Exportações de carne bovina não caem

Surpreendentemente, carnes fecham o mês de setembro com novo recorde na receita cambial proveniente de exportações de carne bovina.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Exportações de carne bovina não caem

Quando, em 1º de outubro, a SEGUNDOSEX/ME divulgou os dados relativos às exportações de carne bovina brasileiras de setembro, a Nação respirou aliviada. É que o temido retrocesso nos embarques de carne bovina – quinto principal produto de exportação do Brasil no presente exercício – não se confirmou. Bem pelo contrário, o desempenho do mês pode ser considerado excepcional. E não só para a carne bovina.

Com o auto embargo nas exportações para a China, declarado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), logo nos primeiros dias do mês passado, ficou vedado à carne bovina brasileira o acesso a seu principal mercado neste ano. Daí a expectativa de forte retrocesso nos embarques do produto no mês.

Inversamente, porém, a SEGUNDOSEX/ME registrou aumentou de 31,38% no volume embarcado, desempenho que veio acompanhado de uma melhora de 41,37% no preço médio. Resultado: um aumento de mais de 85% na receita cambial, com resultados que corresponderam a recordes no volume, no preço médio e na receita.

Exportações de carnes in natura volume e receita cambial

Igualmente significativo foi o aumento nos embarques de carne suína: um terço a mais que em setembro de 2020 e – aparentemente pela primeira vez, considerado apenas o produto in natura – a superação das 100 mil toneladas mensais. Mas como o preço médio, embora maior, registrou aumento moderado (+2,73%), o aumento na receita não teve grande expansão em relação ao volume, ficando em 37,64%.

Mais expressiva, neste caso, foi a evolução da receita cambial da carne de frango: aumento de, praticamente, 55% sobre setembro de 2020, reflexo de aumentos de 21,73% no volume embarcado e de 27,07% no preço médio.

Com tais desempenhos, as carnes obtiveram em setembro receita próxima dos US$ 2 bilhões, o melhor resultado mensal da história do setor.

Fonte: Avisite

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O Rio Grande do Sul é responsável pela produção de mais de 70% da safra de arroz do país, o que o torna ator fundamental na garantia da segurança alimentar do povo brasileiro
Além do abacaxi, assentamento Salumbrinho também produz aipim, feijão, laranja, limão e manga
Brasil está entre os principais mercados fornecedores de laranja para a União Europeia ao lado do Reino Unido, Canadá, Suíça, Noruega e Oriente Médio
A Companhia Nacional de Abastecimento é o órgão responsável pela realização do cálculo do bônus em produtos do Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar
X