O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Abacate: uma das frutas mais exportadas pelo Brasil

O abacate é cultivado em 15,3 mil hectares do território brasileiro e entre as frutas, é a 17ª em área e Valor Bruto de Produção (VBP)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
A produção está mais concentrada no Norte do Estado do Paraná, responsável por 75% dos frutos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Estudo elaborado pelo Departamento de Economia Rural, da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento – voltado para o Paraná – mostra que a produção está mais concentrada no Norte do Estado, responsável por 75% dos frutos. Destaque para Apucarana e Arapongas, os dois principais produtores.

O abacate teve um incremento de 19% na área de plantio e de 34,1% em produção no Paraná, nos últimos dez anos. Apesar de o volume estadual ainda não ser expressivo nacionalmente, é uma cultura importante, sobretudo na região Norte. A análise sobre a fruta é um dos temas do Boletim de Conjuntura Agropecuária, elaborado pelo Departamento de Economia Rural, da Secretaria estadual da Agricultura e do Abastecimento, referente à semana de 27 de março a 1.º de abril.

O abacate é cultivado em 15,3 mil hectares do território brasileiro. Entre as frutas, é a 17ª em área e Valor Bruto de Produção (VBP), com R$ 362,2 milhões apurados em 2019 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Em volume de produto colhido, ocupa o 15º lugar, com 242,9 mil toneladas.

O Paraná é o terceiro maior produtor, responsável por 9,7% das colheitas. É antecedido pelo Estado de São Paulo, com 50,6% da produção, e Minas Gerais, com 28,6%. O solo paranaense produz 26,4 mil toneladas de abacate em 1,3 mil hectares, o que representa 1,9% do volume da fruticultura estadual. Em 2019, o VBP somou R$ 4,9 milhões.

Nos últimos dez anos, o incremento foi de 19% em área e 34,1% em colheitas. A produção é concentrada na região Norte do Estado, que responde por 75% dos frutos no Paraná. Apucarana é o principal produtor, com 11,4% do volume estadual. O município de Arapongas, contíguo a Apucarana, vem em segundo lugar, com 8% da produção.

No ano passado, o abacate foi a 12ª colocada entre as frutas mais exportadas pelo Brasil. Foram enviadas 7,6 mil toneladas para o Exterior, o que rendeu US$ 13,2 milhões. O País também é importador da fruta. No mesmo ano, foram compradas 326 toneladas, pelas quais pagamos US$ 874 mil. Em âmbito mundial, o México lidera a produção, com 34,6% da oferta de 6,3 milhões de toneladas registrada em 2018.

Ceagesp contribui com pesquisa

A Seção do Centro de Qualidade Hortigranjeira (SEGUNDOSQH) em uma parceria, ainda informal, com a Associação Brasileira de Produtores de Abacate (ABPA) irá colaborar com a cadeia produtiva do abacate. O entreposto de São Paulo é o principal local de comercialização do Brasil. Os maiores permissionários na comercialização de abacate estão interessados e colaborando com a pesquisa. A seção que cuida da pesquisa na CEAGESP realizará entre os meses de fevereiro de 2021 e janeiro de 2022 a avaliação do teor de matéria seca de abacate na CEAGESP a fim de pesquisar e identificar as quantidades médias de matéria seca das principais variedades ao longo do ano.

Você sabia que há mais de 500 variedades de abacateiros?

Isso explica os muitos tipos de abacates diferentes no tamanho, forma, peso, coloração dos frutos, com peculiaridades de polpa, fibras, caroço e casca. O avocado (variação hí­brida do abacate) possui a casca um pouco mais rugosa e geralmente a coloração castanho-escura na maturação.

No Brasil e em poucos países o abacate é considerado fruta, portanto, na maioria restante é considerado como hortaliça, em saladas, muitas vezes com camarões e em molhos como guacamole.

Se há uma fruta que está em evidência é o abacate. O consumo vem aumentado tanto pelas qualidades nutracêuticas. Ele é muito rico em lipídeos ou gorduras boas para a saúde, excelente fonte de fibras e diversas vitaminas, além de ter um conteúdo muito baixo de açúcares, o que o torna bom para pessoas com glicemia alta.

Fonte: Geagesp/Cepea

Ouça o artigo
Ouça
o artigo