O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Brasil passa a liderar o mercado mundial de carne bovina

O Brasil passou a liderar o mercado mundial de carne bovina. Ultrapassou a soma das exportações dos Estados Unidos e da Austrália. Artigo recente do professor @xicograziano traz dados mostrando que o país conseguiu essa proeza REDUZINDO sua área com pastagens. Dados da Consultoria Athenagro mostram que, nos últimos 30 anos, houve uma redução de 30 milhões de hectares na área de pastagens no país. No mesmo período, a produção de carne por hectare aumentou 170%. É sensacional!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

O Brasil passou a liderar o mercado mundial de carne bovina. Ultrapassou a soma das exportações dos Estados Unidos e da Austrália.
Artigo recente do professor @xicograziano traz dados mostrando que o país conseguiu essa proeza REDUZINDO sua área com pastagens.
Dados da Consultoria Athenagro mostram que, nos últimos 30 anos, houve uma redução de 30 milhões de hectares na área de pastagens no país. No mesmo período, a produção de carne por hectare aumentou 170%. É sensacional!
Como se tornou possível tal façanha? Investindo em tecnologia agropecuária, destacando-se as seguintes:
1.Recuperação de pastagens degradadas, principalmente no Centro-Oeste, através da aplicação de calcáreo (para corrigir a acidez do solo), de gradeação do solo e combate às ervas invasoras, replantio de gramíneas com adubação, química e orgânica. Mudou o paradigma: pastagens passaram a ser tratadas como áreas de lavouras.
2.Manejo do rebanho em pastos menores, subdivididos das extensas invernadas, realizando a rotação intensa das áreas de produção.
3.Melhoria genética do rebanho (promovida com touros selecionados e inseminação artificial da vacada), trazendo ganhos de peso e precocidade. O choque de raças entre o gado zebuíno e europeu acrescentou vigor híbrido aos descendentes.
4.Alimentação suplementar no cocho, com sal proteinado e rações balanceadas, mantendo o rebanho nutrido e garantindo boa desmama de bezerros.
5.Cuidados zootécnicos e veterinários, no controle de parasitas e doenças de ruminantes, incluindo preceitos do bem estar animal.
6.Confinamento e semi-confinamento, para realizar mais rapidamente a terminação do gado para abate. Antes um boi era abatido aos 4 anos, agora vai para o frigorífico entre 18 a 24 meses, e a carne é mais macia.
Esse conjunto de tecnologias promoveu a intensificação tecnológica da pecuária nacional. Na última década, com praticamente o mesmo tamanho do rebanho, a produção de carne aumentou 20%. E as pastagens diminuíram em 8,4%, liberando 14,8 milhões de hectares para a produção de grãos ou para a recuperação florestal da Amazônia.