Abramilho e perspectivas para safra 2021/22

O presidente institucional da Abramilho, Cesario Ramalho, avaliou, em entrevista para o “Valor”, o cenário para safra verão 2021/22.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Abramilho e perspectivas para safra 2021-2022
Expectativa é que a área destinada ao cultivo do milho aumente neste ciclo 2021/2022

Confira a íntegra: Valorizado, milho deverá ter maior área plantada na safra de verão

O plantio da safra de milho já está em andamento no País e a expectativa é que a área destinada ao cereal aumente neste ciclo 2021/2022. Isso pela oportunidade de mercado criada após as duas principais safras do cereal enfrentarem quebra em 2020/2021, o que fez a produção total cair 16,40% em relação a 2019/2020. Mas a expansão deverá ser modesta, segundo as primeiras previsões do mercado.

Entre as consultorias, as estimativas de área a ser destinada ao milho verão estão entre 4.38 milhões e 4.53 milhões de hectares; a da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para 2020/2021 é de 4.35 milhões de hectares.

Apesar de uma janela de mercado estar aberta, na visão de analistas, a concorrência com a soja impede avanço mais forte. “Não chegará a ser um aumento de área [de milho], apenas uma interrupção na queda que temos visto ano após ano”, disse Carlos Cogo, da Cogo Inteligência em Agronegócio.

Para Paulo Molinari, da Safras & Mercado, o avanço da área também é limitado pelo custo de produção e pela incerteza com o preço futuro, o que fez muitos agricultores adiarem o investimento na safrinha de 2022. “Também tem a questão da cigarrinha [inseto que causou perdas no ano passado]”, afirmou o analista.

Diferença nas margens

Apesar de os custos terem aumentado mais de 52% no Rio Grande do Sul, segundo a Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado (FecoAgro-RS), Cogo não vê grande diferença nas margens de soja e milho no estado.

“O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) é próximo a 58% nos dois casos. Como o desembolso no milho é maior, o produtor pode ficar receoso, mas a produtividade é mais alta e os preços estão bem atrativos”, disse.

Cenário

O vácuo deixado pela quebra em 2020/2021 criou um cenário de preços mais atraente ao produtor. Um exemplo é o Indicador Cepea. Ontem, a saca de 60 quilos de milho estava cotada a R$ 92,81, preço 56,80% maior que o do mesmo dia de 2020 (R$ 59,19).

“O produtor tem chance de ter um faturamento melhor do que com a soja, com certeza. Vender milho a R$ 90,00, com uma produtividade de 140 a 150 sacas, não é nada absurdo para Paraná e Mato Grosso do Sul, por exemplo. É uma grande oportunidade”, destacou Cesário Ramalho, presidente institucional da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho).

O dirigente afirmou que muitos agricultores estão com dificuldades para encontrar sementes com resistência à cigarrinha por causa da forte demanda, mas lembrou que a produtividade ainda pode ser muito maior. “Os Estados Unidos produzem 12 toneladas por hectare, enquanto ficamos em torno de 5 a 6 toneladas. Há espaço para melhorar”, disse.

Chicago e Argentina

Os preços também estão atraentes em Chicago, mesmo com as recentes quedas. Diante da quebra no Brasil e de estoques mundiais apertados, o grão no mercado futuro subiu quase 40% em 12 meses, segundo cálculos do Valor Data.

Na Argentina, o cenário deverá levar a uma área recorde de milho em 2021/2022 de 7,1 milhões hectares, segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires.

Custos elevados

Essa soma de fatores, positiva ao agricultor, também significa que os criadores de aves e suínos deverão continuar com custos elevados, uma vez que o milho é um insumo importante na ração.

Independentemente do aumento de área e da redução nas exportações (estimada em 40%), o esperado alívio nos preços deverá ocorrer apenas após a safrinha de 2022, no segundo semestre.

“Para o verão, o agricultor terá uma boa oportunidade de mercado, sem dúvida. O problema de abastecimento brasileiro irá até a entrada da próxima safrinha. Há espaço para preços altos até lá”, disse Molinari.

Fonte: Abramilho

Crédito da foto: Agência Brasil – EBC

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O Programa Tomorrow’s Legends (Lendas do Amanhã) fomentará as provas brasileiras de Três Tambores e dará a largada durante a V Copa NBHA Brazil, em Avaré (SP).
Intitulado de SONDA, a nova solução da empresa combate as principais plantas daninhas que afetam a produtividade na lavoura
Surpreendentemente, carnes fecham o mês de setembro com novo recorde na receita cambial proveniente de exportações de carne bovina.
Entre eles, o etanol como uma das pontes para a nova era da mobilidade sustentável.