Fabricação caseira da cerveja

De acordo com o MAPA, o número de cervejarias no Brasil teve um crescimento de 30% nos últimos dois anos. E, com a pandemia, cresceu também a procura por métodos de fabricação de cerveja em casa
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

No site de buscas Google, as pesquisas sobre métodos de fabricação da cerveja aumentaram mais de 500% nos últimos meses. Tudo tem um por quê. Enquanto o MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – indica o crescimento de 30% no número de cervejarias no Brasil nos últimos dois anos, o Google foi registrando também o aumento de interesse dos brasileiros em ter sua própria marca de cerveja e produzir a bebida dentro de sua residência.

Numa análise rápida desse mercado, até a primeira quinzena de fevereiro de 2020, eram 1.171 cervejarias em atividade, sendo que em 2018 havia apenas 889. As regiões de mais destaque no crescimento atual verificado são os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Santa Catarina.

Com a pandemia e as restrições impostas para evitar a proliferação do vírus, muita gente decidiu aprender como fazer cerveja em casa para consumo próprio ou até mesmo para garantir uma renda extra em um período delicado para todos os setores.

A redução do horário de funcionamento e do número de pessoas permitidas nos estabelecimentos fez com que as cervejarias tivessem que buscar alternativas para conseguir manter as vendas e o faturamento. De olho no aumento do interesse dos brasileiros em produzir sua própria cerveja, as marcas decidiram investir em cursos que ensinam de forma clara e objetiva o passo a passo da produção artesanal.

“Com o crescimento das cervejas artesanais no país, maior tempo em casa por conta da pandemia e o aumento de canais em sites de compartilhamento de vídeos que ensinam técnicas de “faça você mesmo” (DIY), os consumidores de cerveja no Brasil viram que é possível criar sua própria bebida sem muito esforço”, explica Robson Vergílio, CEO da Cervejaria Berggren.

A cervejaria que fica em Nova Odessa (SP) decidiu se juntar com a renomada Escola Cervejeira Bräu Akademie com o objetivo de ministrarem cursos sobre o vasto universo cervejeiro.  As aulas poderão ser feitas tanto no formato online quanto presencial e acontecerão no laboratório da cervejaria. “Na verdade, sempre tive o desejo de transformar o laboratório da cervejaria em um espaço para cursos cervejeiros, e, coincidentemente, no momento em que o interesse dos brasileiros em fazer cerveja em casa está crescendo, o curso foi lançado”, afirma Vergílio.

Como o curso será ministrado dentro do laboratório da cervejaria, a marca tem a vantagem de não precisar se preocupar com custos extras na locação de outro espaço. Além disso, por ser um período em que os bares estão operando com horários reduzidos, o curso acaba sendo outra fonte de lucro para cervejaria. “Em um momento delicado como este, queremos que as pessoas tenham um momento de lazer e ao mesmo tempo aprendam de uma forma leve e objetiva como preparar a própria cerveja, seja por hobby ou para comercializar e se tornar um profissional da área”, finaliza Vergílio.

Curiosidades da cerveja

Há aproximadamente 8 mil anos, uma receita de pão deu errado na Mesopotâmia. Durante a fermentação, um pouco de água caiu na massa, atrapalhando todo o processo. Mas o que poderia ser apenas um desastre culinário se transformou, segundo a principal teoria dos historiadores, no ponto de partida para a criação de uma das bebidas mais apreciadas em todos os cantos do mundo. Sim, estamos falando da cerveja. Mal sabiam os sumérios responsáveis pela presepada que, milhares de anos depois, ela ganharia fama de a bebida queridinha dos brasileiros.

Mas, o que há na composição da cerveja? Os quatro ingredientes básicos contidos na bebida são: Lúpulo – A planta interfere nas características sensoriais. Quanto mais lúpulo na receita, mais amargo o líquido costuma ser. E também mais abastecido de antioxidantes; Malte – Trata-se do grão germinado, seco e torrado (cevada, trigo, centeio…). A malteação estimula a formação de enzimas necessárias para fragmentar o amido do grão mais tarde; Leveduras – Esses micro-organismos se alimentam do açúcar proveniente da quebra do amido, culminando na formação de álcool e gás carbônico. Também conferem sabor e aroma; Água – Essencial para a fabricação da bebida, a água compõe cerca de 95% da cerveja comum. Os tipos mais fortes – aqueles com 10% de álcool, por exemplo -, tendem a ter menos água.  

Fonte: Notícia Expressa/Pesquisa MAB

Relacionadas

Veja também

Linhas de financiamento para investimento foram as mais procuradas no período com alta de 50%, em comparação com o plano safra anterior.
O programa tem como premissa um modelo de exploração sustentável, com respeito ao solo
Medida foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional e é importante para financiar projetos do agronegócio
Esse prêmio é um dos mais prestigiosos do mundo para o assunto de proteção de cultivos, das safras e também de agricultura digital