Embrapa destaca contribuições do RenovaBio

Política é referência em incentivar uso de boas práticas agrícolas para produção de biocombustíveis.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Embrapa destaca contribuições do RenovaBio
RenovaBio contribui para as metas de redução de emissões nacionais de gases de efeito estufa (GEE) – Foto: Divulgação
Áudio

“Como as boas práticas agronômicas são premiadas no RenovaBio?”

Esse foi o tema da apresentação da equipe da Embrapa Meio Ambiente, no último 24 de agosto, na 5ª Reunião on-line do Grupo Fitotécnico de Cana IAC, colegiado pioneiro na discussão de temas relativos ao setor sucroenergético, com mais de 30 anos de existência. A reunião realizada em agosto, com foco nos efeitos das boas práticas na sustentabilidade da produção de cana-de-açúcar, reuniu mais de 100 pessoas do setor, tanto da área de pesquisa quanto do setor produtivo.

A pesquisadora Marilia Folegatti destaca que a Política Nacional de Biocombustíveis –  RenovaBio, é uma referência em incentivar o uso de boas práticas para a produção de biocombustíveis. Sua apresentação abordou informações gerais sobre essa política, suas contribuições para as metas de redução de emissões nacionais de gases de efeito estufa (GEE) e quais são os critérios necessários para que as usinas interessadas possam participar do programa.

Houve ainda a descrição dos passos para o cálculo da nota de eficiência energético-ambiental (NEEA), pela analista Anna Leticia Pighinelli, que apresentou a RenovaCalc, a ferramenta de contabilidade de carbono do RenovaBio, e como preenchê-la.

A sensibilidade da RenovaCalc em perceber os impactos promovidos pela adoção de boas práticas agronômicas foi demonstrada pela pesquisadora Nilza Patrícia Ramos, que mostrou exemplos práticos envolvendo o aumento de produtividade, a redução no consumo de fertilizantes nitrogenados e diesel, o recolhimento parcial da palha e principalmente a substituição de parte do diesel por biometano.

Conforme a pesquisadora, “essas práticas isoladas levaram a reduções na ordem de 1 a 3% nas emissões de CO2eq/tonelada de cana, mas o conjunto de boas práticas adotadas de forma integrada resultou em reduções na ordem de 35% no valor final de emissões”.

Ramos destaca que, “como as emissões da fase agrícola respondem por cerca de 80% das emissões totais do etanol de cana-de-açúcar, todas as práticas que melhorem a etapa agrícola vão influenciar positivamente na NEEA e consequentemente aumentar os ganhos ambientais e econômicos que as usinas poderão ter ao implementá-las”.

O evento contou com palestras sobre estoques de carbono em áreas de cana-de-açúcar, ministrada pelo Prof. Carlos Eduardo Cerri da ESALQ/USP, e impacto dos fatores de emissão de GEE na obtenção de CBIOs (créditos de descarbonização) pelo Heitor Cantarella do IAC, além da apresentação da Gestora Ambiental Fabíola Gonçalves, do Grupo Adecoagro, que trouxe um caso de sucesso da empresa certificada pelo RenovaBio, mostrando as ações que a empresa adotou para aumentar a nota de eficiência.

Fonte: DATAGRO
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Linhas de financiamento para investimento foram as mais procuradas no período com alta de 50%, em comparação com o plano safra anterior.
O programa tem como premissa um modelo de exploração sustentável, com respeito ao solo
Medida foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional e é importante para financiar projetos do agronegócio
Esse prêmio é um dos mais prestigiosos do mundo para o assunto de proteção de cultivos, das safras e também de agricultura digital