Divulgar o Melhor do Agro

Uma das características do trabalho desenvolvido pelo Núcleo Feminino do Agronegócio é sem dúvida a de gerar um aprendizado coletivo. Suas integrantes têm objetivos comuns e, ao mesmo tempo, compartilham o que há de melhor em suas carreiras. Quem esclarece essa ideia é a vice-presidente do NFA, produtora rural, pecuarista e diretora executiva do Canal Terraviva do Grupo Bandeirantes de Comunicação, Maria Cristina Tupinambá Bertelli.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Divulgar o Melhor do Agro
Áudio

Grande apoiadora do Agro, Cris Bertelli, vice-presidente do NFA, acredita na ética, transparência, respeito e profissionalismo

Uma das características do trabalho desenvolvido pelo Núcleo Feminino do Agronegócio é sem dúvida a de gerar um aprendizado coletivo. Suas integrantes têm objetivos comuns e, ao mesmo tempo, compartilham o que há de melhor em suas carreiras. Quem esclarece essa ideia é a vice-presidente do NFA, produtora rural, pecuarista e diretora executiva do Canal Terraviva do Grupo Bandeirantes de Comunicação, Maria Cristina Tupinambá Bertelli.

Ela esteve envolvida com o Agro desde sempre. Conta que seu pai foi apaixonado pelo agronegócio, sustentabilidade e meio ambiente. “Ele era um grande defensor da natureza, e sempre foi um exemplo pra mim, me deixando esta herança maravilhosa da paixão pelo Agro”, comenta.

Desde pequena, Cris acompanhava o pai às exposições de animais no Parque da Água Funda, em São Paulo, e mais tarde foi fazer Zootecnia, quando então reforçou sua vocação para trabalhar com pecuária e com o agronegócio.

É certo que a participação ativa de mulheres no Agro é forte e significativa, mas ela precisa ser mostrada e incentivada, sempre. “Desde a faculdade eu tinha a certeza que de que no Agro existia muito espaço para as mulheres, nunca duvidei disso, e segui em frente, incentivando constantemente mais mulheres a vencer os obstáculos que apreciam em suas trajetórias”, expõe Cris, que foi,durante cerca de 15 anos. coordenadora de grandes feiras, como Feicorte, Feileite e Feinco, que se tronaram referências de eventos agropecuários nacionais.

“Com a chegada do NFA, o que mudou foi que passamos a nos organizar a trocar experiências. Deixamos de ser indivíduos para formar um coletivo. O Núcleo Feminino do Agronegócio é um grupo de trabalho sem fins econômicos e políticos, de caráter promocional e profissional, formado por produtoras que se reúnem mensalmente com o objetivo de compreender melhor o setor e adquirir conhecimentos para melhor conduzir seus negócios. Acredito que formalizar o NFA como uma Associação, ‘virar gente grande’, foi uma grande conquista, proporcionando o aumento do grupo e a definição da nossa missão, valores e a visão do futuro do Núcleo. Inspiramos a criação de outros grupos de Mulheres do Agro e formamos diversas líderes nestes 10 anos também. Trata-se de um grupo de ‘aprendizado coletivo’, que prioriza a troca de experiências, de informações comerciais e iniciativas em conjunto que podem ter resultados suplementares”.

Para Cris Bertelli, os fatores de maior importância dentro de uma gestão de negócios são a ética, transparência, respeito e profissionalismo. “No NFA, trabalhamos como um time, trocando ideias, dividindo tarefas com a diretoria e delegando o trabalho. Se tivesse que destacar 10 palavras para definir o NFA, diria: Orgulho, parceria, amizade, cumplicidade, sucesso, profissionalismo, dedicação, coragem, transparência e resiliência”.

Maria Cristina Bertelli também faz parte do Comitê de Agronegócio do Grupo Mulheres do Brasil e assumiu a diretoria do Canal Terraviva em plena pandemia do Corona Vírus. “Tivemos um grande desafio pela frente, unir o agronegócio com a comunicação; setores que não podem parar. Estamos sempre em transformação, como ocorreu no Terraviva, a exemplo do Programa Agro360, que era gravado e hoje é ao vivo, com os convidados de expressão profissional conectados, cedendo entrevistas de vários assuntos e setores relevantes ao mercado”. 

“Especialmente neste período atual de crise, estamos preocupadas com as pessoas, com a união e com uma comunicação eficiente e de credibilidade. É importante mostrar as coisas boas que estão sendo feitas, como por exemplo, a expansão da solidariedade dentro do Agro, e não apenas noticiar a parte ruim do processo. Quanto ao NFA, seguimos divulgando nosso trabalho através de bons exemplos, dividindo nossas dificuldades e nossos sucessos, apoiando uma às outras”.

“Igualmente importante e essencial para o desenvolvimento do Núcleo é participar de eventos, bem como utilizar os diversos meios de comunicação para divulgar o nosso trabalho com transparência e credibilidade”.

Relacionadas

Veja também

Maria Antonieta Guazzelli, começou a trabalhar na Fazenda Palmito em 2002.
Grupo conta, atualmente, com quase 100 mulheres que estão ligadas, direta ou indiretamente, com a cadeia produtiva de carne no país
“Acompanhei um diálogo da ministra Tereza Cristina com o NFA, Núcleo Feminino do Agronegócio ontem, sob a presidência da Maria Antonieta Guazzelli, líder do NFA e produtora de leite exemplar. A ministra Tereza Cristina colocou em cerca de 30 minutos exemplos extraordinários de consciência sobre o estado atual do agronegócio brasileiro, o seu porvir e as expectativas vitais para perseguirmos cada vez mais dignidade para todos os brasileiros e consumidores mundiais dos nossos produtos.

O NFA foi criado principalmente para troca de experiências e informações na área de gestão, e se tornou referência nacional em liderança, inspirando a criação de vários outros grupos de mulheres pelo país.

Em 2017, o Núcleo foi transformado em associação, o que aconteceu durante a gestão da pecuarista Carmen Perez, a presidente do NFA naquela época com a vice Regina Margarido. Foi o primeiro grupo de produtoras rurais, em sua maioria pecuaristas a criar uma entidade desse tipo no Brasil, já que os demais grupos funcionam de maneira informal ou estão ligados a sindicados rurais e a cooperativas.