Diferenças entre carne de búfalo e bovina

Menor teor de gordura na carne de búfalo é uma das características nutricionais que diferenciam o produto
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

A carne de búfalo costumava ser procurada apenas por consumidores que priorizavam preço, já que o produto é de 15% a 20% mais barato. Nos últimos anos, porém, os cortes de bubalinos passaram a ser propagados por supermercados, restaurantes e casas de embutidos com diferenciais.

Pelo lado do produtor, o cenário melhorou com a maior demanda, elevando os valores do produto. De acordo com o Instituto Brasileiro de Estatísticas e Geografia (IBGE), em pesquisa realizada em 2019, dados mostram que são produzidas no Brasil 1.434.141 cabeças de búfalo.

Por muito tempo preteridos, cortes de animais bubalinos começaram a ganhar novo status no prato dos gaúchos. A valorização se deu em função das características do produto: menos gordura e colesterol. “É uma carne vermelha mais magra, que vem despertando o interesse de pessoas que buscam uma dieta mais saudável, explicou Régis Gonçalves, presidente da Associação Sulina de Criadores de Búfalos, a Ascribu.

Por não ter marmoreio (gordura entremeada entre as fibras), a carne de búfalo destinada para grelha e churrasco vem de animais abatidos jovens – no máximo 24 meses. Acima dessa idade, são preparados em panela ou usados para hambúrguer.

“A carne cozida, por exemplo, não deixa nenhuma gordura”, comentou Gonçalves, acrescentando que para manter a maciez, os cortes devem ser servidos entre mal passado e ao ponto.

Características nutricionais

O menor teor de gordura é uma das características nutricionais buscada pelos novos apreciadores do produto. Há alguns anos, o Tantan Bar, na Cidade Baixa, em Porto Alegre, inclui em seu cardápio pratos à base de carne de búfalo. Entre as opções estão a la minuta, bife parmegiana, hambúrgueres e petiscos. “Foi um pedido dos clientes, principalmente das mulheres e de pessoas com mais de 40 anos, que passam a se preocupar mais com a saúde”, relatou Silvio Rivero, um dos proprietários do estabelecimento. O estímulo para mudar o cardápio veio depois da participação na Expointer, em Esteio, onde Rivero coordenou o restaurante da Casa do Búfalo. “Percebemos muito interesse e curiosidade dos consumidores”, disse Rivero, que planeja fazer eventos voltados à divulgação da carne de búfalo.

Outro diferencial das raças bubalinas é a rusticidade, que aumenta a resistência a parasitas. Isso faz com que a criação exija menos medicamentos, como antibióticos – preocupação crescente entre os consumidores.

Linguiças sem conservantes

Fabricante de produtos sem conservantes, a CM Casa da Linguiça, de Rosário do Sul, na Fronteira Oeste, passou a produzir duas linguiças à base de carne bubalina – uma delas com queijo de búfala. As novidades foram apresentadas durante a Expointer. Em pouco tempo, passaram a figurar entre as opções mais vendidas nos dois pontos de venda em Porto Alegre.

“Vale ressaltar que não há nenhuma diferença visual e nem no gosto. O apelo é nutricional mesmo, por ter menos gordura e colesterol”, destacou Benny Peter Dornelles, um dos proprietários da Casa da Linguiça.

Carne magra

Professora da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), a nutricionista Gilberti Helena Hübscher, explicou que a quantidade de colesterol nos cortes bubalinos responde a média de 83mg/100g, enquanto que na carne bovina a média é de 123mg/100g. A diferença é de quase 50%. “Entre as carnes vermelhas, é de fato uma opção mais magra, na comparação com a bovina”, confirmou a nutricionista.

“Os teores de proteína da carne bubalina são, em média, de 21%, e da carne bovina de 19,5%”, compara a professora. “Além disso, cortes de búfalos têm menor quantidade de ácido graxo saturado palmítico, o que contribui para doenças relacionadas a níveis de gorduras no sangue”.

Fonte Ascribu – Associação Sulina de Criadores de Búfalos

Relacionadas

Veja também

Reunindo um pequeno grupo de convidados e autoridades a Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (ARCO) celebrou seus 80 anos, dia 18 último, em sua sede (Bagé, RS)
A Associação Catarinense de Avicultura (ACAV) anunciou a data do 13º Simpósio de Incubação, Matrizes de Corte e Nutrição, que está programado para o período de 6 a 8 de junho
Diretoria, Conselhos e Comissões foram apresentados oficialmente nesta terça-feira, 18 de janeiro. A cerimônia aconteceu na sede da ABCCMM, em Belo Horizonte (MG)
ABCZ TV produz série de reportagens sobre impactos do Programa de Melhoramento Genético do Zebu nos rebanhos brasileiros, em inegável contribuição para o incremento produtivo