Tecnologia revoluciona resultados positivos na agricultura

Dentre as muitas implementações de tecnologia no Agro, cinco delas, efetivamente, estão mudando o cotidiano do setor
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

A tecnologia entrou na vida de todos e, com certeza, vem mudando hábitos e conceitos de muitos. No agro não é nada diferente, especialmente para aqueles que escolheram a agricultura como profissão. De acordo com um levantamento da equipe da Agrishow, especializada em feiras tecnológicas do setor, existe cinco elementos que realmente vão fazer a diferença no cotidiano do campo e impulsionar ainda mais o agronegócio.

Robôs para a colheita

No Reino Unido e na Espanha, com o intuito de reinventar a colheita, já que a mão de obra manual encontra-se escassa, os robôs estão sendo projetados para escolher e recolher frutas. Já nos Estados Unidos, os robôs estão trabalhando em campos de legumes e maçãs.

Robôs para detecção de problemas do campo com tecnologia da NASA

Os robôs dessa categoria já estão em teste no campo: Terra Sentia da Earth Sense, que é aproximadamente do mesmo tamanho de um cortador de grama robótico, mas envolvido com o aprendizado de máquina e a programação visual dos robôs da NASA. Esses equipamentos terão a função ainda de diferenciar a variedade de solos. Combinado com outros sistemas de tecnologia de bordo, o Terra Sentia promete coletar dados sobre características de saúde das plantas, fisiologia e resposta ao estresse.

Desenvolvido pela Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, com apoio do Departamento de Energia dos EUA, ele usa a detecção e alcance de luz, tecnologia para coletar dados de sub-superfície de difícil acesso. É uma versão mais simples da tecnologia que a NASA usa para estudar a superfície da Lua e de Marte, e que veículos operados remotamente em alto mar usam para compreender melhor o fundo do oceano.

Tratores autônomos

Você já deve ter ouvido falar disso, mas realmente os tratores autônomos chegarão para ficar de vez no campo. Em 2017, a Case já apresentou seu trator autônomo e sem cabine aqui no Brasil. Ele é operado a distância através de um tablet e conta com motor de 380 cv de potência, além de câmbio CVT.

O trator também tem outras tecnologias embarcadas como telemetria, sensores, radar e câmeras, aplicativo de controle remoto e sistemas de comunicação com outras máquinas e implementos. De acordo com um relatório da Cisco, o tamanho do mercado global de tratores autônomos deve atingir US$ 4.389,8 milhões em 2025. Há dúvidas ainda sobre os tratores que precisam fazer operações mais pesadas. Para arar o solo, por exemplo, uma máquina precisa ser bastante poderosa e se mover rapidamente, o que nem sempre um veículo autônomo leve consegue.

Ferramentas digitais

Quando falamos em ferramentas digitais como tecnologia no campo, não é sobre um computador e celular, mas sim softwares (aplicativos) que existem neles. Mais do que ter um computador com programas de texto e acesso à internet, essas ferramentas são instrumentos específicos que dão maior agilidade, facilidade e segurança. As ferramentas digitais já estão entrando na rotina da lida das fazendas, como o WhatsApp, por exemplo. Elas também aparecem na pesquisa acadêmica, melhorando e otimizando processos, especialmente na área de genética.

Blockchain

Blockchain é uma tecnologia de armazenamento de informações, permitindo que todos os membros registrem transações em um registro de dados digitalizado e descentralizado, mantido em uma rede computadores. Ela permite transações ponto a ponto de moeda, mercadorias, produtos agrícolas ou qualquer outra coisa de valor, de forma transparente. Assim, a agricultura pode tirar muito proveito dessa tecnologia. De acordo com o ReportLinker, a blockchain nas cadeias de suprimento de alimentos e agricultura é estimado em US$ 60,8 milhões em 2018 e deve chegar a US$ 429,7 milhões até 2023.

O Ministério Holandês da Agricultura financiou o primeiro projeto de pesquisa, “Blockchain for Agrifood”, que foi proposto para explorar implicações de blockchain para o agroalimentar. Estudos-piloto indicam que a tecnologia blockchain permite rastrear os alimentos da fazenda ao supermercado em apenas alguns segundos.

Assim, a blockchain vai fornecer um inventário contínuo mais preciso de suprimentos de alimentos, especialmente à medida que a tecnologia amadurece em parceria com dispositivos de IoT (internet das coisas) e algoritmos de inteligência artificial. A Organização para Agricultura e Alimentação dos Estados Unidos estima que cerca de um terço dos alimentos produzidos para consumo humano é desperdiçado e um sistema abrangente e preciso de rastreamento como esse pode reduzir significativamente o problema.  Além disso, ela também ajudará a reduzir os casos de produções ilegais, fraude e transparência financeira.

Tecnologia em números no campo

Em um ano, a adoção de plataformas e canais digitais cresceu de 36% para 46% entre os agricultores brasileiros – é o que aponta a edição 2021 da pesquisa “A mente do agricultor brasileiro na era digital”, realizada pela McKinsey & Company.

A pesquisa foi feita com cerca de 600 agricultores, em 12 meses, verificando a preferência por esses canais – direcionados pela performance do Farmbox, software de gestão de propriedades rurais. Dos produtores ouvidos, metade deles está disposta a experimentar essas novas tecnologias com base em um modelo de negócio onde os ganhos de custo e/ou produtividade são compartilhados e vinculados ao desempenho da solução.

Fonte: Agrishow Digital/ Farmbox

Relacionadas

Leia também