Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas

Inscrições para a competição promovida pela Emater-MG, em sua 18ª edição, se encerram dia 10 de setembro
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas
O Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais é promovido pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Emater-MG – Foto: Divulgação Emater-MG
Áudio

O prazo de inscrições para o 18º Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais se encerra no dia 10 de setembro. A premiação é uma das maiores do país na cafeicultura e, em 2020, recebeu 1.792 inscrições. A participação no concurso é gratuita e podem concorrer no concurso somente produtores de municípios mineiros, com amostras de café arábica, tipo 2 para melhor, colhidas neste ano. O regulamento e a ficha de inscrição do concurso podem ser acessados no site www.emater.mg.gov.br.

O coordenador técnico estadual de Cafeicultura da Emater-MG, Bernardino Cangussú, conta que o concurso tem tido uma crescente adesão nos últimos anos. Segundo ele, a participação em concursos do setor traz vários benefícios para o cafeicultor. “A melhoria de qualidade dos cafés é um processo contínuo e os concursos são um balizamento de como está a produção dos concorrentes. Mesmo com os preços de cafés elevados, ainda assim a qualidade continua agregando valor ao grão e sendo um diferencial. Todo cafeicultor deve ter um trabalho de longo prazo, não devendo quebrar o ciclo de evolução continua”, argumenta Bernardino.

Produtores de Minas Gerais

Os produtores interessados em participar do concurso devem preencher a ficha de inscrição disponível no site da Emater-MG e entregar as amostras concorrentes nos escritórios da empresa. Cada cafeicultor poderá participar da premiação em apenas uma das duas categorias: Natural e Cereja Descascado, Despolpado ou Desmucilado. Na categoria Café Natural, o grão recém-colhido é levado para secar.

Já na categoria Café Cereja Descascado, Despolpado ou Desmucilado, após a lavagem, há uma separação dos frutos verdes e secos dos frutos maduros. Depois, eles passam por um descascador para só depois seguirem para secagem. No caso dos cafés despolpados e desmucilados, há ainda uma fase onde o produto passa por um tanque de fermentação.

A lavoura de origem da amostra deverá ser georreferenciada e ter a cultivar identificada. As amostras devem representar fielmente o lote. Os cafés inscritos passarão por análises físicas e sensoriais feitas por uma comissão julgadora, formada por classificadores e degustadores de café. A produção dos cafés participantes também passará por uma avaliação socioambiental. A comissão julgadora fará a classificação das melhores amostras das duas categorias, em cada região cafeeira de Minas Gerais: Cerrado, Sul de Minas, Matas de Minas e Chapada de Minas.

Bons preços do café

A solenidade de encerramento da premiação será em dezembro. Nela, serão conhecidos os três primeiros colocados de cada região produtora em cada categoria e o grande campeão estadual (a maior nota do concurso). Também será destacada a cafeicultora que obtiver a melhor pontuação entre os finalistas.

Em 2020, os cafés vencedores do concurso foram adquiridos por uma rede de supermercados de Belo Horizonte por valores bem acima da média de mercado. “O café está num momento de preços muito bons. E os cafés de qualidade devem alcançar preços ainda melhores em função da maior demanda por esses cafés e da menor oferta. Cabe ao produtor investir mais em qualidade para aproveitar esse bom momento dos preços do grão”, diz o coordenador da Emater-MG.

O Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais é promovido pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Emater-MG e Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), em parceria com a Universidade Federal de Lavras (Ufla), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas e a Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Faepe).

Fonte: Emater-MG
Foto: Divulgação Emater-MG

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Intitulado de SONDA, a nova solução da empresa combate as principais plantas daninhas que afetam a produtividade na lavoura
Surpreendentemente, carnes fecham o mês de setembro com novo recorde na receita cambial proveniente de exportações de carne bovina.
O presidente institucional da Abramilho, Cesario Ramalho, avaliou, em entrevista para o “Valor”, o cenário para safra verão 2021/22.
Entre eles, o etanol como uma das pontes para a nova era da mobilidade sustentável.