Expectativas geram baixas nas cotações de soja, milho e café

De acordo com a consultoria Safras & Mercado, a semana teve início com fluxo inexpressivo de negócios no mercado físico do boi gordo.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Expectativas geram baixas nas cotações de soja, milho e café
O indicador do milho do Cepea, calculado com base nos preços praticados em Campinas (SP), teve um dia de preços mais baixos – Foto: Divulgação
Áudio

Segundo o analista Fernando Iglesias, o volume negociado acaba ficando totalmente concentrado no atendimento ao mercado doméstico e a destinos menos relevantes na pauta de exportação. Na B3, as cotações dos contratos futuros do boi gordo tiveram alta em toda a curva pelo segundo dia consecutivo. Porém, enquanto não houver posicionamento da China, os preços terão variações bem limitadas. O ajuste do vencimento para setembro passou de R$ 301,35 para R$ 302,50, do outubro foi de R$ 306,05 para R$ 307,85 e do novembro foi de R$ 315,00 para R$ 317,05 por arroba.

Milho: indicador do Cepea volta a ficar abaixo de R$ 93 por saca

O indicador do milho do Cepea, calculado com base nos preços praticados em Campinas (SP), teve um dia de preços mais baixos. A cotação variou -0,92% em relação ao dia anterior e passou de R$ 93,67 para R$ 92,81 por saca. Portanto, no acumulado do ano, o indicador teve uma alta de 18%. Em 12 meses, os preços alcançaram 56,8% de valorização. Na bolsa brasileira, a B3, a grande maioria dos contratos futuros do milho apresentaram recuo e apenas o vencimento para maio/2022 teve alta. O ajuste do vencimento para novembro foi de R$ 93,25 para R$ 92,77, do janeiro de 2022 passou de R$ 94,53 para R$ 94,08, do março foi de R$ 94,47 para R$ 93,82 e por fim, do maio saiu de R$ 88,83 para R$ 89,23 por saca.

Soja: Cotações seguem Chicago e têm desvalorização

O indicador da soja do Cepea, calculado com base nos preços praticados no porto de Paranaguá (PR), seguiu Chicago e teve desvalorização. A cotação variou -1,03% em relação ao dia anterior e passou de R$ 175,44 para R$ 173,64 por saca. Desse modo, no acumulado do ano, o indicador teve uma alta de 12,83%. Em 12 meses, os preços alcançaram 20,15% de valorização. Na bolsa de Chicago, as cotações dos contratos futuros da soja chegaram ao segundo dia consecutivo em queda e se afastaram ainda mais do nível de US$ 13 por bushel. O dia foi marcado por aumento da aversão ao risco no mercado internacional. O vencimento para novembro recuou 1,68% na comparação diária e passou de US$ 12,84 para US$ 12,624 por bushel.

Café: preços caem no Brasil, diante de queda em Nova York

De acordo com a Safras & Mercado, as cotações do café no Brasil recuaram, seguindo a queda observada em Nova York. No sul de Minas Gerais, o arábica bebida boa com 15% de catação passou de R$ 1.080/1.085 para R$ 1.065/1.070, enquanto que no cerrado mineiro, o bebida dura com 15% de catação foi de R$ 1.085/1.090 para R$ 1.070/1.075 por saca. Na bolsa de Nova York, as cotações do café arábica também foram penalizadas pelas quedas observadas em vários mercados, em virtude do aumento do pessimismo em relação à economia da China. O vencimento para dezembro, o mais negociado atualmente, teve desvalorização de 2,04% na comparação diária e passou de US$ 1,864 para US$ 1,826 por libra-peso.

No exterior: crise com empresa imobiliária na China gera pessimismo nos mercados

Uma das maiores incorporadoras da China, a Evergrande, corre o risco de não ser capaz de pagar suas dívidas. Com isso, os mercados globais tiveram aumento do pessimismo e fortes quedas disseminadas nas principais bolsas. O temor é que uma crise imobiliária na China acabe afetando todo o setor financeiro mundial credor das dívidas. Os investidores ainda também seguem atentos à reunião de política monetária do Banco Central dos Estados Unidos. É esperada a manutenção do nível de juros, mas também comunicação sobre a retirada de estímulos econômicos para os próximos encontros. Com a queda nos mercados, alguns analistas já apostam que o FED mude de ideia sobre a redução nos estímulos.

No Brasil: apreensão externa faz Ibovespa ficar abaixo dos 110 mil pontos

O aumento da aversão ao risco causado pelo risco de crise imobiliária na China penalizou o Ibovespa novamente. Dessa forma, o principal índice de ações da bolsa brasileira recuou 2,33% na comparação diária e ficou cotado aos 108.843 pontos. Enquanto isso, o dólar comercial subiu 0,93% e passou de R$ 5,282 para R$ 5,331. De acordo com os dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), até a terceira semana de setembro, a balança comercial brasileira teve um saldo positivo de US$ 2,407 bilhões. O resultado veio de uma soma de US$ 14,468 bilhões em exportações e de US$ 12,060 bilhões em importações. Com a suspensão de exportações de carne bovina para a China, o saldo teve uma queda anual de 17,1%.

Fonte: A Voz do Campo
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Linhas de financiamento para investimento foram as mais procuradas no período com alta de 50%, em comparação com o plano safra anterior.
O programa tem como premissa um modelo de exploração sustentável, com respeito ao solo
Medida foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional e é importante para financiar projetos do agronegócio
Esse prêmio é um dos mais prestigiosos do mundo para o assunto de proteção de cultivos, das safras e também de agricultura digital