Esgoto melhora saúde do solo no Paraná

Uso agrícola do lodo do esgoto completa 10 anos nas regiões de Campo Mourão e Umuarama, cidades paranaenses.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Esgoto melhora saúde do solo no Paraná
Uso de lodo de esgoto na agricultura completa 10 anos na Região Noroeste – Foto: Divulgação Sanepar
Áudio

O Programa de Uso Agrícola do Lodo de Esgoto que beneficia agricultores das regiões de Campo Mourão e Umuarama está completando 10 anos de aplicação no Noroeste do Paraná. Nesse período, a Sanepar, com apoio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), destinou gratuitamente mais de 26 mil toneladas de lodo, aplicadas em 2.800 hectares de área cultivada, atendendo mais de 100 agricultores em 29 municípios da região.

Rico em matéria orgânica e nutrientes, o lodo tem sido utilizado nas culturas de amoreiras para o desenvolvimento do bicho da seda, aveia e sorgo (cobertura/palhada), na cafeicultura e no desenvolvimento de seringueiras, citrus, palmito, soja e milho.

Mas, antes de ir para o campo, o lodo é tratado com cal virgem e higienizado. Passa por análise de cerca de 70 parâmetros relacionados ao potencial agronômico, substâncias inorgânicas e orgânicas, agentes patogênicos e estabilidade, de forma a comprovar sua segurança sanitária, ambiental e qualidade agronômica. Na Região Noroeste, a Sanepar mantém unidades de gerenciamento de lodo (UGLs) em Umuarama, Cianorte, Campo Mourão, Ubiratã e Goioerê.

“Mesmo tendo grande concentração de nutrientes, o lodo não pode, por exemplo, ser aplicado em pastagens, culturas de tubérculos, raízes e em hortas”, explica o agrônomo da Sanepar na região Noroeste, Marco Aurélio Knopik. Segundo ele, é preciso seguir a legislação estadual (Sema 021/09) que rege a aplicação do lodo no Estado do Paraná.

O engenheiro agrônomo do IDR-Paraná, Antonio de Pádua Salvado, afirma que a rentabilidade e a produtividade obtidas com o uso do lodo são perceptíveis já no primeiro ano de utilização. “Na agricultura familiar, o lodo soma muito. Promove restruturação e melhorias na qualidade do solo e com custo zero”, afirma Pádua.

De acordo com ele, o lodo ajuda a equalizar o solo, exterminando as manchas e apresentando melhorias nas questões químicas. “A qualidade do lodo altera positivamente o movimento microbiano promovendo aumento da fertilidade”, ressalta.

Um dos agricultores beneficiados é Caurentino Valentim Castelli, que cultiva soja e milho e obteve, com o lodo de esgoto, aumento em torno de 10% a 15% de produtividade em comparação com o uso de outros produtos. Ele e o engenheiro agrônomo que atende sua propriedade, Murilo Castelli, afirmam que o manejo do lodo é equiparado à correção e manutenção da fertilidade do solo.

No Paraná

Em 2020, a Sanepar destinou 21 mil toneladas no Estado do Paraná, o que representou uma reciclagem de 33% do lodo gerado para uso agrícola. No Brasil, apenas alguns estados destinam o lodo para fins agrícolas, sendo o percentual reciclado inferior a 5%.

A Sanepar começou as pesquisas para uso do lodo de esgoto na década de 1990 e, desde 2007, mais de 355 mil toneladas do produto foram aplicados em solos paranaenses. O objetivo do programa é dar disposição final segura e adequada para o lodo de esgoto, evitando a destinação para aterros industriais.

O Paraná adota critérios bastante restritivos na distribuição do produto a fim de evitar riscos aos agricultores e ao meio ambiente. Após a manifestação de interesse do produtor rural (pré-cadastrado), técnicos da Sanepar e do IDR-Paraná visitam a propriedade e, a partir dos dados da análise do solo, elaboram projeto agronômico com a quantidade a ser aplicada.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná
Foto: Divulgação Sanepar

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Intitulado de SONDA, a nova solução da empresa combate as principais plantas daninhas que afetam a produtividade na lavoura
Surpreendentemente, carnes fecham o mês de setembro com novo recorde na receita cambial proveniente de exportações de carne bovina.
O presidente institucional da Abramilho, Cesario Ramalho, avaliou, em entrevista para o “Valor”, o cenário para safra verão 2021/22.
Entre eles, o etanol como uma das pontes para a nova era da mobilidade sustentável.