O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Coffee Coin

Cooperativa cria moeda digital para troca de café por mercadorias
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

À primeira vista acreditamos que tempo de permutas, escambos já se foram, estão lá no passado, quando produtos, frutos de plantios e criações de animais eram trocados por mercadorias de maior necessidade no momento. Pois é, nada disso pode ser considerado como esquecido. No agronegócio atual há espaço e muita criatividade para gerenciar trocas bem práticas no nível de bit coin.

O diretor de novos negócios da Minasul, Cooperativa brasileira dedicada à cafeicultura, Luís Henrique Albinati, conta que a empresa vem atuando com foco na transformação digital do seu negócio há alguns anos desde que registrou um crescimento exponencial de 300% em 3 anos. Como um dos passos deste processo, a companhia criou o Coffee Coin, moeda digital que permite a troca de café por produtos, e cujo gerenciamento é suportado pelo Dynamics, o ERP da Microsoft.

De acordo com o diretor, a solução implementada pela fornecedora de tecnologia, Inove, o café dos cooperados é convertido em um padrão monetizado que possibilita a troca de café estocado por mercadorias diversas nas lojas da Minasul, podendo ser adquiridos produtos de diversos valores, desde um chapéu até um trator. Assim, adotou-se que um quilo de café verde corresponde a um Coffee Coin cujo valor monetário é ajustado diariamente pela Bolsa de Nova York, obedecendo a padronização dos tipos de café.

Dessa forma, com o uso do Dynamics, armazenado em Azure, nuvem da Microsoft, a Minasul consegue, gerenciar as variações do preço diário do café, bem como as compras dos associados em suas lojas simultaneamente na mesma plataforma ERP. “Esta ideia nasceu para facilitar as compras dos nossos associados. Por enquanto, todos os pagamentos são feitos à vista e limitado aos nossos cooperados em nossas lojas, mas nosso objetivo para 2021 é o de transformar o Coffee Coin em uma criptomoeda, o que permitirá o pagamento utilizando-se de operações de crédito. Os produtores têm gastos diversos antes da colheita, assim eles poderão comprar defensivos, ferramentas, implementos agrícolas, dentre outras coisas ao longo do ano para viabilizar sua produção e terão a oportunidade de lastrear a sua aquisição no preço do café daquele dia e fazer o pagamento apenas após a colheita”, explica Albinati.

A Cooperativa Minasul finalizou recentemente o projeto de implementação do Dynamics em todas as suas áreas de comércio, exportação e armazenagem do café. Segundo Albinati, a migração era necessária para suportar o crescimento exponencial que eles tiveram nos últimos anos. “Somos uma cooperativa voltada para a inovação. Com o sucesso das aplicações utilizando Azure, Dynamics e associado ao Power BI, decidimos utilizar as mesmas plataformas na área do café, envolvendo todos os processos ali implantados e criando no Dynamics a “Vertical Café”. Este ano, toda a nossa plataforma ERP foi posta a prova para vermos a sua performance neste negócio e obtivemos excelentes resultados, com estabilidade em todo o percurso da safra, no ano em que batemos o recorde desde a fundação da cooperativa”, comenta. Em 2020, a Minasul atingiu mais de 1,8 milhão de safras de café. 

Techno Agro Economia

Com a utilização da tecnologia, alguns dos maiores benefícios identificados foram a escalabilidade, a alta disponibilidade do sistema, a possibilidade de desenvolver e testar formas de operacionalização, bem como o amadurecimento no nível de conhecimento tecnológico das equipes da própria Minasul.

A Minasul, localizada em Varginha (MG), utiliza também o Microsoft 365, suíte de ferramentas de colaboração e comunicação, e o Microsoft Teams, e também planeja implementar soluções de IoT (Internet das Coisas), automação e Inteligência Artificial no próximo ano. “Temos como objetivo para 2021 seguir inovando a caminho do Agro 4.0, como forma de aprimorar não só o nosso trabalho e o dos nossos cooperados, mas também incentivar e colaborar o desenvolvimento tecnológico de todo o mercado”, finaliza Albinati.

Fonte: Edelman/Negócio RuralFn

Fonte: Edelman/Negócio Rural