “Mesmo que a densidade de animais seja baixa, é preciso estar atento ao aspecto nutricional qualitativo e quantitativo do alimento fornecido. A qualidade da água vai depender das condições ambientais do tanque, como menor densidade e a oferta de alimentos”, reforça Achupallas.

“A sobra de alimentos é indicativo de que a ração precisa ser ajustada para que não haja excessos”, aponta o gerente técnico de aquicultura da Biomin. A produção intensiva gera grandes quantidades de resíduos orgânicos, que se acumulam no ambiente dos viveiros, que, por sua vez, passam pelo processo de oxidação, esgotando o oxigênio dissolvido e levando à formação de metabólitos tóxicos e níveis inadequados de amônia, nitrito ou sulfeto de hidrogênio.

O especialista da Biomin lembra que os parâmetros de qualidade da água estão interligados entre si. “É importante observar que a concentração de oxigênio dissolvido na água aumenta à medida que a temperatura diminui; e diminui quando a salinidade aumenta”. Ele complementa: “importante destacar que a temperatura não pode ser controlada em um viveiro. As espécies aquáticas modificam sua temperatura corporal de acordo com o ambiente e são sensíveis a variações rápidas de temperatura”.

Soluções não-tóxicas ou prejudiciais ao meio ambiente

A tecnologia disponível já permite remediar ambientes contaminados com soluções não-tóxicas ou prejudiciais ao meio ambiente. É a chamada biorremediação. Julio Achupallas explica que o processo consiste na aplicação de bactérias benéficas no solo dos tanques de camarões. “Lá, elas alteram suas propriedades físico-químicas. Em outras palavras, a adição desses micro-organismos, os probióticos, acelera a biodegradação do material orgânico, desencadeando uma reação de descontaminação do ambiente’.

Além da participação das bactérias benéficas, o processo conta com a ação de enzimas, que aceleram esse processo. Os probióticos também inibem as bactérias patogênicas, proporcionando eliminação de elementos tóxicos, tais como amônia, nitrito e sulfeto de hidrogênio, e degradação da ração não ingerida. “Assim, a qualidade da água e o ambiente do viveiro são melhorados. Tanto os probióticos quanto as enzimas trabalham em harmonia com a biomassa existente, aumentando a eficiência e potencializando a eliminação de amônia e nitritos”, conclui Julio Achupallas.

Fonte: Biomin
Foto: Biomin

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Câmara Temática de Insumos debate demora no registro de inovações tecnológicas
Previsto para acontecer em vários estados e capital, festa no Mato Grosso vai ajudar o Abrigo Bom Jesus de Cuiabá.
O agronegócio potencializa o crescimento da economia brasileira, e a tecnologia é decisiva para o desempenho do setor. Entenda porque no artigo!
Há mais de oito anos, a Bom Futuro utiliza um sistema de monitoramento remoto por satélite sobre suas áreas que totalizam mais de 262 mil hectares.