O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Cercas virtuais como tecnologia para aprimorar o manejo e de olho na sustentabilidade

Agtechs de diferentes países têm apresentado modelos de cercas virtuais na pecuária, seja para aprimorar o manejo, a sustentabilidade ou o bem-estar animal, ou para maior segurança dos animais e das fazendas
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Empresas de vários países têm apostado no uso de cercas virtuais. A exemplo da estadunidense Vence, que recebeu um aporte de US$ 12 milhões (cerca de R$ 64 milhões) no mês de abril. Outras iniciativas similares para diferentes espécies surgiram também na Escócia, Portugal, Noruega (NoFence), Austrália (e-shepherd) e Nova Zelândia (Halter). 

A startup dos EUA oferece sua versão de cerca virtual para evitar a necessidade de instalação de quilômetros de arames e mesmo as constantes trocas de local das cercas convencionais. 

“Temos mais de 5.000 usuários em campo em todo o mundo, desde renas no Alasca a elefantes no Sri Lanka. Estamos focados na pecuária agora”, disse o cofundador da agtech Frank Wooten à AgFunders. 

A iniciativa usa coleiras com GPS para manter o gado onde deveria estar. Funciona assim. Primeiro, os usuários criam digitalmente as fronteiras do pasto. Se o animal chega ao limite, a coleira emite um ruído de aviso. Se não for suficiente, ocorre um leve choque elétrico – como uma cerca elétrica física. 

O dispositivo pode ser colocado em menos de 30 segundos e tem duração de bateria de no mínimo nove meses, chegando até dois anos. O preço é de US$ 35 por animal (cerca de R$ 180) ao ano, podendo cair dependendo do número de cabeças no rebanho. 

Gerenciamento do rebanho e segurança com as cercas virtuais

O roubo e o furto de gado são uma grande preocupação de pecuaristas no Brasil pelo prejuízo econômico e até pela integridade física do produtor e sua própria família. 

Para Malcolm MacDonald, especialista do Rural College da Escócia (SRUC), as cercas virtuais favorecem inclusive a segurança. Se de fato a tecnologia for robusta, pode ser uma ferramenta contra o abigeato no Brasil. 

“A tecnologia pode melhorar o gerenciamento do rebanho, até mesmo a segurança, pois os produtores podem monitorar cada animal por smartphone”, disse. 

Sustentável

O pastoreio rotativo também se apresenta como uma vantagem que permitirá à pecuária mitigar mudanças climáticas ainda mais com ferramentas inteligentes. 

Sua premissa principal é limitar o acesso das vacas a uma determinada área de pasto, deslocando-as para uma nova seção antes que elas pastem demais. Depois que o gado é transferido, o pasto tem tempo para crescer novamente, proporcionando raízes mais profundas, solos mais saudáveis ​​e melhor retenção de água. 

Com a tecnologia, a Vence visa ajudar os produtores de gado a sequestrar carbono por meio de pastagens cuidadosamente gerenciadas. As pastagens dos EUA são o segundo maior sumidouro de carbono do mundo e o pastoreio rotativo inteligente acelera o ritmo em que essas terras fixam o elemento. 

Mas, como observa Wooten, a qualidade de vida dos agricultores também deve ser considerada. O sistema realiza um plano de pastejo inteiro de uma só vez, liberando tempo para o pecuarista ou sua equipe. 

Fonte: AgEvolution/Canal Rural
Crédito da foto: Reprodução/AgEvolution

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil