Cidades médias irão crescer após pandemia

Na fase pós-pandemia deve crescer no Brasil, o número de cidades médias, com 50 mil a 250 mil habitantes, que irão se desenvolver, em grande escala, com investimentos do agronegócio. A observação é de Marcos Fava Neves @favaneves, diretor da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) e professor da Universidade de São Paulo (USP/Ribeirão Preto). De acordo com Neves, hoje em dia é possível identificar pelo menos cem cidades brasileiras que já alcançaram grande desenvolvimento após receberem investimentos na agricultura e na agroindústria. “Esse é o modelo que o agro está propiciando ao País”, destacou.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Cidades médias irão crescer após pandemia
Áudio


Na fase pós-pandemia deve crescer no Brasil, o número de cidades médias, com 50 mil a 250 mil habitantes, que irão se desenvolver, em grande escala, com investimentos do agronegócio. A observação é de Marcos Fava Neves @favaneves, diretor da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) e professor da Universidade de São Paulo (USP/Ribeirão Preto).
De acordo com Neves, hoje em dia é possível identificar pelo menos cem cidades brasileiras que já alcançaram grande desenvolvimento após receberem investimentos na agricultura e na agroindústria. “Esse é o modelo que o agro está propiciando ao País”, destacou.
“Barreiras (BA), Chapecó (SC), Dourados (MS), Guaxupé (MG) e Petrolina (PE) são alguns exemplos de progresso gerando negócios e inclusão social”, citou o diretor da SNA, acrescentando que este movimento de crescimento populacional está fazendo com que o índice populacional nas grandes cidades permaneça mais estável.

Relacionadas

Veja também

Maria Antonieta Guazzelli, começou a trabalhar na Fazenda Palmito em 2002.
Grupo conta, atualmente, com quase 100 mulheres que estão ligadas, direta ou indiretamente, com a cadeia produtiva de carne no país
“Acompanhei um diálogo da ministra Tereza Cristina com o NFA, Núcleo Feminino do Agronegócio ontem, sob a presidência da Maria Antonieta Guazzelli, líder do NFA e produtora de leite exemplar. A ministra Tereza Cristina colocou em cerca de 30 minutos exemplos extraordinários de consciência sobre o estado atual do agronegócio brasileiro, o seu porvir e as expectativas vitais para perseguirmos cada vez mais dignidade para todos os brasileiros e consumidores mundiais dos nossos produtos.

O NFA foi criado principalmente para troca de experiências e informações na área de gestão, e se tornou referência nacional em liderança, inspirando a criação de vários outros grupos de mulheres pelo país.

Em 2017, o Núcleo foi transformado em associação, o que aconteceu durante a gestão da pecuarista Carmen Perez, a presidente do NFA naquela época com a vice Regina Margarido. Foi o primeiro grupo de produtoras rurais, em sua maioria pecuaristas a criar uma entidade desse tipo no Brasil, já que os demais grupos funcionam de maneira informal ou estão ligados a sindicados rurais e a cooperativas.