O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Aumentam as exportações brasileiras de mamão

A demanda internacional foi positiva nos dois primeiros meses do ano
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

De acordo com o Cepea, a boa demanda internacional favoreceu as exportações brasileiras de mamão nos primeiros meses do ano (2021), especialmente em fevereiro – com registros de aumento em relação a janeiro. Conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), os envios totalizaram 4,23 mil toneladas no mês, quantidade 12% superior na comparação com o período passado. Já a receita arrecadada foi de US$ 4,14 milhões, alta de 11% no mesmo comparativo.

A procura continuou vindo principalmente da União Europeia, que comprou 73% do volume total exportado pelo Brasil em fevereiro. No entanto, também houve importante melhora da participação do Mercosul – a qual, mesmo que ainda baixa, de apenas 7%, tem se mostrado como uma boa saída ao setor, devido à logística menos travada e à possibilidade de frete retorno. Ainda, segundo a Secex, os envios ao bloco aumentaram em 66% frente a janeiro, puxados, sobretudo, pela Argentina.

E quanto a fevereiro do ano passado? Os números estão um pouco menores, por conta de os voos internacionais continuarem restritos, visando frear o avanço das novas variantes da covid-19 presentes no Brasil. Assim, os poucos voos disponíveis estão com elevados valores de frete. Destaca-se que, atualmente, boa parte está sendo exportada por aviões cargueiros – que demoram mais para serem preenchidos e, portanto, prejudicam o embarque de produtos muito perecíveis.

Envios limitados em março

Para março, exportadores acreditam que os envios podem ser limitados pela baixa oferta de mamão nas principais regiões produtoras, enquanto, para abril, a chegada da primavera europeia pode aumentar a disponibilidade de frutas locais, sendo preferidas pelo menor preço frente às importadas exóticas – como é o caso do mamão.

Fonte: Secretaria de Comércio Exterior – Secex